Para Bank of America, governo dos EUA aumenta bolha na bolsa

Os estrategistas preveem correção do mercado e posicionamento para o pico no primeiro trimestre

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) – Estrategistas do Bank of America alertaram que o “avanço extremo” em Wall Street — que levou as ações a recordes e foi embalado por fortes estímulos governamentais nos EUA — está formando uma bolha nos preços dos ativos.

“A bolha de políticas governamentais federais está alimentando a bolha nos preços dos ativos em Wall Street”, escreveram estrategistas liderados por Michael Hartnett em nota divulgada nesta sexta-feira. “Quando aqueles que querem permanecer ricos começam a agir como aqueles que desejam ficar ricos, isso sugere o último estágio no estouro especulativo.”

Os estrategistas preveem correção do mercado e posicionamento para o pico no primeiro trimestre. O indicador BofA Bull & Bear está se aproximando de um “sinal de venda”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A disparada dos preços no mercado financeiro na esteira do avanço das operações atreladas à inflação vai puxar a inflação da economia real, trazendo a ameaça de reação negativa à retirada de estímulos, condições financeiras mais restritivas e eventos de volatilidade, alertaram os profissionais do banco. Eles destacaram bolhas anteriores nos EUA, incluindo a das empresas ponto-com e a do mercado imobiliário residencial em 2007-2008.

A valorização dos ativos de risco graças às perspectivas de vacinação contra a Covid-19 ganhou fôlego adicional este ano, com a aposta de que a maioria democrata no Senado dos EUA trará mais estímulos fiscais, se somando à mão aberta do banco central (Federal Reserve). O índice S&P 500 subiu mais de 70% desde a mínima atingida em março, enquanto o Nasdaq 100 quase dobrou e a Bitcoin passou de US$ 30.000.

Os balanços patrimoniais dos bancos centrais se avolumaram em 2020, atingindo recordes no caso do Fed e do Banco Central Europeu. O BofA espera que balanço patrimonial do Fed alcance 42% do PIB dos EUA este ano e que o déficit orçamentário chegue a 33% do PIB.