Petróleo sobe mais de 4% após conflito Hamas-Israel impor temores sobre oferta; o que esperar para a commodity?

Embora o papel de Israel no fornecimento global de petróleo seja insignificante, o conflito ameaça envolver tanto os EUA como o Irã

Equipe InfoMoney

Publicidade

O petróleo fechou em alta de 4% nesta segunda-feira (9), após o conflito deflagrado após ataques do grupo palestino Hamas contra alvos em Israel levantar preocupações com eventuais interrupções de oferta na região.

O barril do petróleo WTI para novembro fechou com ganho de 4,33% (US$ 3,59), a US$ 86,38 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). A variação corresponde ao maior aumento nominal em seis meses, de acordo com a Dow Jones Newswire. O barril do Brent para dezembro subiu de 4,22% (US$ 3,57), a US$ 88,15 o barril, na Intercontinental Commodity Exchange (ICE).

Embora o papel de Israel no fornecimento global de petróleo seja insignificante, o conflito ameaça envolver tanto os EUA como o Irã. Este último tornou-se uma importante fonte de petróleo extra este ano, aliviando o aperto dos mercados. O aumento da aplicação de sanções americanas a Teerã poderia restringir esses embarques.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Qualquer retaliação contra Teerã – uma vez que há relatos de que ajudou a planear os ataques – pode colocar em risco a passagem de navios pelo Estreito de Ormuz, um canal vital que o Irã já ameaçou fechar anteriormente.

Autoridades de segurança iranianas ajudaram a planejar o ataque do Hamas, informou o Wall Street Journal, citando altos membros do grupo militante e do Hezbollah. Os EUA, entretanto, disseram que estão transferindo um grupo de ataque de porta-aviões para o Mediterrâneo oriental e a aumentar os seus esquadrões de caça na região. O Irã negou na segunda-feira que estivesse envolvido nos ataques.

“Neste estágio, a resposta dos preços que se viu é bastante compreensível e proporcional, apenas em termos de colocar um pouco de prêmio de risco”, disse Marcus Garvey, chefe de estratégia de commodities do Macquarie Group Ltd., em uma entrevista à Bloomberg TV. “As pessoas traçarão paralelos com a Guerra do Yom Kippur, no início dos anos 1970, que é provavelmente, com o embargo seguinte, o seu caso extremo. É bastante plausível que não tenha nenhuma interrupção significativa.”

Continua depois da publicidade

O aumento dos preços após os ataques adicionou uma nova onda de volatilidade a um mercado que sofreu oscilações consideráveis no último mês. No fim de setembro, o brent estava em vias de subir para US$ 100 por barril, à medida que os cortes da Arábia Saudita e da Rússia apertavam o mercado, antes de recuar acentuadamente na semana passada, uma vez que as preocupações com o consumo e os fluxos financeiros puxaram os preços para uma descida acentuada.

Os principais indicadores do mercado de petróleo subiram na abertura de segunda-feira, indicando preocupações crescentes com a oferta restrita. A diferença entre os dois contratos de dezembro mais próximos do Brent aumentou em US$ 1,60 por barril em relação ao fechamento de sexta-feira, um movimento significativo.

As hostilidades reduzem as expectativas de que a Arábia Saudita corte ou elimine seu 1 milhão de barris por dia de restrições à produção, disseram em nota os analistas do Citigroup Inc., Ed Morse e Eric Lee. Também crescem os riscos de que Israel ataque o Irã, acrescentaram.

Ainda assim, os analistas do Morgan Stanley disseram numa outra nota que pensavam que o impacto do conflito seria limitado. Por enquanto, não esperam repercussões noutros países, o que significa que haverá um impacto fraco a longo prazo sobre os preços do petróleo bruto.

“Embora o pior cenário de uma guerra regional deva ser mantido em vista, não é o meu caso base”, disse Vandana Hari, fundadora da empresa de análise Vanda Insights, com sede em Singapura. “A moderação e as mentes mais calmas prevalecerão, pois só haverá perdedores numa guerra mais ampla.”

“Os preços do petróleo e do ouro sobem devido à incerteza. A questão principal é saber até que ponto estes fluxos para refúgios seguros serão duradouros. Existem muito poucos sinais, mas parece que o conflito eclodiu ao longo das linhas de conflito conhecidas, sem um envolvimento incomum e novo de outras partes, ainda que surpreendendo pela sua intensidade significativa. (..) Pelo menos do ponto de vista das commodities, a geopolítica tende a ser um elemento de ruído em vez de uma força fundamental duradoura e impactante. Obviamente que acompanharemos de perto a situação atual, mas acreditamos que, por enquanto, os acontecimentos seguirão muito provavelmente o manual geopolítico habitual”, destacou Norbert Rücker, do banco suíço Julius Baer.

Em nota no fim de semana, o Goldman Sachs ressaltou que, reconhecendo o elevado grau de incerteza e nesta fase inicial do conflito, nota-se que não houve qualquer impacto na atual produção mundial de petróleo e que considera improvável qualquer grande efeito imediato no equilíbrio entre a oferta e a procura e nos estoques a curto prazo.

“Continuamos, assim, prevendo que o preço do petróleo Brent suba de US$ 85 por barril na sexta-feira para US$ 100 em junho de 2024”, avalia.

Dito isto, a equipe do banco cita duas implicações potenciais dos ataques de sábado que podem pesar sobre a oferta global de petróleo ao longo do tempo.

Em primeiro lugar, o Wall Street Journal informou na tarde de sexta-feira (antes dos ataques) que “a Arábia Saudita disse à Casa Branca que estaria disposta a aumentar a produção de petróleo no início do próximo ano se os preços do petróleo estivessem elevados. O reino reconheceria Israel e em troca obteria um pacto de defesa com Washington, disseram autoridades sauditas e americanas.” Na visão do Goldman, a escalada do conflito em Gaza reduz a probabilidade de uma normalização a curto prazo nas relações sauditas-israelenses.

“Continuamos a assumir que a Arábia Saudita anula o corte extra de produção de 1 milhão de barris por dia (mb/d) , anunciado em junho de 2023 e prorrogado até dezembro de 2023, apenas gradualmente até  o primeiro trimestre de 2025. Ainda esperamos que a produção de petróleo saudita permaneça estável em 9 mb/d até o primeiro trimestre de 2024, e depois comece a aumentar 0,25 mb/d por trimestre no resto de 2024”, aponta.

Juntamente com o declínio nos preços do petróleo nas últimas duas semanas e evidências limitadas de grandes reduções nos estoques comerciais visíveis de petróleo globais nos últimos três meses, os desenvolvimentos deste fim de semana reduzem a probabilidade de uma reversão antecipada dos cortes de produção sauditas, avalia o banco.

Em segundo lugar, o banco acredita que a tendência de redução das tensões regionais antes dos acontecimentos deste fim de semana (conforme ilustrado pela libertação de prisioneiros do Irã e dos EUA em meados de setembro) provavelmente foi um fator importante por trás do aumento da produção de petróleo iraniana durante o ano passado.

“Para contextualizar, a Agência Internacional de Energia (AIE) estima que a produção de petróleo bruto do Irã aumentou quase 0,5 mb/d ano após ano em Agosto de 2023. Com a possibilidade de tensões regionais mais amplas aumentarem como resultado do conflito em Gaza, pensamos que os riscos para as nossas projeções de produção iraniana estão agora inclinados para o lado negativo”, avalia.

(com Bloomberg e Estadão Conteúdo)