Matéria-prima

Paranapanema (PMAM3) reverte prejuízo em lucro, melhora dívida, mas Ebitda segue negativo

Resultado ajustado, entretanto, fez o caminho contrário. Saiu de lucro de R$ 33,673 milhões para prejuízo no 1T22 de R$ 145,335 milhões

Por  Equipe InfoMoney

A Paranapanema (PMAM3) reportou lucro líquido de R$ 169,690 milhões no 1T22, revertendo o prejuízo de R$ 402,305 milhões aferidos no 1T21.

Resultado líquido ajustado, entretanto, fez o caminho contrário. Saiu de lucro de R$ 33,673 milhões de um ano atrás para prejuízo no 1T22 de R$ 145,335 milhões.

Foram ajustados R$ 17,8 milhões de OCI (Ajuste de Avaliação Patrimonial, na sigla em inglês), R$ 30,2 milhões de depreciação e amortização, R$ 372,4 milhões de variação cambial da dívida em dólar, além de outras posições, explica a empresa.

O Ebitda continuou negativo no 1T22, mas melhorou 9,51%, de R$ 83,323 milhões negativos no 1T21 para R$ 75,401 milhões negativos no primeiro trimestre deste ano. A margem Ebitda negativa piorou 2,9 pontos percentuais, saindo de menos 6,4% há um ano para menos 9,3% agora.

O Ebitda ajustado piorou bastante, saindo de R$ 8,852 milhões há um ano, indo a R$ 42,403 milhões agora. A margem Ebitda ajustado deteriorou 4,5 pp, de 0,7% negativos no 1T21 a 5,2% negativos agora.

O ajuste exclui os efeitos de LME e dólar no estoque, OCI, contingências e demais efeitos não recorrentes, O resultado foi impactado “pela redução do volume total de vendas, mix de produtos com uma proporção relevante de Cobre Primário, redução do volume de Coprodutos e por um ajuste não recorrente de período anterior referente à reconciliação das operações com brokers no montante de R$ 8,9 milhões”.

A receita líquida recuou 38% em um ano, de R$ 1,307 bilhão para R$ 812 milhões no 1T22.

Mais sobre balanço da Paranapanema (PMAM3)

A administração da empresa escreveu em mensagem que acompanha o balanço que seus os principais focos são assegurar a gestão de caixa “através da eficiência em capital de giro e a efetivação do pagamento da primeira parcela das dívidas com os principais credores”.

A dívida total da companhia, no 1T22, ficou em R$ 2,951 bilhões, sendo 16% de curto prazo e 84% de longo prazo. Há um ano, a dívida estava em R$ 3,419 bilhões e 100% de curto prazo. A dívida, entretanto, é denominada em dólar e suscetível à variação do câmbio.

“O Fluxo de Caixa das atividades operacionais foi positivo em R$ 158,0 milhões, um aumento de R$ 144,8 milhões em relação ao mesmo período de 1T21, como resultado das ações para ganho de eficiência na gestão do capital de giro, influenciado principalmente pela otimização na gestão dos estoques e aumento de crédito da companhia”, explica.

Em dezembro de 2021, a Paranapanema realizou o pagamento da primeira parcela de juros e principal da dívida reestruturada, no valor de aproximadamente US$ 27 milhões, “contribuindo para a redução do Passivo Circulante da Companhia”.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe