Radar InfoMoney

Petrobras divulga plano de investimentos; BR Distribuidora consegue liminar para continuar com PDO e mais destaques

Confira os destaques da B3 na sessão desta quinta-feira (28)

Petrobras
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

No Radar InfoMoney desta quinta-feira destaque para Petrobras, com plano de investimento de US$ 90 bilhões em cinco anos, à Sanepar com capex de R$ 7,6 bi entre 2020 e 2024; e ao GPA e RD com criação de joint venture.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras informou que o seu conselho de administração aprovou, em reunião realizada ontem, o Plano Estratégico de investimentos para o quinquênio 2020-2024. O capex previsto para o quinquênio é de US$ 75,7 bilhões, dos quais 85% estão alocados no segmento Exploração & Produção. Mais cedo, o jornal O Globo havia informado que a companhia iria investir cerca de US$ 90 bilhões até 2024.

“Essa alocação está aderente ao nosso posicionamento estratégico, com foco nos ativos de E&P, especialmente no pré-sal, nos quais a Petrobras tem vantagem competitiva e geram mais retorno para os investimentos”, afirmou. Segundo a empresa, os desinvestimentos previstos no plano variam entre US$ 20-30 bilhões para o período 2020- 2024, sendo a maior concentração nos anos de 2020 e 2021.

Aprenda a investir na bolsa

A petroleira afirma que a curva de produção de óleo e gás estimada no período 2020-2024 “indica um crescimento contínuo”. “Ao longo desse período, está prevista a entrada em operação de 13 novos sistemas de produção, sendo todos alocados em projetos em águas profundas e ultra profundas.”

Segundo o fato relevante, a companhia seguirá perseguindo a desalavancagem por meio da geração de caixa e desinvestimentos. De janeiro a setembro deste ano, a empresa destaca que a dívida bruta foi reduzida em US$ 21 bilhões.

“Mantemos a meta de atingir a relação Dívida Líquida/LTM EBITDA de 1,5x ainda em 2020. Em 2021 planejamos atingir US$ 60 bilhões de dívida bruta o que aumentará a remuneração aos acionistas em linha com a nova política de dividendos já anunciada”, acrescentou.

A empresa informou que os planos consideram as premissas de um cenário de resiliência, que é utilizado como preço de breakeven mínimo de projetos, preços de petróleo mais reduzidos, no valor de US$ 50/bbl para os próximos cinco anos e de US$ 45/bbl no longo prazo, aplicando uma governança criteriosa para a seleção e priorização de projetos.

Para 2020, expectativa é de que a produção de óleo e gás natural fique em 2,7 milhões de boed, subindo para 2,9 milhões em 2021, 3,1 milhões em 2022, 3,3 milhões em 2023 e 3,5 milhões em 2024.

“Para a meta de produção de 2020 consideramos uma variação de 2,5% para mais ou para menos”, afirmou a petroleira.

PUBLICIDADE

Segundo a empresa, a produção de óleo deste ano reflete principalmente as perdas de volumes relacionados ao declínio natural dos campos maduros e à maior concentração de paradas de produção para o aumento da integridade dos sistemas, parcialmente compensados pelo ramp-up das novas plataformas.

“No longo prazo, a trajetória de crescimento é suportada pelos novos sistemas de produção – majoritariamente no pré-sal, com maior rentabilidade e geração de valor – e pela estabilização da produção na Bacia de Campos”, finalizou.

Sanepar (SAPR11)

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) publicou o seu programa de investimentos para o período de 2020 a 2024. Segundo o fato relevante, os aportes totais no período somarão R$ 7,632 bilhões.

Os investimentos serão divididos da seguinte forma ao longo dos anos: 2020 (R$ 1,301 bilhão); 2021 (R$ 1,606 bilhão); 2022 (R$ 1,559 bilhão); 2023 (R$ 1,549 bilhão); e 2024 (R$ 1,616 bilhão).

Por áreas, os investimentos entre 2020 e 2024 somarão R$ 3,239 bilhão em água, R$ 4,103 bilhão em esgoto; e R$ 289,8 milhões em outros.

Ainda sobre as empresas de saneamento, que envolvem também Sabesp (SBSP3) e Copasa (CSMG3), a Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto que institui o novo marco legal do saneamento básico, por 269 votos a favor e 113 contra. Na prática, com a decisão, o projeto poderá ser analisado mais rapidamente pelo plenário da Câmara.

BR Distribuidora (BRDT3)

A Petrobras Distribuidora informa que foi concedida liminar em mandado de segurança no dia 27 de novembro para garantir a regular continuidade do PDO (Programa de Desligamento Optativo) – BR 2019, mantidos todos os prazos e regras nele previstos, até o posterior julgamento de mérito do referido Mandado de Segurança.

A companhia ressalta que continuará acompanhando todas as demandas judiciais que discutam o referido programa e tomará todas as providências cabíveis pelos meios legais e éticos com o objetivo de assegurar os direitos dos funcionários que optaram pelo PDO, conforme sua opção livre e individual e dentro de seus planos pessoais futuros. O referido programa será reaberto de imediato.

