Proventos

Petrobras (PETR3;PETR4) anuncia pagamento de dividendos de R$ 6,73 por ação, totalizando R$ 87,8 bi

A primeira parcela, no valor de R$ 3,366002 por ação, será paga no dia 31 de agosto de 2022.

Por  Equipe InfoMoney -

A Petrobras (PETR3;PETR4)  pagará o total de R$ 87,8 bilhões em dividendos referentes ao segundo trimestre, um recorde trimestral, informou a assessoria de imprensa da empresa nesta quinta-feira (28). 

Desse total, R$ 32,1 bilhões serão pagos à União, acionista controladora da empresa, e ao BNDES e BNDESPar, também acionistas da companhia.

O valor é quase o dobro do pagamento de dividendos à União referentes ao primeiro trimestre, de R$ 17,7 bilhões. O montante anunciado se soma aos R$ 48,5 bilhões pagos no primeiro trimestre, acrescentou a assessoria da empresa.

Os totais somados resultam em R$ 136,3 bilhões no semestre, já superando os dividendos aprovados referentes ao exercício de 2021, que totalizaram R$ 101,4 bilhões.

“A aprovação do dividendo proposto é compatível com a sustentabilidade financeira da companhia no curto, médio e longo prazo e está alinhada ao compromisso de geração de valor para a sociedade e para os acionistas, assim como às melhores práticas da indústria mundial de petróleo e gás natural”, disse a empresa.

O Conselho de Administração da empresa aprovou o pagamento de dividendos de R$ 6,732003 por ação referentes ao segundo trimestre, disse a petroleira mais cedo, em fato relevante.

O valor superou as expectativa do Credit Suisse, disse o banco em nota, enquanto as ações preferenciais da empresa subiram 3% nesta quinta-feira. Para o Itaú BBA, a notícia foi muito positiva. “O anúncio de hoje do pagamento de dividendos de R$ 6,70 ação veio como uma surpresa, mesmo com nossa estimativa otimista de R$ 4,40 por ação. O dividendo anunciado corresponde a um yield em torno de 21% (dividend yield, ou valor do dividendo sobre o preço da ação), comparado com nossa estimativa de 15% para o trimestre”, afirma. 

O Morgan Stanley aponta que o anúncio de dividendos hoje ficou muito acima de suas projeções de R$ 4,50 por ação para o trimestre e acima das expectativas de consenso (intervalo entre R$ 4 e R$ 6 por ativo).

“Ainda assim, continuamos confortáveis ​​com nossas estimativas para o ano por enquanto, pois a maior distribuição agora  não necessariamente é uma remuneração adicional para o ano inteiro. Importante destacar que a empresa teve uma forte posição de caixa no 1T22 e recebeu caixa adicional com a venda de ativos no 2T22 (US$ 6,5 bilhões em nossas estimativas)”, afirmam. Os analistas do banco têm posição “neutra” para os ativos da companhia, ressaltando que os altos dividendos e uma redução no preço da gasolina hoje podem ser suficientes para reduzir o ruído político por trás dos resultados de hoje, mas provavelmente também remove o principal gatilho de curto prazo para o case antes das eleições.

Bom resultado esperado

Paralelamente, o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, disse que espera que a Petrobras tenha um bom resultado no segundo trimestre –a companhia divulga o balanço nesta quinta-feira. O pedido do governo para que estatais antecipem pagamentos de dividendos à União é uma operação normal e não se trata de um tipo de pedalada, acrescentou Valle, argumentando que a iniciativa não vai retirar recursos que o Executivo receberia em 2023.

Em entrevista para comentar resultados fiscais, o secretário demonstrou preocupação com reações negativas após o pedido do governo ser divulgado nesta semana. Para ele, a iniciativa foi mal interpretada.

A primeira parcela dos dividendos do segundo trimestre da Petrobras, no valor de R$ 3,366002 por ação, será paga no dia 31 de agosto de 2022. A segunda parcela, no valor de R$ 3,366001 por ação, será depositada no dia 20 de setembro de 2022.

A data de corte é o dia 11 de agosto para os detentores de ações de emissão da Petrobras negociadas na B3 e o record date será dia 15 de agosto de 2022 para os detentores de ADRs negociadas na New York Stock Exchange (NYSE). Assim, as ações da Petrobras serão negociadas ex-direitos na B3 e na NYSE a partir de 12 de agosto de 2022.

A primeira parcela de pagamento será realizada da seguinte forma: (a) dividendos, de R$ 2,938861 por ação preferencial e ordinária em circulação; e (b) juros sobre capital próprio de R$ 0,427141 por ação preferencial e ordinária em circulação. Já a segunda parcela será integralmente paga sob a forma de dividendos.

“Importante ressaltar que esses proventos serão abatidos dos dividendos a serem aprovados na Assembleia Geral Ordinária de 2023 relativos ao exercício de 2022, sendo seus valores reajustados pela taxa Selic desde a data do pagamento de cada parcela até o encerramento do exercício social corrente para fins de cálculo do abatimento”, apontou a empresa.

Após o fechamento do mercado, a companhia esclareceu a origem dos dividendos anunciados hoje.

Do montante de R$ 6,732003 por ação a serem pagos em duas parcelas, R$ 3,909190 se referem à antecipação da remuneração aos acionistas relativa a 2022 e R$ 2,822813 por ação serão pagos com a conta de reservas de retenção de lucros constantes no balanço de 2021.

Política da Petrobras 

A companhia aponta que o dividendo proposto está alinhado à Política de Remuneração aos Acionistas, que prevê que, em caso de endividamento bruto inferior a US$ 65 bilhões, poderá distribuir aos seus acionistas 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e as aquisições de ativos imobilizados e intangíveis (investimentos).

Além disso, a Política também prevê a possibilidade de pagamento de dividendos extraordinários, desde que sua sustentabilidade financeira seja preservada.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

“A aprovação do dividendo proposto é compatível com a sustentabilidade financeira da companhia no curto, médio e longo prazo e está alinhada ao compromisso de geração de valor para a sociedade e para os acionistas, assim como às melhores práticas da indústria mundial de petróleo e gás natural”.

Segundo a empresa, no Plano Estratégico 2022-26 os projetos de investimentos solicitados pelas áreas de negócio foram atendidos por apresentar boa resiliência e por serem suportados pela geração de caixa operacional e o fluxo de desinvestimentos, sem efeitos adversos na alavancagem.

“Portanto, não existem investimentos represados por restrição financeira ou orçamentária e a decisão de uso dos recursos excedentes para remunerar os acionistas se apresenta como a de maior eficiência para otimização da alocação do caixa.”

(com Reuters)

Manual dos Dividendos: inscreva-se e aprenda com o estrategista-chefe da XP uma estratégia simples e poderosa para viver de renda

Compartilhe