Em mercados / politica

As estratégias do PT para tentar evitar o cenário mais trágico para Lula: a prisão

Segundo o G1, está em análise a possibilidade da defesa do ex-presidente apresentar um pedido de habeas corpus preventivo no STF

Lula
(Ricardo Stuckert)

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sofre revés atrás de revés desde que a sua condenação foi confirmada em segunda instância por unanimidade e concordância dos três desembargadores do TRF-4 (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região sobre o aumento da pena em 12 anos e um mês no caso triplex do Guarujá. Ontem à noite, a Justiça do Distrito Federal determinou a apreensão do passaporte do petista - e ele teve que cancelar a sua viagem à Etiópia. 

 Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Contudo, a tarefa mais urgente do partido é evitar o "pior cenário", de prisão do ex-presidente, que pode acontecer já nos próximos meses (há quem preveja que isso já aconteça em abril, quando todos os recursos ao Tribunal devem ser esgotados).

Desta forma, o PT já estuda uma saída jurídica para neutralizar a execução da pena na segunda instância, segundo informa o Globo, citando reportagem da GloboNews.

Estuda-se um pedido de habeas corpus preventivo no STF depois do julgamento do recurso do embargo de declaração pela segunda instância, que deve ser a próxima apelação após a decisão do TRF4.

Conforme aponta a reportagem, os petistas estão preocupados com o impacto político de uma eventual prisão de Lula e, por isso, querem fazer um movimento antecipado. Alguns ministros do STF contrários à execução da pena a partir de condenação em segunda instância já sinalizam que podem acatar o pedido do PT. Existe uma ação no Supremo que pode rever esse entendimento de prisão em segunda instância e há uma pressão por parte dos ministros do Supremo para que a presidente da Casa, Cármen Lúcia, coloque a matéria na pauta. 

Mais chances no STF do que no STJ
Neste sentido, a Folha de S. Paulo aponta que a possibilidade do ex-presidente  conseguir um habeas corpus para evitar o início do cumprimento da pena são maiores no STF do que no STJ (Superior Tribunal de Justiça), segundo apontaram ministros das cortes superiores ouvidos em caráter reservado pela Folha.

O recurso de Lula que será levado ao STJ deve cair com Felix Fischer, relator da Lava Jato no tribunal, tido com perfil "duro". O caso deverá ser discutido na 5ª turma, conhecida como "câmara de gás", dada a rigidez das decisões. No entanto, um ministro  ouvido pelo jornal aponta que, dada a perspectiva de o caso parar no Supremo, é provável que os magistrados deixem para a corte suprema a decisão de conceder liberdade ao ex-presidente. 

Também com perfil "punitivista", o relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, tem negado habeas corpus a condenados na operação. Mas a decisão tem sido diferente nos casos analisados na 2ª turma do tribunal, que é a responsável pela Lava Jato.

Quatro dos cinco ministros que fazem parte do colegiado defendem que o réu recorra em liberdade até que o processo transite em julgado: Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, que já foi advogado-geral da União durante governo do ex-presidente. E é nesse cenário que a discussão sobre a prisão em segunda instância deve voltar ao radar. 

 

Contato