Em mercados / politica

Rondeau é confirmado como novo presidente da Eletrobrás

Rondeau é confirmado como substituto de Luís Pinguelli Rosa pelo conselho de adnistração da estatal do setor elétrico

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Foi confirmado nesta semana pelo conselho de administração da Eletrobrás o nome de Silas Rondeau Cavalcanti como novo presidente da holding estatal que controla Chesf, Furnas, Eletronorte, Eletrosul entre outras. A mudança foi divulgada pelo Ministério de Minas e Energia

Rondeau substituiu Luís Pinguelli Rosa na presidência da holding e esta alteração faz parte dos acordos políticos entre o presidente Luís Inácio Lula da Silva e com o partido PMDB do presidente do Senado José Sarney, que barrou a instalação da CPI dos bingos.

Cavalcanti é funcionário de carreira
Silas Rondeau Cavalcanti é funcionário de carreira da Eletronorte, é formado em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco e iniciou carreira na Companhia Energética do Maranhão (Cemar), em 1979. Para a vaga de Saraiva, foi nomeado Roberto Garcia Salmeron como novo presidente da Eletronorte.

O conselho também aprovou a indicação de José Drummond Saraiva, para assumir a diretoria financeira e relações com os investidores da empresa, ocupado interinamente pelo mesmo Saraiva. O cargo de diretor da projetos especiais será assumido por Aloísio Vasconcellos.

Indicação foi política e pressionou papéis
A substituição de Luiz Pinguelli Rosa por Silas Rondeau foi motivada por interesses políticos, já que Rondeau é correligionário de José Sarney, presidente do Senado e grande líder do PMDB, partido que recentemente ingressou na base aliada e está cobrando cargos no alto escalão da administração federal.

A mudança elevou o risco político em relação à empresa, não em função do nome de Rondeau, que era presidente da Eletronorte e está ligado à área. No entanto, a substituição de cargos técnicos por políticos tem sido uma prática comum no atual governo, o que tem trazido preocupação aos investidores e limitando o desempenho dos papéis de empresas estatais no mercado.

 

Contato