Destaques da Bolsa

Petrobras estende ganhos, Suzano e Fibria têm nova alta e bancos avançam

Confira os destaques da Bovespa nesta sexta-feira (10)

valor de mercado petrobras

PDG Realty
Após fecharem com as maiores altas nas últimas duas semanas em meio a um “short squeeze”, as ações da PDG (PDGR3, R$ 0,61, +5,17%) tiveram fortes quedas nos últimos dias, voltando a operar no positivo nesta sexta-feira. Mesmo assim, os ativos seguem voláteis, chegando a registrar ganhos de 8% no início do dia, mas perdendo força logo depois. Apesar da alta de hoje, os papéis caminham para encerrar a semana com fortes perdas.

Educacionais
A Ser Educacional (SEER3, R$ 13,87, +3,35%) e a Kroton (KROT3, R$ 12,02, +0,17%) tiveram as recomendações elevadas de manutenção para compra pelo Santander. Enquanto as ações da Ser sobem forte, as da Kroton fiquem estáveis. Por outro lado, o banco cortou o preço-alvo das ações da companhia.

A Ser teve o preço-alvo cortado de R$ 22,50 para R$ 19, enquanto a Kroton teve o preço-alvo cortado de R$ 15,50 para R$ 14. A Anima Educação (ANIM3) e a Estácio (ESTC3) têm recomendação de manutenção. O preço-alvo de Anima foi cortado de R$ 28,50 para R$ 20 e da Estácio elevado de R$ 22,50 para R$ 23,50. Contudo, as ações da Estácio têm uma das maiores baixas do índice, de 1,30%, cotadas a R$ 20,43. 

“Nossa visão sobre o setor de ensino superior tornou-se mais positiva após certa calmaria na atividade regulatória, resultados preliminares relativamente
positivos para novas matrículas no 1S15 e a definição de expectativas em níveis mais razoáveis”, segundo relatório de analistas do Santander.

A recomendação de Kroton e Ser foi elevada “com base em seus  fundamentos sólidos e relativamente maior potencial de alta”.

Suzano e Fibria
Após fecharem em alta na sessão passada, as ações do setor de papel e celulose seguem com ganhos em meio à notícia de que o CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança) aprovou a liberação comercial do eucalipto geneticamente modificado da FuturaGene, empresa de biotecnologia da Suzano Papel e Celulose (SUZB5, R$ 14,69, +1,17%), tornando o Brasil o primeiro país a aprovar o plantio de eucalipto transgênico para fins comerciais.

A Futuragene afirma que o eucalipto geneticamente modificado traz ganhos de produtividade da ordem de 20 por cento em relação ao eucalipto convencional devido ao maior crescimento da planta. Mas a tecnologia é questionada por movimentos sociais e pela indústria de mel. A liberação foi aprovada pela comissão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) por 18 votos favoráveis e três contrários. Com a notícia, os papéis da Fibria (FIBR3, R$ 45,44, +0,73%) também reagem com forte valorização.

Petrobras (PETR3, R$ 11,69, +1,30%; PETR4, R$ 11,68, +1,04%)
Após abrir com forte volatilidade, as ações da Petrobras passam a ganhar força e estendem a alta da véspera, quando dispararam 9% em um movimento de “short squeeze”. O movimento de hoje ocorre em meio à expectativa pela divulgação do balanço com as baixas contábeis e ainda seguindo as falas do ministro de Minas e Energia Eduardo Braga acenar com uma possível revisão nas regras do regime de partilha  na exploração do pré-sal e da política de exigência de conteúdo local na indústria de petróleo, as ações da Petrobras registram um movimento volátil.

De acordo com a Folha de S. Paulo, a Petrobras estima que o cálculo de perdas com o esquema de corrupção na estatal ficará entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões. A conta atinge todos os contratos e aditivos firmados com empresas citadas na Lava Jato. 

PUBLICIDADE

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a Petrobras vai separar, no balanço dos terceiro e quarto trimestres do ano passado, as perdas decorrentes do processo de imparidade (reavaliação de seus ativos) e o que está sendo chamado na petroleira de “custo da corrupção”. Na imparidade, o valor inflado dos projetos considerado foi constatado principalmente na área de refino.

A ideia é explicitar nas demonstrações financeiras o que a companhia entendeu serem atos de corrupção, baseada em registros encontrados nos processos da Operação Lava Jato. A missão da nova diretoria de Governança, Risco e Conformidade será desenvolver metodologias que possam capturar artificialismos no preço dos serviços que fornecidos à Petrobras e que até hoje são extremamente difíceis de ser identificados. Com isso, a empresa espera evitar a repetição de irregularidades constatadas em contratos listados como suspeitos na investigação da Polícia Federal.

CPFL (CPFE3, R$ 20,96, -1,13%)
As ações da companhia registram forte queda após o UBS cortar a recomendação para as ações de compra para neutra. 

Bancos
O Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 36,83, +0,22%) virou para alta após abrir a sessão no campo negativo. No mesmo movimento, o Banco do Brasil (BBAS3, R$ 23,94, +2,05%) também ganha força neste pregão, assim como o Bradesco (BBDC3, R$ 31,48, +0,90%; BBDC4, R$ 31,00, +0,81%).

Segundo a Exame, a Febraban foi informada que o ministro da Fazenda Joaquim Levy planeja aumentar o imposto CSLL para instituições financeiras de 15% para 17%. O aumento do imposto pode elevar a arrecadação em R$ 1,5 bilhão. Segundo a Exame , o ministro não quis comentar sobre o assunto. 

Além disso, o Credit Suisse rebaixou a recomendação para as ações do Itaú, Itaúsa, Bradesco e Banco do Brasil de outperform para marketperform destacando que o potencial de valorização para as ações é limitado e os desafios no âmbito macroeconômico pioraram. “Acreditamos que é hora de adotar uma postura mais conservadora”.