Destaques da Bolsa

Petrobras, Vale, Oi e bancos disparam; small cap sobe 14% com venda de fazenda

Confira os principais destaques da Bolsa nesta quarta-feira (10)

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

Petrobras (PETR3, R$ 14,34, +2,06%; PETR4, R$ 13,26, +2,31%)
As ações da Petrobras registram fortes ganhos. Em destaque, está a entrevista de dois procuradores federais da Operação Lava Jato em Curitiba, que afirmaram ver a Petrobras como vítima e dizem que seria difícil considerar a empresa como autora do esquema multibilionário de propina. Carlos Lima e Deltan Dallagnol são, respectivamente, o estrategista e o coordenador de um grupo de 9 procuradores federais que formam a força-tarefa da Lava Jato. “A Petrobras é vítima pois o caixa dela foi lesado, arca com toda a propina. A gente não encontrou nenhuma evidência de que existia um conluio”, disse Dallagnol. 

O Ministério Público Federal quer que a empreiteira OAS indenize a Petrobras em R$ 211,8 milhões, segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo. A força-tarefa da Operação Lava Jato requereu à Justiça Federal, em alegações finais, a condenação da cúpula da empreiteira por organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Vale ressaltar ainda que, em evento, que o chairman da Petrobras, Murilo Ferreira, afirmou que haverá reunião do Conselho dia 26.

Além disso, no mercado de commodities, o barril do petróleo WTI (West Texas Intermediate) sobe 2,44%, a US$ 61,61 ao passo que o barril do Brent sobe 1,8%, a US$ 66,05.

Aprenda a investir na bolsa

Vale (VALE3, R$ 21,05, +5,36%; VALE5, R$ 17,78, +4,65%)
As ações da Vale registram forte alta nesta sessão. A mineradora está em negociações com vários investidores para vender seu projeto de potássio Rio Colorado, na Argentina, e um acordo poderia ser selado até outubro, afirmou o secretário argentino de Mineração, Jorge Mayoral, em entrevista à Reuters nesta terça-feira. A Vale suspendeu as operações no projeto em 2012, depois de não conseguir obter benefícios fiscais do governo argentino. 

“Acreditamos que, se as negociações continuarem assim, teremos novidades antes de outubro”, disse Mayoral. A Vale, segunda maior empresa de mineração do mundo, já completou 45 por cento do projeto Rio Colorado e investiu cerca de 2,2 bilhões de dólares no local. 

“Se a Vale efetivar esta venda será uma notícia muito positiva. Como o investimento da empresa foi muito relevante, os prováveis valores de venda devem ser elevados. Neste momento de forte queda nos preços de seus produtos, principalmente do minério de ferro, a Vale tem afirmado que a venda de ativos é uma boa opção para elevação do caixa e redução do endividamento”, afirmou a Planner Corretora.

Além disso, a China deverá reduzir sua produção de minério de ferro em 2015 para menos de 200 milhões de toneladas, ante 240 milhões em 2014, estimou nesta quarta-feira o presidente-executivo da mineradora, Murilo Ferreira, antes de participar de um evento no Rio de Janeiro.

CSN (CSNA3, R$ 6,20, +1,47%)
Além do noticiário internacional mais positivo, o Itaú BBA aumentou as estimativas para o Ebitda em 2015 de R$ 3,3 bilhões para R$ 3,8 bilhões e em 2016 de R$ 3,9 bilhões para R$ 4,1 bilhões. Porém, o banco mantém recomendação de cautela sobre ações da CSN. 

Bancos
Após uma queda na véspera, as ações de bancos disparam na sessão desta quarta-feira em meio ao cenário de maior otimismo externo. As bolsas mundiais e os índices norte-americanos sobem com a diminuição nas tensões com relação à Grécia e sinais de recuperação na economia do euro. 

PUBLICIDADE

Banco do Brasil (BBAS3, R$ 23,31, +3,46%), Bradesco (BBDC4, R$ 28,12, +3,12%), Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 33,82, +3,17%) registram forte alta.  

Brasil Agro (AGRO3, R$ 11,80, +14,01%)
A Brasil Agro vê suas ações subirem forte após a companhia assinar compromisso de venda de fazenda por um valor de R$ 270 milhões. A fazenda Cremaq, com 27.745 hectares, havia sido adquirida em 2006, foi vendida por subsidiária, segundo comunicado ao mercado. Este é o maior patamar desde junho de 2013. De novembro para cá, a ação já subiu 66%. 