PUBLICIDADE

O plano de transformação organizacional segue com a implantação da nova estrutura organizacional a partir de 01 de janeiro de 2020, com os ajustes funcionais já em curso e as atividades previstas nas próximas semanas ainda em 2019.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil comunicou que foi publicada no Diário Oficial da União a aprovação pelo Banco Central do Brasil (Bacen) a cisão parcial do patrimônio do BB Banco de Investimento, referente a participação acionária na Cielo e a transferência da parte cindida para a BB Elo Cartões Participações. O BB BI e a BB Elo são subsidiárias integrais do BB.

Segundo o comunicado ao mercado, com a aprovação pelo Bacen, a realização da reorganização societária se concretizará por meio de um aporte de capital do BB no BB BI no valor total de R$ 895 milhões; pela cisão da participação detida na Cielo pelo BB BI; e pela incorporação da parcela cindida na BB Elo.

“Com esse movimento societário, o BB promove a centralização das participações em empresas do segmento de meios de pagamento sob uma única holding, a BB Elo, buscando alinhamento com a estratégia de simplificação da organização societária do Conglomerado BB”, afirmou.

O banco acrescentou que a estimativa é de que o aporte a ser realizado pelo BB não impactará o resultado do conglomerado BB, sendo o impacto no capital residual.

Bancos 

O governo limitou a 8% ao mês os juros do cheque especial cobrados pelos bancos, mas permitiu que as instituições cobrem uma taxa mensal para oferecer o produto aos clientes. A decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) foi divulgada na noite desta quarta-feira, 27. A limitação dos juros entra em vigor em 6 de janeiro de 2020.

Em análise, o Credit Suisse avalia que o impacto final “deve ser bem mais limitado do que o ‘headline’ pode sugerir dado que os bancos devem ter uma capacidade de ofuscar o impacto através de uma taxa para o cliente acessar o produto cheque especial (limite pré-aprovado) e também pela possibilidade de reduzir o capital alocado, caso necessário”,

Os analistas do Credit Suisse trabalham com um impacto de R$ 2,6 bilhões para o sistema, algo equivalente a 1-3% do lucro líquido para 2020 aos maiores bancos dentro da cobertura da instituição financeira. “Vale lembrar que a possibilidade de alguma medida nessa linha já havia sendo ventilada há algum tempo e provavelmente pode ter uma parcela de contribuição na performance um pouco pior dos bancos nas últimas semanas”, assinalam os analistas.

PUBLICIDADE

O Credit Suisse destaca ainda que o cenário onde os bancos podem cobrar taxas dos clientes com um limite de crédito pré-aprovado, deixa o mercado “mais alinhado com as práticas internacionais”.

GPA (PCAR4) e RD (RADL3)

O GPA e a rede de farmácias RD firmaram um acordo para a criação de uma joint venture, criando uma empresa de programa de fidelidade. A expectativa é que a nova empresa, batizada de Stix Fidelidade, comece a operar no segundo semestre de 2020.

Pelo acordo, que ainda depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o Pão de Açúcar terá participação de 66,7% e a RD ficará com os outros 33,7%.

Em entrevista a jornalistas, o diretor-presidente do GPA, Peter Estermann, afirmou que o este programa de fidelidade busca ampliar a base de clientes de ambas as companhias, além da frequência de compras.

De acordo com Marcílio Pousada, presidente da RD, os clientes poderão acumular pontos em compras nas lojas das bandeiras Extra e Pão de Açúcar, além das unidades Drogasil e Droga Raia.

Além disso, o Pão de Açúcar deve suspender um acordo que tem com a Livelo, já que este novo programa de fidelidade envolve o Itaú Unibanco, sendo que os usuários de cartão de crédito do banco poderão transferir seus pontos para o Stix Fidelidade.

Ainda sobre o GPA, a varejista de alimentos informou que a OPA de aquisição da Éxito foi aceita por 96,57% acionistas.

Braskem (BRKM5)

A Braskem tem perspectiva revisada pela Fitch de estável para negativa.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties aliena 30% de imóvel no Rio por R$ 79,9 milhões.

Positivo (POSI3)

O Bradesco BBI iniciou a cobertura da Positivo com classificação de Outperform e preço-alvo para 2020 de R$ 9,50. Segundo os analistas Fred Mendes e Guilherme Haguiara, a visão positiva se baseia na recuperação cíclica no Brasil, com o mercado de PCs se recuperando; nas ofertas públicas reprimidas; e com as perspectivas de crescimento por meio do Accept, o vendedor de servidores do Positivo e o HaaS (hardware como serviço).

“Sua avaliação é atraente em 5,3x EV/EBITDA para o YE20, um desconto de 25% para pares globais, mas com maior crescimento e uma oportunidade de expandir margens”, escreveram os analistas.

(Com Bloomberg e Agência Estado)

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!