Em mercados / politica

Dia agitado: Polícia Federal está nas ruas em 4 operações diferentes

 Uma delas, a Anteros, tem como alvo o governador do Rio Grande do Norte, enquanto um desdobramento da Operação Lava Jato tem como alvo ex-secretário do ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes

Polícia Federal
(Divulgação/PF)

SÃO PAULO - A Polícia Federal está nas ruas da manhã desta terça-feira (15) em quatro operações diversas. Uma delas, a Anteros, tem como alvo o governador do Rio Grande do Norte, enquanto um desdobramento da Operação Lava Jato tem como alvo Rodrigo Bethlem, ex-secretário do ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes. Outras operações estão nas ruas, que estão listadas a seguir:

Operação Anteros
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira a Operação Anteros, tendo como um dos alvos o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD). A operação investiga a prática dos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça por parte dele e de servidores do governo do estado. 

Segundo nota da PF, a operação investiga meios para obstrução à justiça, impedindo investigações sobre desvio de recursos públicos por meio da inclusão de funcionários fantasmas na folha de pagamento da Assembleia Legislativa do estado desde 2006. Faria é alvo de mandado busca e apreensão.  A Operação cumpre 11 mandados judiciais, expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça, dos quais 2 de prisão e 9 de busca e apreensão. 

"O ministro Raul Araújo Filho, da Corte Especial do STJ, determinou que fosse iniciada investigação preliminar para apurar os crimes de organização criminosa e obstrução da Justiça que estariam sendo praticados pelo governador do Estado com ajuda de servidores estaduais", diz a nota da PF.

Operação Ponto Final
A PF cumpre mandados de busca e apreensão, na manhã em endereços ligados a Rodrigo Bethlem, deputado federal e ex-secretário municipal de Governo na gestão do ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB), como desdobramento da operação Ponto Final, uma das etapas da Lava Jato no Rio de Janeiro. Os mandados foram pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal. 

O MPF quer entender mensagens encontradas nos celulares de presos da operação Ponto Final, que investigou desvios no setor de transportes. Eles buscam esclarecer a a ligação de Bethlem com Lélis Teixeira, presidente da Fetranspor (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Rio) e Jacob Barata Filho, filho de Jacob Barata, conhecido como "Rei do Ônibus". 

As mensagens encontradas revelam que Bethlem seria intermediário em um esquema criminoso ligado a Prefeitura do Rio. Em uma troca de mensagens entre Bethlem e Lélis Teixeira, no dia 28 de dezembro de 2016, o ex-secretário avisa: “Tranquilize a turma”. O MPF acredita que o teor das mensagens revela fortes indícios de acertos espúrios.

 

Organização que movimentou mais de R$ 5,7 bi
A Polícia Federal - em ação conjunta com a Receita Federal - cumpre hoje mandados judiciais contra uma organização criminosa transnacional responsável pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. As empresas controladas pela organização movimentaram mais de R$ 5,7 bilhões de recursos ilícitos de 2012 a 2016.

Cerca de 300 policiais federais e 45 servidores da Receita Federal estão cumprindo 153 ordens judiciais expedidas pela 13ª Vara Federal de Curitiba, sendo dois mandados de prisão preventiva, 17 de prisão temporária, 53 condução coercitiva e 82 de busca e apreensão em várias cidades do Paraná, de São Paulo, do Espírito Santo, de Minas Gerais e Santa Catarina.

Segundo a PF, as investigações, que começaram em 2015, tiveram como alvo um “grupo criminoso composto de cinco núcleos interdependentes que utilizavam contas bancárias de várias empresas, em geral fantasmas, para receber vultosos valores de pessoas físicas e jurídicas interessadas em adquirir mercadorias, drogas e cigarros provenientes do exterior, especialmente do Paraguai”.

Rosa dos Ventos
A Polícia Federal também deflagrou a operação Rosa dos Ventos em Campinas (SP) e cidades de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal. As informações são de que a operação investiga um caso de sonegação fiscal e evasão de divisas de empresas do setor de distribuição de combustíveis que chegam a R$ 3 bilhões.


Os crimes apurados são de ordem tributária, lavagem de dinheiro, falsificação de títulos públicos e negociações envolvendo pedras preciosas, impostos sonegados e multas não pagas. São cumpridos 36 mandados de busca e apreensão e 24 mandados de prisão temporária, expedidos pela 9ª Vara Federal de Campinas, nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e no Distrito Federal. Um dos presos seria o chefe do esquema, dono de uma distribuidora de combustíveis.

(Com Agência Brasil)

 

Contato