Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira

Bolsas voltam a registrar ganhos de olho no Senado dos EUA; dados de emprego e do governo central no Brasil e mais destaques

ações bolsa gráfico índices mercado trader stocks alta
(Shutterstock)

SÃO PAULO – No penúltimo pregão do ano, o Ibovespa tem mais uma chance de atingir a máxima histórica, após ficar na véspera 404 pontos abaixo de atingir o seu maior patamar de fechamento, alcançado em janeiro deste ano (109.527 pontos). Veja mais sobre o pregão da véspera clicando aqui. 

Em destaque nesta sessão, está o Senado dos EUA, que realizará votação após a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, liderada pelo Partido Democrata, aprovar nesta segunda-feira a proposta do presidente norte-americano, Donald Trump, para o pagamento de 2 mil dólares de auxílio para pessoas afetadas pela pandemia de Covid-19. Por aqui, atenção ainda para os dados de emprego e do governo central. Confira no que ficar de olho:

1.Bolsas mundiais

As bolsas europeias e os índices americanos registram alta nesta terça (29), dando continuidade ao movimento positivo do dia anterior, quando os mercados reabriram após o feriado de Natal, em meio ao alívio depois do acordo comercial pós-Brexit e também com o pacote fiscal nos EUA.

As bolsas dos Estados Unidos retomaram a atividade reagindo positivamente à assinatura, pelo presidente Donald Trump, de um pacote de estímulos no valor de US$ 900 bilhões. A medida inclui o pagamento de US$ 600 aos cidadãos americanos, e foi assinada no domingo (27). Ela foi ratificada junto ao Orçamento de US$ 1,4 trilhão do governo americano, válido até setembro de 2021.

Trump havia deixado a assinatura em suspense, e extrapolou por um dia o prazo final. O presidente criticou pontos do pacote, e defendeu a aprovação de um pagamento de US$ 2.000 a americanos, proposta que foi acolhida por congressistas democratas.

Na segunda-feira, a Câmara, que tem maioria democrata, aprovou o pagamento maior; para que a medida passe a valer precisa, no entanto, ser aprovada pelo Senado, que tem maioria republicana. Depois, precisaria ainda ser assinada pelo presidente.

O líder republicano no Senado, Mitch McConnel, não tem se posicionado quanto à possibilidade de aprovar os pagamentos suplementares de US$ 2.000, mas anteriormente articulou contra um pacote de estímulos em valor superior, defendido por líderes democratas.

Na Europa, as ações ampliavam seu rali de final de anoà medida que o acordo comercial do Brexit, esperanças de um pacote de estímulo expandido nos Estados Unidos e a maratona da campanha de vacinação contra a Covid-19 da zona do euro tornam menos sombrias as perspectivas de crescimento para 2021.

Nesta terça, a ação da farmacêutica AstraZeneca está entre as empresas com os ganhos mais altos do índice britânico FTSE. Os dados de testes de terceira fase do produto desenvolvido pela empresa em parceria com a Universidade de Oxford foram entregues para avaliação de reguladores britânicos, e espera-se que o produto seja aprovado ainda nesta semana.

PUBLICIDADE

Os planos são iniciar a imunização com a vacina no Reino Unido já no dia 4 de janeiro. No Brasil, o produto é testado pela Fiocruz. Ele é uma das principais apostas do governo federal para imunizar a população.

No domingo, o jornal The Financial Times publicou uma reportagem em que confirma que o órgão regulatório britânico deve aprovar a vacina em breve. De acordo com o jornal, o anúncio pode sair já nesta terça.

Ainda no radar dos mercados, a China e a União Europeia devem fechar um acordo de investimento nesta semana que dará às empresas do bloco europeu um acesso muito melhor ao mercado chinês e proteção para seus ativos no país asiático, disse nesta segunda, 28, uma autoridade sênior da UE. As negociações começaram em 2014, mas ficaram paralisadas por anos, já que a UE se queixava de que a China não cumpria promessas de retirar restrições aos investimentos do bloco.

As bolsas asiáticas fecharam com resultados em sentidos diferentes entre si. O destaque fica para o índice Nikkei, do Japão, que atingiu patamares que não eram vistos desde agosto de 1990, segundo dados da consultoria Refinitiv.

