Contra desestatização

Parem de tentar privatizar nossas empresas, diz Lula

“Quem se meter a comprar a Petrobras vai ter que conversar conosco depois da eleição”, disse o ex-presidente em evento

Por  Reuters -

BRASÍLIA (Reuters) – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), líder das pesquisas ao Palácio Planalto, afirmou nesta quarta-feira que o governo e o setor empresarial devem desistir das tentativas de privatização de empresas como a Petrobras (PETR3;PETR4) e a Eletrobras (ELET3;ELET6).

“Eu quero aproveitar esse calor democrático dessa sala e dizer ao governo e dizer aos empresários: parem de tentar privatizar as nossas empresas públicas. Quem se meter a comprar a Petrobras vai ter que conversar conosco depois da eleição”, disse o ex-presidente em evento em Juiz de Fora (MG).

“Pare de tentar privatizar a Eletrobras. Porque se não fosse a Eletrobras, não teria o programa Luz Para Todos… e só pode ser feito porque a empresa era pública!”, acrescentou, citando ainda os Correios, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica e o BNDES.

Lula citou venda da BR Distribuidora sob o pretexto de aumentar a competitividade e, assim, reduzir os preços dos combustíveis. Mas avaliou que, na verdade, o processo levou à importação dos combustíveis, tornando-os mais caros.

“E o presidente da República, ao invés de ter coragem de colocar a mão e resolver o problema, ele fica trocando de presidente da Petrobras e de ministro de Minas e Energia. Ele na verdade não sabe o que está fazendo nesse país”, disse.

Criticado pela alta dos preços de combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro exonerou Bento Albuquerque do cargo de ministro de Minas e Energia nesta quarta-feira e nomeou Adolfo Sachsida para substitui-lo. O novo ministro é declaradamente defensor de ideias liberais e crítico a políticas intervencionistas, de subsídio ou controle de preços no setor de energia.

Em seu primeiro pronunciamento no cargo, o novo ministro anunciou que uma das primeiras medidas à frente do cargo será a solicitação de estudos sobre a desestatização da Petrobras.

Ao referir-e à inflação do país como o “preço da irresponsabilidade”, Lula creditou boa parte dela aos preços controlados, como o da energia elétrica, o do diesel, do gás e da gasolina.

O petista também fez uma analogia com o ex-presidente Juscelinho Kubitschek, cujo mote era o de fazer o país desenvolver “50 anos em 5”, prometendo promover um crescimento do país equivalente a 40 anos nos 4 anos de mandato presidencial.

“GOLPE DEMOCRÁTICO”

Lula também aproveitou para comentar mais uma vez os ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral, alvo preferencial do presidente, que vem colocando em dúvida a lisura das urnas eletrônicas. Nesta quarta, Bolsonaro voltou a bater na tecla, afirmando que não teme o resultado de um pleito que ocorra de forma “limpa”.

“O Bolsonaro fala em golpe todo dia… ele vai ver o golpe que ele vai sofrer dia 2 de outubro. O povo brasileiro vai dar um golpe no autoritarismo dele e vai restabelecer a democracia neste país. Vai ser o primeiro golpe democrático e popular”, disse o ex-presidente.

“Um golpe sem fuzil, um golpe sem metralhadora,… é um golpe da eleição democrática”, acrescentou Lula, dizendo que se as urnas eletrônicas pudessem ser violadas ele não teria sido eleito duas vezes para a Presidência da República.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe