Geada

Paraná reduz previsão para safra de trigo

arrow_forwardMais sobre

O Paraná, na região Sul do Brasil, reduziu sua previsão para a colheita de trigo nesta temporada em 16%, a 2,72 milhões de t, após importantes áreas produtoras terem sido prejudicadas por geadas no início deste mês.

A mais recente previsão do Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral-PR) representa um declínio acentuado em relação à projeção de junho, que estimava uma produção de 3,2 milhões de t na temporada atual, alta de 15% sobre a safra anterior. A nova previsão indica um recuo de 3% ante o ano passado no maior produtor de trigo do Brasil.

As geadas se espalham por todo o Sul do Brasil durante o inverno, eventualmente afetando culturas como milho safrinha e trigo. No Paraná, as geadas deste ano ocorreram entre os dias 6 e 8 de julho.

PUBLICIDADE

O Paraná já terminou o plantio de trigo desta temporada, com a colheita prevista para o próximo mês.

Enquanto isso, produtores de milho no estado, o segundo maior produtor do cereal no país, seguem colhendo a safrinha deste ano. Eles já colheram 65% da área plantada de 2,24 milhões de ha, 7pp acima da semana passada e bem superior aos 14% registrados há um ano, diz o Deral-PR.

O departamento fez apenas um pequeno ajuste em sua previsão para a produção de milho safrinha no estado neste ano, para 13,66 milhões de t, de 13,46 milhões de t em junho. Somando-se a estimativa para o milho verão, já colhido, a produção total do Paraná é estimada pelo Deral-PR em 16,80 milhões de t, um salto de 38% sobre a safra passada, prejudicada pelo clima desfavorável.

Os produtores de milho do Paraná já comercializaram 82% de sua safra verão e 36% da de inverno. No ano passado, nesta mesma época, eles haviam vendido 92% e 19%, respectivamente.

Em relação à soja, cuja colheita ocorreu no verão, antes do plantio do milho safrinha, o Deral-PR manteve a estimativa de produção quase estável em 16,20 milhões de t, 15% abaixo da safra passada. A produção da oleaginosa no estado foi prejudicada neste ciclo pelo clima quente e seco entre dezembro e janeiro, momento vital para o desenvolvimento da cultura.

Segundo o Deral-PR, as vendas de soja atingiram 68% da produção estimada, ante 76% comercializado há um ano.