Em mercados / politica

Sem provas, depoimento do deputado Roberto Jefferson impulsiona o Ibovespa

Presidente do PTB afirma que não renunciará ao mandato, ataca o ministro José Dirceu e poupa o presidente Lula

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - O Ibovespa reagiu muito bem ao depoimento do deputado Roberto Jefferson no Conselho de Ética da Câmara realizado na tarde desta terça-feira. Em pouco menos de uma hora, o presidente do PTB reafirmou a prática do "mensalão", além de reiterar a inocência do presidente Lula, porém não trouxe qualquer prova ou nova denúncia.

À espera das declarações do deputado carioca, o mercado operava em queda de quase 2% no início da tarde, reagindo aos rumores de que Jefferson teria pedido o auxílio de recursos audiovisuais para sua defesa, fato que não se confirmou.

Nesse sentido, com o depoimento ainda em andamento, com os deputado do Conselho de Ética fazendo suas perguntas ao deputado Roberto Jefferson, o Ibovespa terminou em alta de 3,38%, refletindo a percepção do mercado de que nada de novo foi discutido, ao contrário dos temores iniciais de novas denúncias.

Jefferson ataca Dirceu e poupa Lula
Jefferson direcionou as principais críticas ao ministro da Casa Civil, José Dirceu, recomendando ao ministro renuncie de seu cargo para não prejudicar o presidente Lula, além de o classificar como um "homem sem palavra".

O deputado também revelou que outros membros da cúpula do governo sabiam da distribuição do "mensalão", como os ministros Antonio Palocci, Aldo Rebelo, Ciro Gomes e o presidente do PT, José Genoíno. Jefferson, no entanto, reiterou que o presidente teria interrompido a prática assim que soube do caso.

Ainda segundo Jefferson, diversos deputados de PP e PL recebiam o "mensalão", que foi rejeitado em assembléia pela cúpula de seu partido, o PTB. Os deputados petistas também não receberiam a mesada.

O ponto alto do discurso, no entanto, ocorreu quando o deputado carioca revelou que não possui provas do "mensalão", afirmando que cabe à CPI encontrar e punir os culpados e se colocando à disposição como testemunha da Comissão.

 

Contato