Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta terça-feira

Bolsas mundiais têm leve queda com Brexit e pacote de estímulos dos EUA no radar; IPCA no Brasil e mais destaques

ações promissoras
(alexsl/Getty Images)

SÃO PAULO  – A sessão é mista para os principais mercados globais, com receios sobre a alta de casos do coronavírus, as negociações sobre o Brexit na Europa e sobre o pacote fiscal nos EUA aumentando a aversão ao risco do mercado, enquanto o minério de ferro volta a subir em Cingapura.

No Brasil, na véspera, o Ministério da Economia e o relator da PEC emergencial negaram notícia sobre flexibilização do teto que pressionou os ativos brasileiros na reta final do pregão de ontem. Na véspera da decisão do Copom, o IPCA deve superar meta. Confira os destaques:

1.Bolsas mundiais

As bolsas europeias oscilam nesta terça-feira (8), e os índices futuros americanos caem. Na Europa, o mercado acompanha os esforços para aprovar um novo acordo comercial entre Reino Unido e União Europeia pós-Brexit. Nos Estados Unidos, o foco é nas negociações em torno de um novo pacote de estímulos para lidar com a crise de covid. Ele deve ser votado junto ao orçamento do país, que vence na sexta-feira (11).

O Reino Unido deixou o bloco europeu em janeiro de 2020, e o acordo comercial em vigência tem prazo para acabar em 31 de dezembro. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, irá viajar a Bruxelas nesta semana, onde se encontrará com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pessoalmente. Ambos realizaram duas ligações telefônicas recentemente, e têm instado suas equipes de negociadores a buscarem um desfecho.

Na segunda-feira (7), von der Leyen tuitou: “As condições para um acordo não estão presentes devido à continuidade de diferenças sobre assuntos críticos. Pedimos aos nossos negociadores principais que preparem uma revisão das principais diferenças para serem discutidas pessoalmente nos próximos dias”.

Há meses, ambos continuam divididos sobre três assuntos principais: pesca, regras de competição e governança do acordo em potencial. Pela manhã de segunda-feira, o negociador da União Europeia, Michel Barnier negou que tenham ocorrido concessões sobre o tema da pesca, como havia sido afirmado por alguns veículos de imprensa.

Pelo lado positivo, o Reino Unido se tornou nesta terça-feira, o primeiro país ocidental a iniciar a vacinação contra a covid, com a vacina desenvolvida pela parceria entre Pfizer e BioNTech. A primeira pessoa a ser vacinada foi Magaret Keenan, uma mulher de 90 anos.

A imunização deve continuar a ser aplicada sobre trabalhadores da linha de frente da área da saúde, cuidadores e pessoas com mais de 80 anos, antes de o resto da população ter acesso. A previsão é de que a vacina das duas farmacêuticas seja usada para imunizar um terço da população britânica.

Os índices futuros americanos têm baixas, com investidores acompanhando as negociações em torno de estímulo fiscal adicional como contraponto à crise do novo coronavírus, que pretendem votar junto ao orçamento para o próximo ano fiscal, que vence na sexta-feira (11).

PUBLICIDADE

Sem um novo pacote de estímulos, milhões de americanos devem perder acesso a benefícios voltados a desempregados no final do ano. Sem o novo orçamento, o governo americano entra em “shutdown”, fazendo com que serviços considerados não essenciais deixem de funcionar. A economia continua a ser atingida pela pandemia, com o número de diagnósticos, hospitalizações e mortes batendo recordes.

Na segunda-feira, o líder da maioria democrata na Câmara afirmou que os congressistas pretendem votar na quarta-feira (9) uma solução de curto prazo, prorrogando a validade do orçamento atual para o dia 18. Isso daria mais tempo para votar o pacote de estímulo.

