Rebaixamento

Para economista da Votorantim, Brasil deve perder grau de investimento em 2015

Roberto Padovani disse que Brasil deve ter rebaixamento de rating em meio a um “grau de deterioração da reputação e da credibilidade longo e profundo”

Por  Estadão Conteúdo

A indefinição para a nomeação do novo ministro da Fazenda mostra que o governo não está convencido do que precisa ser feito na política econômica durante o segundo mandato de Dilma Rousseff, afirmou Roberto Padovani, economista-chefe da Votorantim Corretora. Em debate promovido pela Ordem dos Economistas, ele ressaltou que o ministro, independentemente de quem for, precisa ser politicamente forte para que os agentes voltem a confiar nas decisões do governo. Num cenário de piora das contas públicas, e em meio a um “grau de deterioração da reputação e da credibilidade longo e profundo”, o Brasil provavelmente vai perder o grau de investimento em algum momento do próximo ano, Padovani.

Para o economista, o ajuste da economia brasileira será lento e difícil, e a estabilização da relação dívida/Produto Interno Bruto (PIB) será uma tarefa de três a quatro anos. “Para isso, precisa aumentar impostos e controlar os gastos do governo”, afirmou, acrescentando que isso dificilmente será feito, até por causa de desequilíbrios gerados nos últimos anos, como a ampla desoneração fiscal, que anularia os possíveis efeitos de um aumento de imposto.

Uma alternativa, mas que Padovani não acredita que será adotada pelo governo, seria a criação de um comitê fora do ministério da Fazenda para definir metas para a economia. “Independentemente de quem fosse ministro, ele teria um grau de comprometimento e transparência maior para os agentes confiarem em um ajuste de longo prazo”, afirmou. Na política monetária, a saída seria a autonomia do Banco Central, o que pelo discurso eleitoral também parece improvável.

Compartilhe