Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira

Bolsas europeias e índices futuros dos EUA oscilam após forte alta; IPCA, autonomia do BC e auxílio emergencial em destaque no Brasil

arrow_forwardMais sobre

 

Em uma sessão sem grandes catalisadores, as bolsas europeias e os índices futuros americanos oscilam negativamente. Por aqui, os investidores ficam de olho nos dados de inflação, com destaque para o IPCA de janeiro, na votação da autonomia do Banco Central na Câmara e nas notícias sobre a volta do auxílio emergencial em outros moldes. Ontem, o presidente Jair Bolsonaro sinalizou que o governo está procurando maneiras de definir uma prorrogação da medida, que acabou no final de 2020. Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

As bolsas europeias e os índices futuros americanos têm em sua maioria leves quedas nesta terça-feira (9), após uma sequência de altas no final da semana anterior, mantendo a vacinação no radar. Os índices asiáticos, por sua vez, fecharam em alta acompanhando as bolsas americanas na véspera, mas com preocupações sobre a regulação de gigantes de tecnologia na China ainda no radar.

Na segunda-feira (8), os índices americanos tiveram altas recordes, dando continuidade à sequência de altas do início de fevereiro. Contando com o desempenho da segunda, os índices Dow e S&P 500 tiveram seis sessões de altas, e o Nasdaq teve cinco sessões positivas. Nesta terça, os índices futuros americanos mantêm-se estáveis, com leves baixas.

Segundo analistas ouvidos pela rede de notícias CNBC, a divulgação de bons resultados de desempenho de empresas e a melhora de dados de novos casos diários de covid e sobre a aceleração do ritmo de vacinação têm ajudado a impulsionar as ações.

Após o fechamento, mais empresas de tecnologia devem reportar sobre seus ganhos, incluindo Twitter e Cisco.

Em uma entrevista reproduzida no domingo (7), o presidente americano Joe Biden afirmou que sua gestão está preparada para competir com a China, mas com uma abordagem diferente de seu antecessor, o republicano Donald Trump, que frequentemente alimentava atritos com o país. “Eu não farei como Trump fez. Nós focaremos nas regras internacionais”, afirmou.

Sobre Trump, o  Senado começa a julgar nesta terça o impeachment contra o agora ex-presidente americano, acusado de “incitação à ressureição”, por ter, de acordo com os defensores do impeachment, incentivado a invasão do Capitólio em Washington em 6 de janeiro.

PUBLICIDADE

As bolsas asiáticas fecharam com altas na terça, seguindo Wall Street na véspera. Os mercados chineses lideraram os ganhos na região, impulsionados por ações do setor petrolífero e químico.

Por outro lado, os investidores monitoram novas diretrizes antimonopólio divulgadas no final de semana na China. As ações de gigantes de tecnologia fecharam em sentidos variados, com preocupações de que Pequim estaria enrijecendo as restrições sobre o setor.

Além das normas, reguladores da China multaram a empresa de descontos Vipshop em 3 milhões de yuan, ou cerca de US$ 500 mil, por atos anticompetitivos, segundo informações da agência internacional de notícias Reuters.

As ações da Tencent tiveram altas de 0,48%, e as de Meituan subiram 1,25%. Já as de JD.com tiveram queda de 0,6%, e as de Alibaba caíram 0,62%.

Além disso, as ações das fabricantes sul coreanas de automóveis Hyundai Motor e Kia Motors despencaram 6,21% e 14,98%, após as empresas anunciarem que “não mantêm conversas sobre o desenvolvimento de veículos autônomos pela Apple”, ao contrário do que vinha sendo aventado pelo noticiário.

O desempenho das empresas pesou sobre os resultados do índice sul coreano Kospi, que teve quedas de quase 1%, mesmo com a tendência positiva de muitas bolsas asiáticas.

Apesar de dados positivos nos últimos fechamentos nos Estados Unidos e na Ásia, índices europeus não mantêm o mesmo ritmo. Dados sobre a vacinação no continente europeu têm dominado os mercados.

Na segunda, o noticiário europeu foi marcado pela notícia de que um estudo apontou que a vacina produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca oferece “proteção mínima” contra casos moderados a severos de covid causados pela mutação do coronavírus encontrada na África do Sul.

PUBLICIDADE

A notícia levou o país a suspender a aplicação da vacina. Agora, a AstraZeneca se prepara para adaptar sua vacina para a nova variante. Mas pesquisadores da universidade sul africana de Witwatersrand e da própria Universidade de Oxford destacaram que o estudo é pequeno, com apenas cerca de 2.000 voluntários, com idade média de 31 anos.

Segundo os pesquisadores da Universidade de Oxford, “não foi possível analisar o grau de proteção contra casos moderados e severos, hospitalizações ou mortes neste estudo, à medida que a população-alvo tinha um risco tão baixo”.

O vice-diretor médico do Reino Unido, Jonathan Van-Tam ressaltou também na segunda que não há dados indicando que a variante sul africana tem uma “vantagem de transmissibilidade” que poderia torná-la dominante no país nos próximos meses. Ele afirma que o risco imediato é a variante encontrada inicialmente no próprio Reino Unido, para a qual as vacinas têm se mostrado eficazes.