O comprador integralizou pagamento inicial de 25% e o restante será pago em até 90 dias. Do ponto de vista contábil, valor da fazenda nos livros da companhia é de R$ 63,4 milhões. 

Exportadoras
Em um dia de euforia para o Ibovespa e de dólar em baixa de cerca de 1,05%, a R$ 3,07, as ações de empresas exportadoras registram leve queda ou alta tímida. Suzano (SUZB5, R$ 16,28, -0,61%), Embraer (EMBR3, R$ 22,98, -0,39%) e Fibria (FIBR3, R$ 42,66, +0,14%), que possuem receita atrelada ao dólar, ficam entre leves altas e perdas na Bovespa. 

No noticiário da Embraer, a Bloomberg informou que a companhia avalia fechar planta de jatos executivos na China, uma unidade que anteriormente fabricava aeronaves comerciais, porque as vendas têm sido lentas, disseram fontes com conhecimento da situação.

A planta de Harbin entregou dois jatos executivos Legacy neste ano, segundo uma fonte, que pediu anonimato porque os detalhes não são públicos. A Embraer, que tem sede em São José dos Campos, no Brasil, projetou para 2015 a entrega de até 130 jatos executivos, que a empresa produz também domesticamente e nos EUA.

Oi (OIBR4, R$ 6,44, +4,55%)
As ações da Oi registram fortes ganhos. A companhia realizou hoje conference call no exterior com investidores para apresentar sua captação externa em euros, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado. mercado não comenta qual o montante de bônus a serem emitidos na moeda europeia. Ontem, a companhia concluiu roadshow que passou por Londres, Alemanha, Amsterdã e termina em Paris. Uma das fontes ouvidas informou que no ano que vem vencem 1 bilhão de euros em bônus.

Educacionais
As ações das companhias de educação registram ganhos fortes na Bovespa. Estácio (ESTC3, R$ 19,57, +3,27%), Kroton (KROT3, R$ 12,21, +2,61%), Ser Educacional (SEER3, R$ 14,41, +1,48%) e Anima (ANIM3, R$ 22,80, +1,47%) registram ganhos. 

PUBLICIDADE

Segundo apurado pelo jornal Valor, o ministério da Educação negocia com a Fazenda a criação de cerca de 100 mil vagas no Fies no segundo semestre. O novo plano a ser anunciado nos próximos dias deverá ter taxa anual de juros de 6,5%, prazo menor para amortização e será voltado apenas aos alunos com renda média per capita de até três salários mínimos.  

Rumo (RUMO3, R$ 1,33, +2,31%)
Após a forte queda de 6,47% na véspera, logo após o anúncio do pacote de concessões de R$ 198,4 bilhões, os papéis da Rumo registram recuperação e sobem cerca de 3%. De acordo com o Credit Suisse, junto com a Arteris, a empresa é uma das mais beneficiadas pelo pacote.

Já para o Bradesco BBI aponta que as ações da CCR (CCRO3) e da Arteris (ARTR3) como as mais beneficiadas no setor de infraestrutura, dentro da Bovespa. Os respectivos preços-alvos estabelecidos por eles para os dois papéis é, respectivamente, R$ 17,00 e R$ 14,00 – um upside de 10,75% para a primeira e 43,59% para a segunda, levando em consideração o fechamento do pregão da última terça.

No caso da CCR, a equipe do Bradesco enxerga uma boa possibilidade par expandir seu reinado na infraestrutura brasileira. A empresa deve começar a desalavancagem em 2016, liberando entre R$ 8 e R$ 10 bilhões para investir em novas concessões durante os próximos 2 ou 3 anos. “Tendo em vista a dimensão do programa anunciado e a improvável participação empreiteiras pesadas nos próximos leilões, a CCR pode escolher as melhores estradas (15 novas concessões, R$ 49,5 bilhões em capex) e aeroportos (4 concessões, R$ 8,5 bilhões). De acordo com nossas estimativas, cada R $ 1 bilhão investido com um retorno desalavancado de 10% pode aumentar nosso preço alvo de R$ 0,14 [sobre o papel CCRO3]“, explicam.