EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / politica

Perspectiva de votos para Luciano Huck é mais positiva do que a Geraldo Alckmin, diz sociólogo

Para Rodrigo Prando, conjuntura ainda turva justifica ambiguidade de Fernando Henrique Cardoso, mas apresentador da Rede Globo tem grande potencial eleitoral

SÃO PAULO - Tecnicamente empatados na última pesquisa para a corrida presidencial divulgada pelo instituto Datafolha, o governador Geraldo Alckmin e o apresentador de televisão Luciano Huck têm recebido acenos simultâneos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De um lado, a novidade na política, o outsider, dono de elevados índices de aprovação entre os brasileiros como figura pública. Do outro, a experiência e a tentativa de construção da imagem da segurança em tempos de turbulência.

Por trás das movimentações aparentemente ambíguas do presidente de honra do PSDB, há uma busca por posição segura em um cenário ainda turvo, em que as candidaturas ainda não se mostram definidas. "Fernando Henrique Cardoso é um dos políticos mais preparados do Brasil, mas não nos esqueçamos que também é um cientista social. Ao mesmo tempo em que olha a árvore, consegue ver a floresta. Ele consegue ver o indivíduo, os movimentos mais cotidianos, mas algo mais amplo também. Ele é um analista político e foi presidente eleito duas vezes", observou o sociólogo Rodrigo Prando, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, convidado da última edição do programa Conexão Brasília.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

"Ele, ao mesmo tempo, valoriza a figura de Geraldo Alckmin e também a de Luciano Huck. Começando pelo segundo, diz que a juventude, a renovação é boa para o Brasil. E não tem como não ser, nossa política é gerontocrática. Então, nomes novos desestabilizam a zona de conforto da classe política. Agora, FHC também diz que o governador é um homem simples, austero, sabe se comunicar e é experimentado. Alckmin acalma em um momento que vem depois de um momento que o Brasil saiu traumatizado , com as eleições de 2014, e fraturado com o impeachment, e com todas as denúncias de corrupção oriundas da Lava Jato", explicou o professor.

Na avaliação do especialista, a atual conjuntura favorece o apresentador da Rede Globo, embora Huck tenha reiterado algumas vezes não ter interesse em se candidatar ao pleito de outubro. "Alckmin, de certa maneira, tem recall, foi candidato a presidente, é governador. Luciano Huck teria uma avenida para poder se apresentar. Por enquanto, as pessoas sabem apenas que ele é um apresentador de TV, muito pouco do que pensa. E não nos enganemos: há gente de peso, intelectuais, junto com ele", afirmou Prando. E seria esse ambiente ainda incerto que justificaria a aposta dupla do experiente FHC. “Nesse cenário, as projeções são mais positivas para Luciano Huck. Fernando Henrique, que entende de tendência eleitoral, diz algo muito claro: se Alckmin não deslanchar, é preciso pensar em outra saída".

"Todos engatilham um plano B. FHC deixa aberto um plano B, como todos no PSDB pensam em plano B, como todo mundo no PT também está pensando", analisa o sociólogo. Contudo, ainda seria cedo para qualquer avaliação mais assertiva acerca do quadro eleitoral. Se, por um lado, não há definição acerca da candidatura de Huck, por outro Alckmin segue costurando nos bastidores as alianças que deverão dar sustentação à sua candidatura ao Palácio do Planalto.

"Alckmin é muito habilidoso. Ele é um político com apoio muito grande em São Paulo. Quando se fala em política nacional, para um candidato à presidência da República, quem vai estar no município buscando voto e falando pelo candidato é o vereador e o prefeito. Claro que Alckmin tem um apoio enorme no maior colégio eleitoral que é São Paulo", afirmou Prando. Levando-se em consideração o desempenho tucano nas últimas eleições municipais, o partido passou a ter o controle de 789 prefeituras, ante 686, sendo o segundo maior partido em municípios governados.

Por outro lado, ainda são esperadas dificuldades na costura da aliança entre os partidos da base governista. Enquanto o vice-governador paulista Márcio França tenta efetivar sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes, a bancada tucana sinaliza indisposição a abrir mão de lançar um nome para a sucessão de Alckmin. O governador terá de administrar uma difícil combinação de interesses difusos, envolvendo legendas que vão desde o PSD e o DEM até o próprio MDB, do presidente Michel Temer, que já indica lançar a candidatura de Paulo Skaf.

"Não podemos dizer se Alckmin é o potencial presidente ou se vai ser descartado, porque vai depender de sua habilidade para construir uma coalizão de centro", afirmou o professor. As expectativas de muitos analistas são de que o governador permanecerá por algum tempo na atual incômoda posição nas pesquisas eleitorais. Assim sendo, será ainda mais necessária habilidade política para firmar acordos em situação adversa como esta, em uma tentativa de sinalizar crescimento sólido e seguro com o início do período de campanha de televisão. "A história do Brasil nos últimos tempos tem sido um pêndulo, com governos mais liberais ou mais intervencionistas. Quem agora vai conseguir trazer o pêndulo para o centro e mostrar que é hora de acalmar o eleitorado e o mercado? Política depende de convencimento. Convencer é vencer junto, não sozinho", concluiu Prando.

Do outro lado, embora pesquisas indiquem potencial eleitoral interessante de Luciano Huck, a conversão de aprovação como figura pública em votos não é garantida. "Por enquanto, a imagem [de Huck], está sendo apresentada praticamente em um mar de rosas. Quando começa efetivamente uma campanha, você deixa de ser um candidato pedra, que pode quebrar a vidraça do adversário, para ser vidraça, com os outros começando a bater, em uma tentativa de desconstrução de imagem", lembrou o professor. A entrevista foi concedida na sexta-feira, antes da primeira grande pedrada atingir qualquer possível campanha de Luciano Huck.

Conforme publicado pelo site Tijolaço, e posteriormente pela Folha de S.Paulo, o apresentador de TV, em 2013, fez uso de um  empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES para comprar um jatinho particular da fabricante Embraer. De acordo com a reportagem, o financiamento, do programa BNDES Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), teve como beneficiária a Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda., da qual Luciano e a sua esposa Angélica são sócios. Os juros do empréstimo, datado de 29 de maio de 2013, foram de 3% ao ano, com 114 meses de amortização para o pagamento por meio do programa PSI, Programa de Sustentação do Investimento, com juros subsidiados. Ou seja, parte do empréstimo é coberto pelo Tesouro, já que a correção era inferior aos 6,75% da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), usada até o ano passado nos empréstimos do BNDES.

Em janeiro, Huck foi a única figura pública avaliara pelos brasileiros no Barômetro Político da Ipsos Public Affairs a apresentar um índice de aprovação superior a 50%. Foram 56% de avaliações positivas contra 34% negativas. Figuras como o ex-ministro Joaquim Barbosa e o juiz federal Sérgio Moro, por exemplo, também apresentam boa performance, com as avaliações positivas superando as negativas, mas ainda empatadas pela margem de erro.

Contato