Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa tem alta tímida de 0,12% no 1º pregão de março com PIB e China, mas cai na semana

Os dados de atividade estimularam ganhos de algumas ações mais sensíveis ao ciclo de juros, no sentido de que reforçam as expectativas de manutenção do corte de meio ponto porcentual da Selic, que está em 11,25% ao ano

Equipe InfoMoney

Publicidade

A primeira sessão de março na Bolsa brasileira foi marcada pela divulgação do Produto Interno Bruto (PIB), que fechou o quarto trimestre com estabilidade, igual ao previsto, e encerrou 2023 com alta de 2,9%, inferior à mediana de 3,0% na pesquisa do Projeções Broadcast. O Ibovespa fechou com leve alta de 0,12% nesta sexta, aos 129.180 pontos, mas com queda de 0,18% na semana.

Os dados da atividade doméstica estimularam ganhos de algumas ações mais sensíveis ao ciclo de juros, no sentido de que reforçam as expectativas de manutenção do corte de meio ponto porcentual da Selic, que está em 11,25% ao ano.

Segundo Alexandre Pletes, head de renda variável da Faz Capital, a Selic no final do ciclo pode ir para a casa dos 8,00%. Isso, segundo ele, ainda não estaria totalmente levado em consideração no preço-alvo do Ibovespa. “A tendência é que o Índice Bovespa se alinhe aos ganhos do S&P 500 nos Estados Unidos. Na quinta-feira, 29, a XP Investimentos Faz Capital, associada à XP, elevou a projeção para o Ibovespa, de 142 mil para 149 mil pontos”, conta, ressaltando, porém, que é preciso acompanhar os sinais sobre a política monetária dos EUA.

Após reagirem com viés de baixa ao PIB, no entanto, os juros futuros brasileiros passaram a subir moderadamente, seguindo a virada para cima dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA, onde os investidores aguardavam a dados de atividade e expectativas de inflação. Os números por lá, porém, também vieram mais fracos – caso do PMI Industrial ISM e da confiança do consumidor Michigan – e os treasuries fecharam em queda, com o para dez anos a 4,184%, com menos 6,8 pontos-base, e ajudaram a curva de juros brasileira. Os DIs para 2025 e 2029, por exemplo, perderam, respectivamente, 1,5 e 5,5 pontos-base, a 9,94% e 10,36%.

Apesar de terem aberto em baixa, os benchmarks norte-americanos fecharam, com isso, todos em alta. Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq subiram, respectivamente, 0,23%, 0,80% e 1,14%.

O dólar, com o recuo dos treasuries, perdeu força frente ao real. O comercial, por exemplo, perdeu 0,36%, a R$ 4,955 na compra e na venda.

Ao mesmo tempo, entram como vetores positivos ao principal indicador da B3 a valorização perto de 2,00% do petróleo, em meio à renovação das tensões no Oriente Médio, e expectativas de novos estímulos à economia chinesa.

Do outro lado, puxando o Ibovespa para baixo, ficou a Vale e outras empresas dependentes da economia do gigante asiático. Após dados de atividade com resultados divergentes na China, o minério de ferro, por exemplo, encerrou o pregão desta sexta-feira em baixa de 1,75% em Dalian. Fora isso, especialistas mencionam também as recentes polêmicas envolvendo uma pressão do governo brasileiro para escolher o próximo CEO da mineradora.

“Os papéis da Vale entraram num circuito negativo por conta dessa tentativa do governo em querer indicar alguém para a diretoria da empresa, e ainda tem as questões na China, que tem tentando estimular sua economia que ainda não empolga”, avalia Thiago Lourenço, operador de renda variável da Manchester Investimentos. Contudo, cabe ressaltar que o papel fechou a sessão em queda modesta, de 0,16%.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o PIB ficou estável no quarto trimestre, o que ficou igual à mediana das estimativas, que iam de queda de 0,4% a crescimento de 0,3%. Em 2023, a atividade doméstica cresceu 2,9%, taxa inferior à mediana de 3,00% das projeções.

O estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus, afirma ver os números com bons olhos, à medida que o crescimento moderado da economia sugere menos pressão inflacionária.

Após a divulgação, o economista André Perfeito disse, em nota, manter sua projeção de crescimento de 2,2% para o PIB em 2024, “na esteira do consumo das famílias, da administração publica em ano eleitoral e do setor externo.”

No governo, a expansão do PIB em 2,9% no ano passado, também ligeiramente abaixo da projeção do Ministério da Fazenda, de 3,0%, foi comemorada.

“O PIB veio bom. O Brasil vem numa sequência de alta, claro, desconsiderando 2020, época da pandemia de covid-19 quando caiu. E a expectativa é de que o PIB deste ano fique maior do que o esperado no boletim Focus, de 1,75%. Pode ficar acima de 2,00%”, estima Pletes, da Faz Capital.

Hoje, algumas ações mais sensíveis ao ciclo de juros ocuparam o grupo das oito maiores valorizações, caso de Lojas Renner ON, com 5,25%, e Casas Bahia ON, com 7,74%.

O pregão brasileiro também foi marcado por ajustes de começo de mês, com estrategistas e analistas divulgando entre a noite da véspera e a manhã desta sexta-feira relatórios com suas perspectivas e recomendações para as ações em março.

“Estamos mais construtivos em relação ao desempenho do Ibovespa para esse fechamento de trimestre”, afirmou a equipe da BB Investimentos, em relatório assinado pelos analistas Victor Penna e Wesley Bernabé, destacando que o índice retornou aos patamares de precificação de novembro.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)