Em mercados / politica

Diretor da Petrobras afasta temor em relação à Bolívia e fala em acordo

Entendimento entre brasileiros e bolivianos pode amenizar eventuais prejuízos derivados da nacionalização de reservas

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Afirmando que a relação entre a Petrobras e o governo da Bolívia continua amigável, o diretor de Gás e Energia da estatal, Ildo Sauer, disse nesta quarta-feira que as negociações entre as partes continuam fluindo de uma maneira positiva.

As declarações vieram após Evo Morales, presidente do país vizinho, declarar a intenção de estatizar as reservas e os ativos petrolíferos em operação na Bolívia e que estão nas mãos de empresas internacionais.

Entendimento
Enfatizando sua posição, Ildo Sauer declarou acreditar que nunca houve um horizonte tão claro nas relações entre Petrobras e Bolívia. Sauer disse que um Memorando de Entendimento contendo diversas linhas de ações incluindo sete áreas de cooperação e associação entre a Petrobras e a estatal boliviana YFPB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos) deve ser assinado em breve.

Estes entendimentos significam associação nas refinarias, na exploração e produção de petróleo, cooperação na área de biocombustíveis, no desenvolvimento do mercado de gás natural, na conversão veicular de gasolina e diesel para gás e até na disseminação do uso do gás natural no setor residencial boliviano, ressaltou Sauer.

A possibilidade de transferência tecnológica e formação de recursos humanos pelo Centro de Treinamento da Petrobras também está sendo estudada pelos diretores de ambas as empresas.

As informações são da Agência Brasil.

 

Contato