Com críticas internas ao ritmo de vacinação, a União Europeia finalizou um acordo com Pfizer e BioNTech para garantir a oferta de mais 300 milhões de doses da vacina que as farmacêuticas desenvolveram conjuntamente contra a Covid. A notícia foi divulgada por um porta-voz do bloco à agência internacional de notícias Reuters na segunda.

A divulgação de resultados continua a marcar o noticiário. A petroleira Total reportou uma forte queda em seu lucro anual antes do fechamento. Contudo, o lucro líquido para o ano de 2020 foi de US$ 4,06 bilhões, acima da expectativa de US$ 3,86 bilhões de analistas ouvidos pela Refinitiv.Nesta manhã de terça, as ações da petroleira registram altas de cerca de 1,4%.

Confira o desempenho dos principais índices às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,08%
*Nasdaq Futuro (EUA), -0,1%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,11%
Europa
*Dax (Alemanha), -0,5%
*FTSE 100 (Reino Unido), -0,04%
*CAC 40 (França), +0,02%
*FTSE MIB (Itália), -0,26%
Ásia
*Nikkei (Japão), +0,4% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), +0,53% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,21% (fechado)
*Shanghai SE (China), +2,01% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,26%, a US$ 58,11 o barril
*Petróleo Brent, +0,38%, a US$ 60,79 o barril
*Bitcoin, +18,68%, a US$ 46.532,09
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 4,32%, cotados a 1062 iuanes, equivalente hoje a US$ 165,04 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,43

2. Agenda de indicadores

Às 5h a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) divulgou o IPC (índice de preços ao consumidor) do Município de São Paulo, que indicou variação de 0,78% na primeira quadrissemana de fevereiro de 2021. Durante a manhã também é divulgada a primeira prévia do índice de inflação IGP-M, relativo a fevereiro.

PUBLICIDADE

Às 9h, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulga o índice de inflação IPCA, relativo a janeiro. O consenso Bloomberg aponta para alta de 0,31% na base de comparação mensal e de 4,62% na comparação com janeiro de 2020.

Após fechar o ano de 2020 em 4,52%, a inflação pode desacelerar, como aponta a análise do professor do MBA Finanças e Valor da Fipecafi, Simão Davi Silber. De acordo com o especialista, após 4 meses de taxas elevadas, a inflação está desacelerando e projeta um IPCA de 0,3% na base mensal. “As explicações são o termino do auxílio emergencial, já se concretizou o aumento do câmbio e das cotações internacionais e isto não deve se repetir em 2021”, ressaltou.

Por aqui, ainda no radar dos investidores, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), anunciou que pretende votar nesta terça-feira o projeto que prevê a autonomia operacional do Banco Central (BC, PLP 19/19). O texto estabelece mandatos fixos de quatro anos para os diretores, regras para nomeação e demissão, e transformação do órgão em autarquia de natureza especial, não subordinada a nenhum ministério.

Nos EUA, às 12h o governo americano divulga o índice Jolts de ofertas de emprego nos Estados Unidos, relativo a dezembro.

Às 22h30 são divulgados o IPC (índice de preços ao consumidor) e o IPP (índice de preços ao produtor) na China, relativos a janeiro.

3. Covid no Brasil

O consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil divulgou, às 20h de segunda (8), o avanço da pandemia em 24 h no país.

A média móvel de casos confirmados em 7 dias foi de 45.755, queda de 11% frente ao período encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 28.061 casos. A média móvel de mortes em 7 dias foi de 1.015, queda de 4% frente ao patamar registrado 14 dias antes, marcando 19 dias com a média acima de 1 mil. Em apenas um dia houve 687 mortes.

No Rio de Janeiro, há queda de 44% nos pedidos de internação por Covid no início do ano, na rede de saúde estadual. Segundo o jornal O Globo, o fenômeno se repete em hospitais privados. Mas há temor de que a tendência mude se houver aglomerações durante o Carnaval.

Na segunda, o ministro Benjamin Zymler, do TCU (Tribunal de Contas da União), deu dez dias para que a Secretaria de Saúde de Manaus responda se foi pressionada pelo Ministério da Saúde a tratar pacientes com Covid com cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina que, de acordo com estudos científicos não têm eficácia contra a doença, o que faz com que não sejam recomendados pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

Em seu despacho, Zymler faz referência à visita de uma força-tarefa do Ministério da Saúde a Manaus no início de janeiro, pouco antes de o sistema de saúde entrar em colapso, com falta de leitos e de cilindros de oxigênio.

E em São Paulo, o governo de João Doria (PSDB-SP) afirma que o número de leitos para covid bancados pela União caiu de 2.367 para 564 entre agosto e fevereiro. O Ministério da Saúde nega queda de repasses.

4. Auxílio emergencial e movimentações políticas

Diante da pressão do Congresso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mudou de tom sobre o auxílio emergencial, e afirmou em uma entrevista à TV Band na segunda: “eu acho que vai ter. Vai ter uma prorrogação. Foram cinco meses de R$ 600 e quatro meses de R$ 300. O endividamento chegou na casa dos R$ 300 bilhões. Isso tem um custo. O ideal é a economia voltar ao normal”.

