Paranapanema (PMAM3) reverte lucro e tem prejuízo líquido de R$ 178,9 milhões no primeiro trimestre

A receita líquida da empresa metalúrgica, em recuperação judicial, caiu 45,6%, a R$ 441,9 milhões.

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Paranapanema (PMAM3), metalúrgica em recuperação judicial, registrou um prejuízo líquido de R$ 178,9 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23), revertendo o lucro líquido de R$ 169,7 milhões em igual período de 2022. De acordo com a companhia, houve impacto do volume de vendas devido às restrições para capital de giro.

Quando excluídos os efeitos da variação cambial, perdas e ganhos de encargos financeiros e depreciação, tem-se um prejuízo líquido ajustado de R$ 77,7 milhões, uma perda 46,5% menor frente o 1T22.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou negativo em R$ 76,8 milhões, uma alta de 1,9% sobre o dado negativo de R$ 75,4 milhões do primeiro trimestre de 2022. Em termos ajustados, o Ebitda ficou negativo em R$ 63 milhões, um avanço de 48,6% ante o número negativo de R$ 42,4 milhões do 1T22.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O lucro bruto ajustado foi de R$ 4,9 milhões no 1T23, 73% de queda ante um dado de R$ 18,2 milhões no mesmo período do ano anterior, impactado pela redução do volume total de vendas, mix de produtos com uma proporção relevante de Cobre Primário e pela redução do volume de Coprodutos.

A receita líquida caiu 45,6%, a R$ 441,9 milhões. O volume de vendas da companhia alcançou 12.463 toneladas, 46% menor frente o 1T22 com as restrições de capital de giro.

No 1T23, as despesas operacionais foram de R$ 44 milhões, 56 % acima do mesmo período do ano anterior explicadas principalmente pelo de complemento de impairment dos créditos de ICMS na base do PIS/COFINS no valor de R$ 6.8 milhões devido a atualização da Selic e pela provisão da multa pelo não pagamento da parcela do Acordo Global no valor de R$ 5 milhões.

Continua depois da publicidade

A empresa disse seguir em negociação com os credores com o intuito de obter um waiver de covenants e um acordo de standstill enquanto discute com tais credores novas condições para o equacionamento de seu passivo.