PDG (PDGR3) reverte lucro e tem prejuízo líquido de R$ 209 milhões no primeiro trimestre

A receita operacional líquida, por sua vez, caiu 23% na base anual, indo para R$ 6 milhões.

Equipe InfoMoney

(Getty Images)

Publicidade

A construtora e incorporadora PDG Realty (PDGR3) teve prejuízo de R$ 209 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23), após registrar lucro de R$ 46 milhões em igual período de 2022.

A receita operacional líquida, por sua vez, caiu 23% na base anual, indo para R$ 6 milhões.

No 1T23, as vendas brutas somaram R$ 19 milhões, queda de 14% em relação ao 1T22. “Apesar dessa redução, o resultado está em linha com a meta estabelecida para o período”, afirmou a empresa.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os distratos totalizaram R$14,2 milhões no 1T23, queda de 45% em relação ao 1T22 e, portanto, as vendas líquidas totalizaram R$4,8 milhões no 1T23. “O distrato segue sendo uma importante alavanca para aumentar o volume de unidades disponíveis para venda, e por isso, nosso principal indicador de venda são as vendas brutas”, afirmou a companhia.

No 1T23 foram repassadas 62 unidades (R$7,4 milhões), uma redução de 48% na quantidade de unidades repassadas na comparação com o 1T22. O volume de repasse foi impactado pela redução das vendas.

As despesas gerais, administrativas e comerciais foram reduzidas em 1% na comparação trimestral, principalmente devido ao menor volume de despesas com unidades prontas em estoque. A dívida concursal aumentou em R$37 milhões (3%) durante o 1T23, devido ao acruo de juros no período e à habilitação de novos créditos na recuperação judicial.

Continua depois da publicidade

A dívida extraconcursal aumentou R$114 milhões (4%) durante o 1T23, devido ao acruo de juros no período. Foi registrada uma redução de R$ 4 milhões (3%) na linha de outras obrigações durante o 1T23.

A dívida líquida da empresa no trimestre foi a R$ 2,644 bilhões, alta anual de 22% frente o 1T22.