O índice Nikkei, do Japão, fechou em alta de 2,66%; o Hang Seng Index, de Hong Kong, subiu 0,96%; o Kospi, da Coreia do Sul, subiu 0,42%; o Shanghai SE, da China, caiu 0,54%.

Veja o desempenho dos principais índices às 7h20 (horário de Brasília):

Estados Unidos
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,46%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,40%
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,50%

Europa
*Dax (Alemanha), +0,37%
*FTSE 100 (Reino Unido), +2,41%
*CAC 40 (França), +0,44%
*FTSE MIB (Itália), +0,04%

PUBLICIDADE

Ásia
*Nikkei (Japão), +2,66% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong) +0,96% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +0,42% (fechado)
*Shanghai SE (China), -0,54% (fechado)

Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +1,28%, a US$ 48,23 o barril
*Petróleo Brent, +1,3%, US$ 51,52 o barril
*Bitcoin, US$ 26.800,69, -0,3%
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 2,46%, cotados a 1010,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 154,75 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,53

2. Agenda de indicadores

A FGV divulga a inflação medida pelo O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) no Brasil, relativa a dezembro. O índice desacelerou a alta a 0,96% em dezembro de 3,28% no mês anterior e terminou o ano com avanço acumulado de 23,14%, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. A expectativa, segundo consenso Refinitiv, era de alta de 1,13% na comparação mensal.

Já às 9h, o IBGE divulgará a PNAD Contínua, com a expectativa para divulgação da taxa de desemprego de outubro. A expectativa, segundo compilação feita pela Refinitiv, é de uma taxa de 14,7%. Às 14h30, atenção para a divulgação do resultado primário de novembro do Governo Central.

Às 11h a S&P divulga dados sobre preços de imóveis nos Estados Unidos em outubro. Já às 12h30 o Federal Reserve de Dallas divulga dados sobre as perspectivas do setor de serviço do Texas, relativos a dezembro.

3. Prorrogação do estado de calamidade e disputa pela Câmara

Nesta terça, a Caixa Econômica Federal (CEF) paga a última parcela do Auxílio Emergencial a 3,2 milhões de pessoas, encerrando o calendário de pagamentos do programa, sem que haja ainda indicação sobre um eventual novo auxílio em 2021 ou lançamento de um novo programa social ou substituto do Bolsa Família.

Segundo reportagem publicada no jornal Valor, governadores da região Nordeste defendem a prorrogação do estado de calamidade pública para o Brasil pelo menos para o primeiro semestre de 2021.

O governador do Piauí Wellington Dias (PT), líder do grupo de governadores da região, afirmou “ninguém quer e ninguém deseja, mas a calamidade é uma realidade”. O estado de calamidade suspende a aplicação de mecanismos de controle fiscal, como o teto de gastos, e permitira ao governo federal continuar gastando em programas como o auxílio emergencial.

PUBLICIDADE

Além disso, chamada de capa publicada pelo jornal O Globo afirma que o bloco articulado pelo atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) para eleger um sucessor deve ser capaz de garantir os dois cargos mais importantes da Mesa Diretora ao PT e ao PSL, que têm as maiores bancadas.

Com o apoio de partidos de esquerda, o bloco tem 281 deputados, e se fecha em torno da candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP). Do outro lado, o candidato Arthur Lira (PP-AL) tem apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e conta com 181 parlamentares.

Como o voto é secreto, há espaço para traições, e a formação de um bloco maior não garante a eleição de presidente da Câmara dos Deputados. Mas os cargos são distribuídos de acordo com o tamanho das legendas antes da eleição. A cada 46 deputados, um bloco tem direito a uma cadeira na Mesa. O maior grupo escolhe o primeiro cargo, e o segundo maior faz a segunda escolha, o que deixa PT e PSL em proeminência.

Na segunda, Bolsonaro declarou em público seu apoio à candidatura de Lira, e se contrapôs a Maia. “Vamos ter eleição na Câmara agora. Uma das chapas ali é o Rodrigo Maia e PT, PCdoB e PSOL. E tem uma outra chapa. Eu estou nessa outra. Não vou nem discutir. Se está de um lado PT, PCdoB e Rodrigo Maia, eu estou do outro lado”, disse. O grupo inclui também o DEM, de Maia, MDB, PSDB, Cidadania, PV e parte do PSL não bolsonarista. O PSOL não faz parte da frente e considera lançar uma candidatura própria.

Lira uniu em torno de seu nome os parlamentares mais aliados ao governo e também o chamado Centrão, que inclui partidos como o PP, PTB, PSD, PL, Republicanos, entre outros, e obteve o apoio explícito de Bolsonaro.

Além disso, partidos da oposição apresentaram ao deputado Baleia Rossi (MDB-SP), candidato à presidência da Câmara, uma carta-compromisso em que elencam a necessidade de respeito a princípios democráticos e ao espaço constitucional para que exerça o seu papel, informou o líder do PSB, Alessandro Molon (RJ) à agência internacional de notícias Reuters.

Segundo Molon, Baleia teria concordado com a carta, que passa por ajustes finais de redação para ser divulgada. Dentre os tópicos que permitiriam à oposição a execução de suas atividades, está o compromisso do candidato à presidência da Casa de ouvi-la para a definição da pauta, de pautar matérias como a convocação de ministros, quando houver votos, e o de pautar os projetos de decretos legislativos (PDLs), instrumentos muito utilizados para sustar decretos do Executivo.

4. Covid no Brasil

O consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil divulgou, às 20h de segunda (28), o avanço da pandemia em 24h no país. A média móvel de casos confirmados em 7 dias foi de 34.667, queda de 19% frente o período encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 25.490 casos. A média móvel de mortes em 7 dias foi de 617. Com isso, houve queda de 8% frente o patamar encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registradas 495 mortes por covid.

Segundo análise de pesquisadores da FGV e do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), as mortes relacionadas à pandemia devem reverter a tendência observada nas últimas décadas, levando à redução de apenas um ano de expectativa de vida do brasileiro que, de acordo com os últimos dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é de 76,6 anos atualmente.

Na segunda, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que cabe aos fabricantes de vacinas realizar os pedidos de registro dos imunizantes à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), e indicou que acredita que a responsabilidade de tornar as vacinas disponíveis é dos laboratórios.

“O Brasil tem 210 milhões de habitantes. Então é um mercado consumidor enorme de qualquer coisa. Os laboratórios não tinham que estar interessados em vender para a gente? Por que então eles não apresentam a documentação na Anvisa?”, disse. Mais tarde, o presidente afirmou que, uma vez aprovada pela Anvisa, qualquer uma das vacinas candidatas chegaria em 5 dias à população.

“A Anvisa certificando, em 5 dias, tenho conversado com o (ministro da Saúde, Eduardo) Pazuello, a vacina chega para todos os brasileiros. Para todos, não… não tem como ter 100 milhões de doses instantaneamente, mas vai ser distribuída de forma equânime para todos os Estados do Brasil”, disse a jornalistas, após participar de jogo beneficente “Natal Sem Fome”, na Vila Belmiro, em Santos (SP).

Questionado se faria uma campanha pela imunização, afirmou que não poderia aconselhar o uso sem alertar para os riscos. Argumentou que a população brasileira tem muitas pessoas humildes que não saberiam “interpretar uma bula”. “Eu não posso fazer uma campanha, falar ‘tome a vacina’ sem mostrar para ele os riscos”, disse. “E eu quero também, se for possível, o termo de responsabilidade”, afirmou, acrescentando que quem se sujeitar à vacina estará concordando com a utilização de algo que ainda não teve sua comprovação científica concluída.

5. Radar corporativo

Em destaque no radar de empresas, a Petrobras apresentou na última segunda-feira requerimento de arbitragem com demanda indenizatória contra a Odebrecht, estimada em aproximadamente R$ 800 milhões, por alegada violação dos termos do acordo de acionistas referente à Braskem.

Já o conselho de administração do Santander Brasil aprovou o pagamento do montante bruto R$ 665 milhões, valor este que vai a R$ 565,2 milhões após a dedução do valor relativo ao imposto de renda na fonte.

Também no radar dos mercados, a EDP Brasil assinou acordo de investimentos na empresa de geração solar distribuída Blue Sol, com o objetivo de adquirir participação minoritária de até 40% do capital social da companhia. A CCR, por sua vez, assinou um aditivo ao contrato de concessão do aeroporto de Confins (MG), por meio do qual poderá receber até R$ 352 milhões, informou a empresa em comunicado ao mercado.

(Com Reuters, Bloomberg e Agência Estado)

Quer migrar para uma das profissões mais bem remuneradas do país e ter a chance de trabalhar na rede da XP Inc.? Clique aqui e assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro!