Commodities

Petroestados enfrentam futuro incerto diante de demanda em queda

A Opep conseguiu recuperar as cotações do petróleo após o colapso, mas os preços em US$ 40 ainda estão baixos demais para a maioria dos membros

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — De Bagdá a Caracas, muitas das capitais mundiais de petróleo passam por um verão de descontentamento. Pode ser um vislumbre do futuro.

O Iraque enfrentou protestos quando a rede elétrica do país entrou em colapso em meio ao calor escaldante, enquanto a produção de petróleo da Venezuela caiu para o menor nível em 75 anos. Na capital da Argélia, a crise causada pelas paralisações devido ao coronavírus aumenta o risco de novas manifestações e confrontos.

A Opep conseguiu recuperar as cotações do petróleo após o colapso histórico, mas os preços na casa de US$ 40 ainda estão baixos demais para a maioria dos membros, que enfrentam economias fracas, governos instáveis, populações jovens inquietas e devastações das mudanças climáticas. Como o legado da pandemia e a transição para energia mais limpa ameaçam manter os preços do petróleo baixos por mais tempo, há profundas consequências para a forma como os países ricos em petróleo são administrados.

Aprenda a investir na bolsa

“Os seis frágeis da Opep – Argélia, Irã, Iraque, Líbia, Nigéria e Venezuela – estão diante de uma perspectiva política e econômica muito precária”, disse Helima Croft, chefe de estratégia de commodities da RBC Capital Markets.

A receita da Opep caiu cerca de 50% em relação ao ano anterior, e os antigos problemas financeiros dos membros estão vindo à tona.

Dependente do petróleo, Angola busca aumentar um empréstimo de US$ 3,7 bilhões com o Fundo Monetário Internacional em US$ 800 milhões. O país e a Nigéria desvalorizaram suas moedas, uma vez que a escassez de divisas estrangeiras afeta empresas domésticas. O Irã – atingido pelos choques gêmeos das sanções dos EUA e do vírus – e o vizinho Iraque também buscaram apoio do FMI.

Nem a Arábia Saudita está imune, tendo lançado uma série de medidas de austeridade no último trimestre, depois de seu déficit orçamentário ter triplicado para 109,2 bilhões de riais (US$ 29 bilhões).

As perspectivas para os petroestados mudaram drasticamente em relação há uma década. Os preços do petróleo negociavam perto de US$ 100 o barril, e consumidores estavam preocupados com a falta de suprimentos. Agora, a Opep precisa contar cada vez mais com a perspectiva de pico da demanda, quando o consumo começa a diminuir com a popularização da energia eólica e solar.

A Agência Internacional de Energia espera que esse ponto de inflexão na história do setor possa ocorrer em cerca de uma década. E a Covid-19 poderia acelerar o processo.

PUBLICIDADE

“A pandemia vai acelerar muitas das tecnologias e comportamentos que viriam de qualquer maneira”, disse Amy Myers Jaffe, diretora-gerente do laboratório de política climática da Fletcher School of Law and Diplomacy da Universidade Tufts. Para os governos que dependem da venda de petróleo, as implicações podem ser graves.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!