Radar InfoMoney

Petrobras pede desvinculação de programa de governança da B3; Ânima capta R$ 1,1 bilhão com oferta de ações e mais destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (30)

Tratamento de Gás Monteiro Lobato Petrobras
(Agência Petrobras)

A Petrobras pediu na noite de ontem a sua desvinculação do Programa de Governança de Estatais da B3. Em outro comunicado, a petrolífera estatal informou que suas reservas provadas em 2019 foram de 9,59 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), um pouco abaixo dos 9,60 bilhões de boe de 2018. Segundo a Petrobras, a queda ocorreu porque foram realizados vários desinvestimentos no ano passado, com a venda de campos petrolíferos. Confira os destaques desta quinta-feira (30):

Petrobras (PETR3;PETR4

A Petrobras pediu, na noite de ontem, sua desvinculação do Programa de Governança Corporativa das Estatais de B3. A empresa informou que faz parte do programa desde 2017 e que já se aperfeiçoou na matéria, obtendo a nota máxima do governo no assunto. Em outro comunicado enviado à CVM, a Petrobras informou que suas reservas provadas em 2019 atingiram 9,59 bilhões de barris de óleo equivalente (boe) em 31 de dezembro do ano passado.

Houve uma pequena queda em relação a 2018, quando a estatal petrolífera brasileira informou ter 9,60 bilhões de barris de óleo equivalente. Segundo a Petrobras, durante o ano passado a empresa realizou vários desinvestimentos. As operações “proporcionaram a monetização antecipada de 0,072 bilhão de boe, referentes à venda de toda a participação da Petrobras nos campos de Pargo, Carapeba, Vermelho e Maromba, na Bacia de Campos, e em 34 campos terrestres, na Bacia Potiguar, e venda de 505 de participação da empresa nos campos de Tartaruga Verde e Espadarte, na Bacia de Campos”.

JBS (JBSS3) e BRF (BRFS3

PUBLICIDADE

O Bradesco BBI manteve sua recomendação como de desempenho acima da média (outperform) para os papéis dos frigoríficos JBS e BRF, mesmo após o avanço do surto do coronavírus na China e com declarações de executivos das empresas de que a exportação de carnes aumentará para o país asiático, enquanto os preços da proteína animal subirão no mercado brasileiro.

“Não assumimos nenhum impacto do coronavírus na nossa cobertura do setor. Notamos que as ações da JBS e BRF tiveram performance abaixo da média na B3, nesta semana, em 4% e 6%, respectivamente. Mantemos nossa recomendação, com preço-alvo de R$ 37,00 para a JBS e de R$ 47,00 para a BRF”, avaliou.

Invepar (IVPR4B)

A Invepar, concessionária que tem a metade do Aeroporto de Guarulhos (SP), informou em dados preliminares que o movimento de passageiros no local subiu para 43 milhões de pessoas em 2019, dos 42,2 milhões em 2018. A empresa também informou que o movimento de cargas e de aeronaves tiveram pequenas quedas no ano passado. A empresa publicou apenas dados operacionais, não financeiros. Segundo a Invepar, o movimento de cargas em 2019 foi de 285,6 mil toneladas, queda de 6,4% sobre as 305,2 mil toneladas de 2018. Já o número de aeronaves que usaram o aeroporto em 2019 foi de 292 mil, em leve queda de 0,7% sobre as 293,9 mil em 2018.

Fleury  (FLRY3

Os Laboratórios Fleury anunciaram que aumentarão o capital social da empresa, com a emissão de 43.750 ações ordinárias. O capital passará a ser de R$ 1,449 bilhão, dividido em 316.788.210 ações ordinárias. O aumento de capital foi pequeno, de R$ 884,6 mil.

Ânima Educação (ANIM3)

A Ânima Educação precificou a R$ 36,25 por ação, sua oferta primária para o aumento de capital social da companhia. Foram emitidos 30,3 milhões de papéis ordinários, totalizando o montante de R$ 1,1 bilhão.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações

PUBLICIDADE