Em mercados / politica

Piora a expectativa de vendas no setor privado brasileiro em 2011

Pesquisa da Câmara Americana de Comércio mostra que otimismo ainda prevalece; expectativa é de retomada dos negócios em 2012

SÃO PAULO - Uma pesquisa realizada pela Amcham (Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos) em parceria com o Ibope aponta para a piora na expectativa do setor privado para as vendas em 2011. No ano anterior, 79% dos executivos acreditavam no avanço das vendas em relação ao período anterior; já este ano, 71% sinalizam esta expectativa.

A pesquisa foi realizada entre 20 e 27 de setembro, com 231 executivos de empresas de variados segmentos e portes. "No aspecto dos negócios, há no geral otimismo, ainda que alguns pontos estejam aquém do verificado em 2010, mas com retomada em 2012", disse a Amcham.

Percepções sobre inflação, câmbio e política monetária
Sobre a macroeconomia, 79% das empresas esperam um aumento da inflação em 2011 e 50% delas apostam em estabilidade no próximo ano. Em relação ao câmbio, 58% apostam na valorização da moeda brasileira em relação ao dólar este ano, sendo que 63% projetam estabilidade para 2012.

Quanto às projeções sobre a política monetária adotada pelo Banco Central, 35% dos entrevistados acreditavam que haveria um aumento da taxa básica de juros em 2011. Contudo, 42% estimavam que a Selic ficaria estável este ano.

As empresas apresentaram um equilíbrio entre as expectativas de estabilidade e crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) tanto para 2011 - 35% e 39%, respectivamente- como para 2012 - 42% e 44%, respectivamente.

Empresariado vê melhoria na condução da política externa
O empresariado ainda respondeu sobre a gestão da presidente Dilma Rousseff. Um grupo de 55% acredita que existe um interesse maior no fortalecimento da relação entre Brasil e os Estados Unidos.

Sendo assim, 43% esperam crescimento da abertura para o diálogo com o setor privado e 41% têm expectativa de melhoria da distribuição de recursos para infraestrutura. Entretanto, 54% enxergam uma piora em relação à aprovação de uma reforma tributária. 

 

Contato