Na semana passada, um grupo bipartidário, com políticos republicanos e democratas, apresentou uma proposta inicial no valor de US$ 908 bilhões, bem inferior ao plano de mais de US$ 2 trilhões defendido inicialmente por democratas. Mas o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, defende um “pacote direcionado” no valor de US$ 500 bilhões. O grupo bipartidário pretende divulgar mais detalhes sobre o plano de US$ 908 bilhões nesta semana.

As bolsas asiáticas têm resultados em sentidos variados, com investidores acompanhando as negociações nos Estados Unidos e na Europa pós-Brexit. A Coreia do Sul, enfrenta a aceleração da Covid. Foram registrados 594 novos casos na segunda. Autoridades de saúde afirmam que o número pode superar a casa dos mil, caso medidas não sejam adotadas.

No mercado de commodities, o minério de ferro negociado em Cingapura sobe novamente para fechar perto de US$ 150 a tonelada, um valor sem precedentes já que a oferta do principal centro de exportação da Austrália diminuiu, enquanto a demanda chinesa aumenta em uma recuperação auxiliada por estímulo.

Confira o desempenho dos principais índices às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,39%
*Nasdaq Futuro (EUA), -0,07%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,31%

Europa
*Dax (Alemanha), -0,19%
*FTSE 100 (Reino Unido), -0,44%
*CAC 40 (França), -0,51%
*FTSE MIB (Itália), -0,53%

PUBLICIDADE

Ásia
*Nikkei (Japão), -0,3% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong) -0,76% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -1,62% (fechado)
*Shanghai SE (China), -0,19% (fechado)

Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, -0,31%, a US$ 45,62 o barril
*Petróleo Brent, -0,23%, US$ 48,68 o barril
*Bitcoin, US$ 18.853,16, -1,85%
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam com alta de 0,77%, cotados a 912 iuanes, equivalente hoje a US$ 139,45 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,54

2. Agenda

Na agenda doméstica, às 9h, será divulgado o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expectativa é de alta de 0,78% na base mensal, segundo estimativa mediana em pesquisa Bloomberg, contra 0,86% na leitura anterior; no comparativo anual, a projeção era de alta de 4,20% após avanço de 3,92% na medição anterior. Também ocorre nesta terça-feira o primeiro dia da reunião de política monetária do Copom.

3. Vacinação no Brasil

A imunização contra a covid teve início nesta terça-feira no Reino Unido, a partir do produto desenvolvido em parceria entre Pfizer e BioNTech, aprovado emergencialmente no país. O foco inicial é em idosos com mais de 80 anos, trabalhadores de saúde na linha de frente do atendimento e cuidadores.

Na segunda-feira à noite, o Ministério da Saúde brasileiro informou que está negociando a compra de 70 milhões de doses da mesma vacina. Em nota, o governo afirma que os termos “já estão bem adiantados” e que um acordo deve ser anunciado no início desta semana.

“O governo brasileiro e a Pfizer avançam nas tratativas na intenção de compra de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer e Biontech contra a Covid-19, a ser fornecido em 2021. Os termos já estão bem avançados e devem ser finalizados ainda no início desta semana com a assinatura do memorando de intenção”, afirma o Ministério da Saúde. Como a vacina é aplicada em duas doses, a quantidade anunciada seria o suficiente para imunizar cerca de 35 milhões de pessoas.

Nesta terça, a pasta realiza uma reunião com governadores, em que novas informações sobre a compra de vacinas podem ser divulgadas.

A escolha da vacina de Pfizer e BioNTech pode trazer dificuldades de logística, já que o produto precisa ser armazenado em temperaturas de -70°C. No início de dezembro, o Ministério da Saúde havia afirmado que as vacinas incluídas no Plano Nacional de Imunização deveriam ter temperatura de armazenamento de entre 2°C e 8°C.

PUBLICIDADE

Até o anúncio, o governo brasileiro vinha focando esforços principalmente no produto desenvolvido pela parceria entre AstraZeneca e Universidade de Oxford, além de 40 milhões de doses da vacina desenvolvida pelo consórcio Covax Facility.

