Em mercados / politica

Dilma diz que luta "até o último minuto", mas flerta com novas eleições

A presidente disse ser contra a proposta, mas que respeitaria uma decisão do tipo que viesse pelo voto popular

Dilma Rousseff
(Agência Brasil)

SÃO PAULO - Em entrevista coletiva para veículos selecionados, a presidente Dilma Rousseff disse que resistirá "até o último minuto" e que tem o número suficiente de votos na Câmara dos Deputados para vencer a votação marcada para domingo. Segundo informações do jornalista Fernando Rodrigues, ela fará uma "proposta de nova repactuação de todas as forças políticas sem ter vencidos nem vencedores. Não se faz pacto com ódio”, teria dito. 

Dilma afirma que ofereceria um processo de diálogo, olhando para todos os lados do Brasil, tanto de trabalhadores como de empresários. Apesar de dizer que não defende a ideia de serem convocadas novas eleições, a presidente ressalvou que respeitaria uma proposta que passasse pelo voto popular. "A minha visão não é essa, mas eu respeito”, disse. 

Vale lembrar que segundo a última pesquisa do instituto Datafolha, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está empatado com a ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva na liderança das intenções de voto para eventuais eleições. 

A presidente ainda aproveitou a ocasião para criticar o vice-presidente Michel Temer pelo vazamento do áudio em que fala como presidente e diz que o Brasil precisa de um governo de "salvação nacional". “Nunca vi vazar para si mesmo. Achei interessantíssimo. Foi tratado como vazamento Mas não foi. Foi uma divulgação deliberada”.

Especiais InfoMoney:

Carteira InfoMoney rende 17% no 1º trimestre; 5 novos papéis entraram no portfólio de abril

Trader que perdeu R$ 285.000 com Telebras conta como deu a volta por cima

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa

 

Contato