Em mercados / politica

Disputa por leilão da Cesp deve ser pequena, avaliam os analistas

As incertezas quanto à renovação de importantes concessões à empresa aumentam os temores sobre o desempenho do leilão

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - As incertezas quanto à renovação de importantes concessões à Cesp fizeram com que as ações preferenciais classe B (CESP6) da empresa encerrassem o pregão da última segunda-feira (24) com forte desvalorização.

Os temores foram instaurados quando o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou não garantir a renovação das concessões de Ilha Solteira e Juquiá, que vencem em 2015, deixando parecer que a discussão será somente finalizada após as eleições.

Decisão afeta diretamente o leilão
Em meio ao aumento da percepção de risco por parte dos investidores, os analistas da corretora Socopa acreditam que o leilão deverá ocorrer na data prévia, mas alertam que a disputa pelos ativos deve ser pequena, ou até nula, caso apenas um consórcio concorra.

A equipe lembra que, às 12h00 desta terça-feira, as empresas pré-qualificadas terão que depositar as garantias para adentrar a disputa, e somente às 18h00 será apresentada a lista das empresas que fizeram o depósito.

Entre as empresa pré-qualificadas, estão CPFL Energia (CPFE3), Tractebel (TBLE3), Neoenergia, Energias do Brasil (ENBR3) e Alcoa.

 

Contato