Em mercados / politica

Investidores veem Alckmin derrotando Bolsonaro no 2º turno e Bolsa acima dos 105 mil pontos

Levantamento feito pela XP Investimentos com 188 investidores institucionais mostra projeções mais favoráveis para o mercado com Alckmin eleito e menos com Ciro Gomes

Geraldo Alckmin
(Alexandre Carvalho/ A2img)

SÃO PAULO - O cenário para as eleições presidenciais ainda é muito nebuloso, mas os especialistas do mercado já fazem suas apostas para os caminhos que deverão seguir Ibovespa e câmbio dependendo do nome escolhido pelos brasileiros para comandar o país pelos próximos quatro anos. Uma sondagem feita pela XP Investimentos em abril mostra que a maior parte dos 188 investidores institucionais consultados vislumbra um cenário mais favorável para estes dois componentes caso Geraldo Alckmin (PSDB) seja eleito. O tucano lidera com folga o cenário, seguido pelo deputado Jair Bolsonaro (PSL).

Conforme aponta a XP, as apostas na vitória de Alckmin nas eleições apresentaram leve crescimento em relação a novembro do ano passado: de 46% para 48%. Atrás dele vem Jair Bolsonaro, cujas apostas saltaram de 17% para 29%, com o parlamentar ocupando boa parte do espaço deixado pelo apresentador de televisão Luciano Huck (com 19% em novembro).  O ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa (PSB) deve ser o vencedor para 16%, enquanto a ex-senadora Marina Silva (Rede) tem 3% das menções. O ex-ministro da fazenda Henrique Meirelles (MDB) é apontado por 2% dos respondentes. Outros nomes foram apontados por 2% dos respondentes.

A maioria dos investidores institucionais ouvidos acredita como cenário de segundo turno mais provável uma disputa entre Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro (44%). Um enfrentamento entre Jair Bolsonaro e Joaquim Barbosa é apontado por 22% dos respondentes, enquanto uma disputa entre Bolsonaro e Ciro Gomes, por 9%.

Projeções
Segundo o levantamento, para 98% dos entrevistados, o Ibovespa subiria do patamar atual se o ex-governador de São Paulo vencesse a disputa em outubro. Na avaliação de 34% dos entrevistados, essa situação levaria o benchmark acima dos 105 mil pontos, ao passo que 19% acreditam que o índice iria para a faixa entre 100 mil e 105 mil pontos, e 20%, entre 95 mil e 100 mil pontos. Apenas 1% veem o índice abaixo de 70 mil pontos e 0,5% apontam algo entre a pontuação de 70 mil e 75 mil. Do lado do câmbio, 37% dos respondentes imagina o dólar abaixo de R$ 2,90, enquanto 17%, entre R$ 2,90 e R$ 3,10.

Caso o deputado Jair Bolsonaro seja eleito presidente, as projeções para Bolsa e câmbio dos entrevistados são mais difusas. 19% acreditam que o Ibovespa ficará na faixa entre 80 mil e 85 mil pontos. O mesmo percentual vê o índice entre 75 mil e 85 mil pontos com uma vitória do ex-capitão do Exército. Para 17%, o benchmark ficará no patamar entre 85 mil e 90 mil pontos, enquanto 13% apostam em algo entre 70 mil e 75 mil. Para o cenário de dólar,  investidores se mostraram menos pessimistas, 49% indicaram que o câmbio brasileiro se desvalorizaria, ante 77% na sondagem de novembro. Para 27%, a moeda norte-americana ficaria na faixa entre R$ 3,50 e R$ 3,70.

Se o presidente eleito for o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, 68,6% dos respondentes acredita que o Ibovespa operará abaixo dos 70 mil pontos, o que corresponderia a uma queda superior a 17% considerando os atuais patamares do índice. Para 18,6% dos entrevistados, o benchmark ficaria entre 70 mil e 75 mil pontos com a eleição do petista. Já do lado do dólar, 95% indicaram que o câmbio brasileiro se desvalorizaria (considerando o patamar atual de R$/US$ 3,40). Sendo que 25% indicam que a moeda subiria para um patamar acima de R$/US$ 4,10. Para 49% dos respondentes a moeda se desvalorizaria ao menos 15%.

Em caso de vitória do ex-governador do Ceará Ciro Gomes, as expectativas majoritárias (79%) são de Ibovespa abaixo de 70 mil pontos; outros 15% veem o índice entre 70 mil e 75 mil pontos. Do lado do câmbio, 99% indicaram que o real se desvalorizaria. 52% esperam o dólar acima de R$ 4,10, enquanto 21% veem a moeda entre R$ 3,90 e R$ 4,10.

Caso o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa seja o escolhido pelos brasileiros, os investidores apresentam projeções difusas. Para 34% o Ibovespa recuaria para baixo de 75 mil pontos, ou seja, investidores enxergam ao menos uma queda de 11% no índice. Enquanto 26% acreditam em uma alta do índice com Barbosa vencendo. Para o dólar,  investidores se mostraram negativos e 60% indicaram que o câmbio brasileiro se desvalorizaria para um patamar acima de R$/US$ 3,50. Sendo que 21% indicam que iria para mais de R$/US$ 3,90. Para 15% dos respondentes a moeda se valorizaria

A sondagem, realizada pela XP Investimentos entre os dias 9 e 11 de abril, ouviu 188 investidores institucionais, dentre gestores de recursos, economistas, consultorias entre outros. A amostra contou com as principais instituições do mercado financeiro brasileiro, com uma representação de mais de 50% dos recursos sob gestão no setor. Segundo os organizadores, o levantamento tem por objetivo entender os cenários para Bolsa e dólar em função do quadro eleitoral.

 

Contato