Pãozinho encarecerá 10%; preço dos demais derivados do trigo também subirá

Segundo a FGV, valorização da farinha de trigo e do próprio grão será repassada ao consumidor até o final do ano

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Consumidores devem se preparar: o preços dos derivados do trigo deve subir mais até o final do ano. O Sindicato da Indústria da Panificação aponta para a necessidade de um reajuste na ordem de 10% no pão francês, exatamente para compensar o encarecimento da matéria-prima.

“As padarias de São Paulo ainda estão absorvendo esse aumento de preço, mas isso não será possível até o final do ano”, explicou o presidente da entidade, Antero Pereira. Na capital paulista, atualmente, o quilo do pãozinho varia de R$ 4 a R$ 7, dependendo da região onde é comprado.

Espaço para aumento

No atacado, o insumo principal dos derivados de trigo – a farinha – já está 10,6% mais cara no acumulado do ano até setembro. O próprio grão custa 12% a mais. Enquanto isso, no varejo, macarrão, pão e biscoitos apresentam valorização menos intensa, de 2,63%; 2,33% e 6,80% – nessa ordem.

“Existe um espaço muito grande para o repasse, principalmente ao pão, até o final do ano”, explicou André Braz, economista da FGV (Fundação Getúlio Vargas). O motivo é o peso de 25% que a farinha tem na composição do produto. “O fato é que a farinha está ficando mais cara”, explicou Braz.

Oferta

Tudo isso acontece por conta da interrupção das importações. Segundo dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a Argentina é responsável por mais de 90% das compras brasileiras, mas, em março, o país vizinho suspendeu suas vendas ao Brasil, alegando proteção ao abastecimento interno.

De acordo com a Abitrigo (Associação Brasileira da Indústria do Trigo), os preços internacionais do grão devem permanecer nos atuais patamares, oscilando pouca coisa nos próximos dois anos pelo menos. O mesmo deve ocorrer com os preços nacionais: o produto é comprado no Paraná a R$ 640 e R$ 650 – os mais altos valores dos últimos anos.

No bolso

Na tabela abaixo, é possível ver o impacto da situação para o bolso. Estão detalhados os aumentos acumulados no ano, tanto para as vendas no atacado quanto para as do varejo:

Alta nos preço: atacado
ProdutoAcumulado no ano até setembroAcumulado em 12 meses até setembro
Farinha de trigo10,58%18,70%
Trigo12,04%41%
Alta nos preço: varejo
ProdutoAcumulado no ano até setembroAcumulado em 12 meses até setembro
Macarrão2,63%2,79%
Pão2,33%4,13%
Biscoitos6,81%7,34%

Fonte: FGV

Compartilhe