Em mercados / politica

Governo dos EUA pode ser "desligado" nos próximos dias; mercado está calmo demais?

O Congresso norte-americano nunca esteve tão dividido quanto atualmente o que dificulta a aprovação de leis

bandeira dos EUA danificada
(Shannon Stapleton/Reuters)

SÃO PAULO - O governo dos Estados Unidos pode ser "desligado" em uma semana - alertou a Casa dos Representantes, casa baixa do Congresso norte-americano. Caso os deputados e senadores não encontrem um consenso sobre orçamento até o final da segunda-feira (30), o governo perderá funções básicas. 

O Congresso norte-americano nunca esteve tão dividido quanto atualmente - além de estar mais polarizado que do que o normal, os democratas controlam o senado enquanto os republicanos são maioria na casa baixa. O poder executivo, por sua vez, é de Barack Obama, do partido democrata.

Isso dificulta a aprovação de leis - e pode, inclusive, fazer com que o rating do país seja rebaixado, alertou a Moody's. "A percepção de que o país pode declarar uma breve moratória pode derrubar os mercados financeiros e danificar a confiança do consumidor e investidor", alertou a agência.

Isso pelo fato de que essa crive desta vez vem com outra acoplada: a necessidade de elevar o teto da dívida até a metade do mês que vem. "Estão todos mais calmos do que deveriam em Washington", destacou Jack Lew, secratário do Tesouro norte-americano. Atualmente, a dívida norte-americana está em US$ 16 trilhões - e cresce a cada mês, graças ao forte déficit do país.

A mesma coisa se aplica ao mercado, já que as bolsas ainda estão perto de suas máximas. A última vez que os EUA tiveram uma crise dessas, o Ibovespa chegou a cair 8,08% em uma única sessão - a maior queda da década. Isso ocorreu pelo fato de que a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou o país - o que pode acontecer duplamente desta vez, por Moody's e Fitch.  

 

Contato