O presidente deu, no entanto, poucos detalhes sobre como se daria a continuação do programa, afirmando que está em estudo uma “linha de corte” para restringir o número de pessoas atingidas. “Agora, tem a pressão? Tem. O que está sendo estudado: uma linha de corte. Foram 68 milhões de pessoas que receberam o auxílio emergencial, afirmou Bolsonaro”.

Segundo informações de bastidores publicadas pelo jornal O Globo, entre outras publicações, a equipe econômica fala sobre a possibilidade de pagar mais três parcelas de R$ 200 a parte dos beneficiários do auxílio original. Na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu que apenas metade das pessoas atendidas em 2020 devem receber eventuais novos repasses.

Além disso, grandes partidos políticos continuam a digerir o racha no DEM que levou a sigla a não apoiar oficialmente a candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP). O candidato foi apoiado pelo então presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas foi derrotado por Arthur Lira (PP-AL) na disputa pela presidência da Casa, com parte do apoio do DEM após o presidente ACM Neto (BA) determinar que o partido não apoiaria formalmente nenhuma das candidaturas. Líder do centrão, Lira contou com o apoio de Bolsonaro.

Em entrevista publicada no Valor na segunda, Maia afirmou que estuda deixar o partido e ingressar em uma sigla do campo da oposição a Bolsonaro, e falou em “falta de caráter”, palavras dirigidas a ACM Neto e também ao governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que atuou a favor da candidatura de Lira.

Em entrevista publicada no mesmo jornal nesta terça, ACM Neto classificou Maia como “ingrato, disse que o deputado não sabe reconhecer os próprios erros”. Ele afirmou que a entrevista de Maia é “indicadora de internação hospitalar”. E que “depois de ter sido eleito por três vezes presidente da Câmara, Rodrigo achou que era proprietário das decisões dos deputados”. A direção do DEM estuda pedir o mandato de Maia à Justiça Eleitoral.

O racha também ocorreu no PSDB, com parte da sigla apoiando o candidato de Bolsonaro. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o governador de São Paulo João Doria (PSDB) mantém a proposta de expurgar do partido o grupo em torno de Aécio Neves (MG), que vê como governista, e de absorver dissidentes do DEM ligados a Maia.

5. Radar corporativo

A oferta inicial de ações do clube de assinatura de aplicativos Bemobi saiu a R$ 22 cada, valor mais próximo do ponto superior da faixa estimada pelos coordenadores, de R$ 17,60 a R$ 23,10 cada. A venda de ações novas, cujos recursos irão para o caixa da companhia, somou R$ 1,09 bilhão, enquanto acionistas da empresa venderam o equivalente a R$ 164,1 milhões, perfazendo R$ 1,258 bilhão. A EZ Tec, por sua vez, informou que a controlada EZ Inc desistiu de oferta pública de ações, citando condições de mercado.

Já a demanda total por voos da companhia aérea Azul em janeiro atingiu 2,293 milhões de passageiros, o que representa uma queda de 31% em relação a igual mês de 2020. Segundo dados divulgado pela empresa nesta segunda-feira, sua oferta de assentos no mês passado somou 2,913 milhões, o que equivale a uma retração de 25,3% ano a ano. A taxa de ocupação das aeronaves da Azul foi de 78,7% no mês passado, menor do que 85,2% reportados um ano antes.

No radar de resultados, a São Martinho reportou lucro líquido de R$ 272 milhõesno terceiro trimestre da safra 2020/21, encerrado em dezembro, recuo de 20,6% ante o mesmo período do ciclo anterior, informou a companhia em balanço financeiro nesta segunda-feira. O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado atingiu R$ 651,6 milhões no mesmo período, alta 20,3% no comparativo anual.

O lucro líquido da Duratex subiu 5,9% no quarto trimestre de 2020 na base de comparação anual, para um recorde de R$ 301,6 milhões. A receita líquida, por sua vez, teve alta de 27,4%, para R$ 1,89 bilhão, seu maior valor histórico.

Luiza Trajano, do Magazine Luiza, comanda um grupo de empresários e entidades, junto ao seu grupo Mulheres do Brasil, para lançar o movimento Unidos pela Vacina, que quer facilitar a chegada de vacinas contra a covid a todos os brasileiros até setembro.

O Instituto para Desenvolvimento do Varejo, que reúne cerca de 70 grandes varejistas estuda ir ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) contra o Mercado Livre por suposta concorrência desleal. Segundo o jornal Valor, a empresa tem grande volume de vendas, entre pessoas físicas, de produtos usados, sem origem comprovada e lojistas que não emitem nota fiscal.

A BrasilAgro comunicou na segunda que foi informada de que Charles River Administradora de Recursos Financeiros e Monteiro Aranha têm mais de 10% de participação na empresa.

(com Bloomberg, Reuters e Agência Estado)

Profissão Broker: série do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais estimulantes e bem remuneradas do mercado financeiro em 2021. Clique aqui para assistir