Petrobras (PETR3;PETR4) dispara com petróleo e visão positiva reiterada para as ações

Banco eleva preço-alvo para as ações e reforça compra, enquanto commodity avança com melhores perspectivas de demanda

Equipe InfoMoney

Publicidade

As ações da Petrobras (PETR3;PETR4) tiveram forte na B3 com duas notícias impulsionando a companhia estatal. Nesta quinta-feira (25), os ativos ON subiram 4,64%, a R$ 41,06, enquanto os papéis PETR4 avançaram 3,70%, a R$ 39,28.

Os preços do petróleo subiram nesta quinta, uma vez que as expectativas de demanda aumentaram devido ao forte crescimento econômico dos EUA (com o PIB acima do esperado) e medidas de estímulo na China, enquanto a oferta diminui devido à queda dos estoques de petróleo bruto devido às tempestades de inverno.

As tensões geopolíticas no Oriente Médio e a perturbação do transporte marítimo no corredor do Mar Vermelho permaneceram em foco.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os futuros do petróleo Brent fecharam em alta de 2,99%, a US$ 82,43 o barril. O petróleo West Texas Intermediate dos Estados Unidos ganhou 3,02%, a US$ 77,36.

“Estamos finalmente a ver os mercados de energia acordarem para a possibilidade distinta de que estas perturbações na cadeia de abastecimento ainda durarão meses”, disse Joshua Mahony, analista-chefe de mercado da Scope Markets.

“A perspectiva de uma solução militar para garantir uma passagem segura parece improvável”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Ainda em destaque, a Petrobras teve a recomendação reforçada e o preço-alvo de seus ativos elevados pelo BTG Pactual.

O preço-alvo aumentou US$ 3, para US$ 19 por ADR (recibo de ações negociado na Bolsa de Nova York) e R$ 8 para R$ 47 por ação ON e PN. Os analistas continuam defendendo que não haja diferença de avaliação entre as ações preferenciais e ordinárias. “Desta forma, reiteramos a nossa recomendação de compra e prevemos um retorno para o acionista de 51% nos próximos 12 meses para as ações PN e de 47% para as ONs”, afirmam os analistas.

O banco, contudo, incorporou uma postura mais cautelosa nos preços do petróleo no curto prazo (US$ 75 o barril do brent versus anterior de US$ 80), bem como novas curvas de capex e de produção de petróleo.

A projeção de lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) para a empresa foi reduzida em 5% em 2024, à medida que os menores preços do petróleo mais do que compensaram a maior produção. “Isto ainda suporta uma geração sólida de fluxo de caixa em 2024, uma vez que esperamos que os investimentos totais atinjam US$ 16,7 bilhões, 10% abaixo da projeção oficial da empresa e -8% em relação à nossa estimativa anterior”, afirma.

O banco segue vendo que a ação continua a oferecer uma combinação atraente de múltiplos baratos e potencial de reavaliação. “Acreditamos que o pragmatismo prevalecerá, permitindo que a Petrobras gere resultados sólidos e pague dividendos substanciais, um ‘vento favorável’ importante para as necessidades do governo”, avalia.

Os preços do diesel da Petrobras ficaram, em média, em linha com a paridade de importação em 2023, lembra o banco, enquanto a gasolina ficou 14% abaixo (provavelmente devido à menor dependência do Brasil das importações deste último).

“Esta tendência continuará, em nossa opinião, suportando dividendos de US$ 3,6 bilhões e US$ 12,2 bilhões para o 4T23 e 2024, respectivamente, com base na política de remuneração aos acionistas da estatal (45% do fluxo de caixa menos capex), ou um rendimento de dividendos de 16% no próximo cinco resultados trimestrais”, avalia.

(com Reuters)