Em mercados / politica

Perspectivas 2006: Fator projeta Ibovespa em 41 mil pontos no próximo ano

Corretora traça suas projeções para o próximo ano, considerando o cenário externo e a corrida presidencial

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - O ano de 2006 deve ser mais um ano positivo para o Ibovespa, segundo relatório divulgado pela Fator na última terça-feira. A expectativa dos analistas é de que o índice atinja 41 mil pontos em 2006, o que representaria uma valorização em torno de 25% no período.

A queda da aversão global ao risco e o fluxo positivo de capitais devem beneficiar o desempenho do mercado acionário no início do ano, sendo que, no médio e longo prazos, a desaceleração da economia dos EUA pode iniciar um novo ciclo mundial de afrouxamento monetário.

As eleições presidenciais, por outro lado, devem trazer volatilidade aos mercados, sendo que os analistas da Fator esperam nova polarização da disputa entre Lula e o candidato do PSDB. Como terceira opção, a corretora acredita que Garotinho pode ganhar força após o início da corrida.

Início do ano deve ser positivo
Os primeiros meses do ano devem ser marcados pela manutenção do cenário externo favorável, com elevado grau de liquidez e de apetite pelo risco. A Selic deve continuar em queda moderada e a expectativa em relação à confirmação das candidaturas à Presidência da República deve ser observada pelo mercado.

A Fator sugere que, durante esse período, caso as ações do setor bancário começarem a reagir negativamente à trajetória de queda da Selic, seria uma boa estratégia a acumulação de posições no setor.

Disputa eleitoral esquenta
Com o ano avançando e a definição das candidaturas, a corrida presidencial começa oficialmente para o mercado. Caso Garotinho consiga sair candidato pelo PMDB, a Fator acredita em ruídos e volatilidade nas negociações.

A CPI dos Correios também tem término previsto para esse período e tanto os seus resultados como aqueles pontos que não ficaram claros devem ser usados na campanha. O início das negociações para a definição do salário mínimo no próximo ano também deve tomar tempo nos horários eleitorais.

Nesse momento, com o mercado nervoso, as ações de bancos e exportadoras devem começar a ser beneficiadas, dada sua característica conservadora.

Eleição polarizada retoma tranqüilidade
Mais próximo ao final do ano, com a cristalização da disputa entre Lula e o candidato do PSDB, o mercado deve diminuir a cautela. Caso o candidato da oposição lidere a disputa, a expectativa é de que o Ibovespa atinja a máxima do ano.

Entre as opções de investimento para esse período, a Fator destaca as ações ligadas aos setores regulados e a privatizações.

Por fim, nos últimos dias do ano, com as eleições definidas, o mercado deve retomar a cautela, especulando sobre a escolha do gabinete do novo (ou do velho) presidente e do presidente do Banco Central. O mercado tende a andar de lado nesse período.

 

Contato