Pedágio em rodovias de SP é até 4,6 vezes maior do que nas recém-privatizadas

Dados mostram que média de preço cobrado por km chega a R$ 0,027 em rodovias federais, ante R$ 0,123 nas estaduais de SP

Por  Flávia Furlan Nunes -

SÃO PAULO – O modelo de concessão de rodovias do estado de São Paulo faz com que o valor pago pelo motorista por quilômetro rodado nessas estradas seja até 4,6 vezes maior do que o gasto nas pistas concedidas pelo Governo, de acordo com dados da NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Carga & Logística). Porém, o modelo paulista prevê mais investimentos por parte da concessionária.

Os dados da associação mostram que, na média, o preço cobrado por quilômetro chega a R$ 0,027 nas rodovias federais concedidas no último leilão. Já nas estradas paulistas do sistema rodoviário, o custo médio para o motorista é de R$ 0,123. Nas pistas duplas do estado de São Paulo, o valor médio por quilômetro é de R$ 0,108 e, na também federal Nova Dutra, administrada pela CCR, a média da cobrança é de R$ 0,077, de acordo com a tabela abaixo:

Preço médio por quilômetro
ReferênciaR$/KmDiferença*
Novos leilões0,027
SP (sistemas rodoviários)0,123+ 4,6x
SP (pista dupla)0,108+ 4,0x
Nova Dutra (federal)0,077+ 2,8x

*Diferença entre o preço médio das concessões anteriores em relação ao preço médio alcançado no último leilão
Fonte: NTC&Logística

Mais investimentos

De acordo com a Artesp – agência reguladora de transportes do estado de São Paulo -, o programa federal de concessão, que escolhe a empresa que oferta a menor tarifa de pedágio, volta-se unicamente à manutenção, conservação e operação dos sistema rodoviário, o que significa que não haverá ampliações do sistema no curto, médio ou longo prazo.

Em contraposição, o modelo paulista, que escolhe a empresa pelo maior valor de outorga, impõe pesados investimentos na ampliação e modernização do sistema rodoviários.

“Foram estes investimentos que transformaram 16 rodovias concedidas em São Paulo nas mais modernas e avançadas do País. No caso das concessões federais, nenhumas dessas vantagens e garantias é oferecida aos usuários das rodovias, muito menos das rodovias secundárias que também são importantes para a população usuária”, disse a Artesp em comunicado.

Concessões federais

Em leilão realizado na Bovespa na terça-feira (9), sete trechos de rodovias federais, num total de 2.600 quilômetros, foram privatizados.

As tarifas, que vão variar de R$ 0,997 a R$ 2,94 em cada praça, ainda não têm data para começarem a ser cobradas. Estimativas da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), indicam que o início da cobrança deve acontecer até o 2º semestre de 2008.

Compartilhe