RADAR INFOMONEY AO VIVO Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Enviado ao STF

PGR fecha delação com fundador e outros três ex-executivos da Hypera com multa recorde de mais de R$ 1 bilhão

A colaboração de Júnior prevê pagamento da maior multa da história de um acordo de delação, de R$ 1 bi em recursos financeiros a serem pagos parceladamente

Aprenda a investir na bolsa

A Procuradoria Geral da República (PGR) encaminhou na última segunda-feira (17) ao Supremo Tribunal Federal (STF), um acordo de delação com João Alves de Queiroz Filho (mais conhecido como Júnior) e outros três ex-executivos da Hypera Pharma (HYPE3), segundo informações do Valor e da Reuters. A companhia não se pronunciou sobre o assunto.

A colaboração de Júnior prevê o pagamento da maior multa da história de um acordo de delação, no valor de R$ 1 bilhão em recursos financeiros a serem pagos parceladamente. Há ainda outros R$ 95 milhões que serão bancados pelos demais delatores ligados ao grupo.

Em abril de 2018, Queiroz Filho pediu afastamento da presidência do Conselho de Administração da Hypera em meio a investigações envolvendo a delação premiada de um ex-executivo da companhia.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com o Bradesco BBI, embora ainda não existam evidências das possíveis consequências do acordo de delação com Junior e os ex-executivos, até o momento se entende que o valor de quase R$ 1,1 bilhão será pago exclusivamente por ex-executivos e a Hypera não será responsável para qualquer pagamento.

No entanto, é importante mencionar que este acordo é parte de um processo que corre paralelamente à investigação conduzida pelo Ministério Público Federal, a “Operação Tira-Teima”, que já resultou em uma revisão por um comitê interno independente que levou alguns executivos a pagarem R$ 145 milhões de volta à empresa como compensação. A empresa aguarda agora uma análise mais aprofundada do poder público para se posicionar o caso.

A Polícia Federal deflagrou a operação Tira-Teima para investigar executivos acusados de pagarem propina a políticos do MDB e do PSDB, dentre eles o ex-diretor Nelson José de Mello. Foram encontrados indícios de pagamentos indevidos no valor de R$ 110,5 milhões, além dos R$ 33,1 milhões que foram objeto de instrumento de transação firmado com o ex-administrador, que reconheceu sua obrigação de indenizar a Hypera.

Os analistas do banco possuem recomendação neutra para a ação, com preço-alvo de R$ 38.

Já o Credit Suisse aponta que isso abre caminho para a Hypera negociar um acordo de leniência. “As multas não devem ser um importante fator de alavancagem”, avalia.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!

PUBLICIDADE