Pacote argentino impulsiona bolsas latino-americanas

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As principais bolsas latino-americanas fecharam em alta nesta segunda-feira, influenciadas pelo anúncio do pacote de ajuda externa à Argentina. Às 15h48 de Nova York, o Nasdaq Composite registrava baixa de 1,57%, enquanto o Dow Jones Industrial e o S&P500 apresentavam altas de 1,91% e 0,64%, respectivamente.
O índice Merval fechou em alta de 0,30%, após a divulgação oficial do pacote de ajuda financeira à Argentina, no valor de US$ 39,7 bilhões. O montante total deverá ser disponibilizado nos próximos três anos, dos quais US$ 26 bilhões serão liberados já em 2001 e o restante em 2002 e 2003.
Do valor total do pacote, o FMI disponibilizará US$ 13,7 bilhões, os bancos locais US$ 10 bilhões, e a troca de títulos da dívida Argentina será responsável por US$ 7 bilhões. O restante do pacote será financiado por organismos internacionais, como Banco Mundial e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), pelo governo espanhol e pelos fundos de pensão argentinos. O valor total do pacote impressionou o mercado, que esperava um montante entre US$ 20 bilhões e 30 bilhões.
Após o anúncio do pacote, o Deutsche Bank divulgou que espera que PIB da Argentina cresça 2,1% em 2001. Os analistas do Deutsche também declararam que o pacote não acaba com o problema da Argentina, pois o país precisa crescer mais do que o esperado pelo governo para estabilizar a relação dívida/PIB. Nesta segunda-feira, o diretor executivo do FMI, Herst Köhler, anunciou que US$ 2 bilhões da linha do FMI deverão ser sacados nos próximos dias.
Os principais destaques de alta de bolsa argentina ficaram para as ações da Garovaglio y Zorraquin (+6,67%), da siderúrgica Siderar (+4,65%) e do Grupo Financiero Galicia (+3,78%). Por outro lado, as maiores quedas entre os componentes do índice Merval ficaram para as ações do banco BSCH (-4,95%), da Solvay Indupa (-3,58%) e Telefónica (-2,99%).
O índice IPC da Bolsa do México fechou em alta de 0,28%. Hoje, a Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) declarou que a economia mexicana registrou um crescimento de 7% em 2000, a maior taxa apresentada nos últimos 19 anos. Para a Cepal, a alta do petróleo e o bom desempenho da economia norte-americana foram os principais responsáveis pela expansão econômica.
As maiores altas entre os componentes do índice IPC ficaram para as ações do varejista Walmart (+3,49%), do Grupo Financiero Banamex (+3,46%) e da Desc Sociedad de Fomento Industrial (+2,38%). Contrariando a tendência da bolsa mexicana, os destaques de queda ficaram para as Industrias Penoles (-6,92%), para a varejista Elektra (-5,07%)e para a Vitro (-3,70%).

O IPSA da Bolsa de Santiago encerrou o pregão em baixa de 0,27%, apesar da divulgação, feita pelo Banco Central, de que a economia chilena cresceu 5,8% em outubro em comparação com o mesmo mês no ano passado. Segundo o Banco Central chileno, a economia do país tem crescido mais do que o esperado em função do aumento das exportações de cobre e madeira, principais produtos da pauta de exportações do país.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa +0,63%
Peru ISBVL -0,14%
Venezuela IBVC -0,99%
Colômbia IBB+0,66%

Compartilhe