Petroleiros com destino à China atingem mínima em 2 anos e trazem alerta a mercado

As preocupações incluem o retorno mais lento do que o esperado das refinarias de manutenção sazonal, compras mais fracas de alguns fornecedores importantes em julho e uma potencial queda nos volumes mensais de importação

Bloomberg

Navios petroleiros (Foto: Bloomberg)
Navios petroleiros (Foto: Bloomberg)

Publicidade

(Bloomberg) – O número de superpetroleiros com destino à China caiu para o menor nível em quase dois anos, o que se soma às recentes preocupações sobre a demanda do maior importador de petróleo durante o segundo semestre do ano.
Apenas 86 dos petroleiros estão indicando a China como seu próximo destino nos próximos três meses, uma queda de cinco em relação à semana passada. Essa é a contagem semanal mais baixa desde agosto de 2022, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior com o Investimento Global XP

As perspectivas para a demanda chinesa neste semestre mostram sinais de fraqueza, o que poderá ser um obstáculo para os preços do petróleo bruto. As preocupações incluem o retorno mais lento do que o esperado das refinarias de manutenção sazonal, compras mais fracas de alguns fornecedores importantes em julho e uma potencial queda nos volumes mensais de importação.

Continua depois da publicidade

Cerca de 35 petroleiros estão se dirigindo para os EUA, uma redução de dois em relação à semana passada. Quatorze navios partiram para Angola, a taxa mais elevada desde finais de abril. O produtor da África Austral tem como objetivo o aumento das exportações desde que deixou o grupo de produtores Opep+ (Organização dos Países Produtores de Petróleo e aliados).

Um total de 546 embarcações sinalizaram os seus destinos na sexta-feira, com base em dados de embarcações com datas de chegada previstas até 3 de outubro (segundo dados do MAP). As viagens estão sujeitas a alterações e 37 dos petroleiros não forneceram um destino claro.

© 2024 Bloomberg L.P.