Em mercados / politica

PT ensaia alianças com apoiadores do impeachment em eleições; PMDB planeja costura em 8 Estados

Nas palavras de Luiz Marinho, presidente da sigla em SP e importante aliado de Lula, será necessário rever atual proibição às alianças para que o partido volte a crescer

Renan Calheiros e Lula
(José Cruz/ Agência Brasil)

SÃO PAULO - Antes das primeiras eleições gerais após o impeachment de Dilma Rousseff, o PT tem sinalizado a possibilidade de compor alianças com partidos que apoiaram a cassação da ex-presidente. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho, presidente da sigla em São Paulo e um dos principais aliados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, defendeu que será necessário rever a proibição de alianças com partidos que apoiaram a derrubada da petista para que o partido volte a crescer.

"Nós temos que recuperar as bases. A maioria do povo também apoiou o impeachment e nós queremos recuperar a maioria do povo. Não vejo a necessidade de um grande arco de alianças para a candidatura do Lula. Vamos precisar de uma grande aliança para governar, no Congresso. Mas isso pode se dar no processo eleitoral ou pós-eleições. Agora vamos analisar no sentido de ganhar a eleição. Depois se tomam providências sobre composição da base no Congresso", afirmou Marinho, cotado para ser o nome do PT para as eleições ao governo de São Paulo.

"Seguramente o diretório vai revisitar esse tema [da construção de alianças com partidos que votaram pelo impeachment] e vai saber trabalhar a complexidade momentânea da política brasileira. Reposicionamentos eventuais podem acontecer, mas não vai ser um 'liberou geral'. Mas o PT deve permitir aliança com partidos que apoiaram o golpe", complementou.

A fala do dirigente petista encontra sintonia em discurso recente proferido por Lula em sua última caravana, que atravessou parte de Minas Gerais. Em Belo Horizonte, o ex-presidente afirmou: "Estou perdoando os golpistas que fizeram essa desgraça no país", lembrando ainda de Juscelino Kubitschek, que perdoava os militares após tentativas de derrubá-lo. O petista lidera com folga as pesquisas de intenções de voto para as eleições presidenciais do ano que vem.

As declarações revelam uma preocupação por parte de nomes importantes do PT com a necessidade de compor com parlamentares que votaram a favor do impeachment de Dilma Rousseff caso queiram governar o país a partir de 2019. Em abril do ano passado, por 367 votos favoráveis a 137 contrários, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou relatório favorável ao impeachment da então presidente por crime de responsabilidade. Muitos desses parlamentares que votaram pela cassação de Dilma deverão conseguir se reconduzir ao cargo no parlamento, o que exigiria de Lula, caso eleito, a composição com tal grupo em busca de maioria.

Ainda segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o PMDB vai buscar alianças com o PT em ao menos oito Estados (Ceará, Minas Gerais, Paraná, Alagoas, Piauí, Sergipe, Tocantins e Goiás) nas campanhas para governador do ano que vem. A reaproximação é parte da estratégia da sigla em manter as maiores bancadas nas duas casas legislativas. Um dos casos mais visíveis é o do Ceará, casa de Eunício Oliveira (PMDB), presidente do Senado que tem proferido elogios ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O parlamentar deverá disputar reeleição em 2018 e espera contar com alguma aliança com o petista, altamente popular no Estado.

"O PMDB nunca foi um partido nacional, sempre foi uma federação de caciques nos Estados. Então vai depender do posicionamento do partido em cada Estado. Mas não enxergo qualquer possibilidade de aliança com o PMDB em São Paulo, porque o Michel Temer é de São Paulo. Agora, em alguns Estados, eventualmente pode acontecer", afirmou Marinho na mesma entrevista ao Estado de S. Paulo.

 

Contato