Petrobras (PETR4) descarta fazer oferta para compra da Braskem (BRKM5), dizem fontes à Bloomberg

Estatal não quer consolidar em seu balanço os US$ 9,8 bilhões em dívida da Braskem, disseram as fontes à agência

Bloomberg

Publicidade

Bloomberg — A Petrobras (PETR3; PETR4) desconsidera fazer uma oferta para comprar o resto das ações que ainda não possui da petroquímica brasileira Braskem (BRKM5), segundo fontes familiarizadas com o assunto.

O motivo de não lançar uma oferta pela participação remanescente é de que a petrolífera estatal, que já detém 36,1% do capital da Braskem, não quer consolidar em seu balanço os US$ 9,8 bilhões em dívida da Braskem, disseram as fontes, pedindo para não serem identificadas porque a decisão ainda não é oficial nem pública.

A Petrobras também descarta uma oferta de compra porque isso transformaria a Braskem em uma estatal e esse não é o plano, segundo as fontes.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A petroquímica brasileira Unipar Carbocloro (UNIP6) fez uma oferta em 10 de junho para adquirir uma participação de 34,4% na Braskem do maior acionista da empresa, a Novonor, por R$ 10 bilhões. A proposta concorre com outra feita conjuntamente pela Abu Dhabi National Oil Co. e pelo Apollo Global Management para adquirir todas as ações da Braskem, incluindo as da Petrobras, por mais de R$ 37,5 bilhões.

Leia também:  Petrobras avalia cobrir oferta pela Braskem, diz Estadão; estatal se pronuncia

Embora a Petrobras detenha 47% das ações com direito a voto da Braskem, ante 50,1% da Novonor, as empresas têm um acordo de acionistas que dá à gigante estatal do petróleo o direito de preferência no caso de qualquer oferta de compra. A Petrobras não planeja exercer esse direito, disseram as pessoas.

Continua depois da publicidade

A Petrobras ainda não decidiu qual é a melhor oferta, acrescentaram as pessoas, e está deixando a Novonor e seus credores para liderar as negociações com os licitantes.

A Novonor detém uma participação de 38,3% na Braskem e essas suas ações estão nas mãos dos credores depois de terem sido dadas como garantia em empréstimos de R$ 14 bilhões que não foram pagos depois que a Novonor, ex-Odebrecht, se envolveu em uma das maiores investigações de corrupção da América Latina chamada Lava Jato.

Os recursos de qualquer venda da participação da Novonor na Braskem devem ser usados para pagar a dívida com os credores.

A Petrobras não quis comentar para além de um comunicado de 13 de junho, onde disse que ainda não há decisão e acrescentou que “atuar no setor petroquímico é um dos elementos estratégicos do plano estratégico de 2024-2028 da empresa”.

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse na quarta-feira em Brasília que a decisão de aumentar ou não sua participação na Braskem será tomada “quando acharmos que devemos”.

© 2023 Bloomberg L.P.