A pesquisa em torno da vacina da AstraZeneca e da Universidade de Oxford é alvo de questionamentos. Segundo a análise dos dados de testes de fase 3 divulgados pela própria empresa, o produto tem eficácia média de 70%, mas esse patamar sobe a cerca de 90% em um tipo de aplicação, em que meia dose é empregada e, depois, uma dose inteira.

Após o anúncio oficial, a empresa não soube explicar por que o uso da meia dose levou a um resultado superior, e admitiu que o emprego desse método ocorreu por um erro. Mesmo assim, os resultados foram incorporados à análise. Em seguida, autoridades americanas com acesso a dados do teste revelaram que a meia dose havia sido aplicada apenas em pacientes mais jovens. Por esses problemas, a aprovação da vacina pode se prolongar.

O governo também anunciou que liberou R$ 59,4 milhões para a compra de equipamentos de refrigeração para armazenar vacinas.

O anúncio ocorreu pouco depois de o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) ter divulgado para o dia 25 de janeiro o início da vacinação entre grupos prioritários: profissionais de saúde, pessoas com mais de 60 anos e grupos vulneráveis, como indígenas e quilombolas. Ao todo, a expectativa é imunizar 9 milhões de pessoas nesta fase.

Doria pretende empregar no estado a CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, cujo estudo de eficácia deve ser divulgado até a semana que vem. Depois disso, ocorrerão os pedidos para registro para aplicação emergencial e em definitivo, afirmou o governador. O Instituto Butantan tem realizado testes com a vacina no Brasil, e poderá produzi-la localmente com insumos importados.

Em nota, a Anvisa ressaltou que ainda há muitas etapas antes da liberação da Coronavac, e que não recebeu os estudos referentes à fase 3 dos testes clínicos.

4. Reforma tributária e sucessão na Câmara

Na segunda, um dia após a decisão do STF de que a reeleição de presidentes das Casas do Congresso em uma mesma legislatura é inconstitucional, o atual ocupante do cargo na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que espera avanços para a reforma tributária.

Maia disse esperar que o relator da reforma, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e o líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), cheguem a um texto para a reforma tributária nesta semana para que possam apresentá-lo aos demais líderes.
Segundo Maia, Aguinaldo, que também é líder da Maioria na Casa, deve concluir a redação do texto nesta segunda, mas os pontos da propostas já “estão todos ajustados com o governo”.

“Espero que entre hoje e amanhã o líder Aguinaldo e o líder Ricardo possam avançar no texto, apresentar para os líderes, para que a gente possa ter, aí, alguns dias para discutir a matéria e poder votar a matéria no plenário da Câmara”, disse Maia.

Ele afirmou que o governo não tem mais “desculpas” para não negociar votações prioritárias, como a reforma tributária e a chamada PEC emergencial, após o encerramento das eleições municipais e decisão do STF que proibiu sua recondução ao comando da Casa.

Ele também afirmou que seu campo político deve escolher nos próximos dias o candidato a sucedê-lo.

Dentre os nomes no entorno de Maia que podem disputar a presidência da Câmara estão os do líder da Maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB); do líder do MDB, Baleia Rossi (SP); do vice-presidente da Câmara Marcos Pereira (PRB-SP) e dos deputados Elmar Nascimento (DEM-BA) e Luciano Bivar (PSL-PE).

“Vou escolher nos próximos dias, dentro de um aliança que nós estamos construindo desde setembro, outubro, um nome, ouvindo todos os partidos que dela participam”, disse Maia a jornalistas.

“O mais breve possível, acho que agora está mais do que na hora de escolher o nome. Até o dia 15, eu já tinha dito isso a todos”, afirmou Maia.

A intenção é que os aliados de Maia possam reunir-se em torno de uma candidatura única, com o mote de independência da Câmara, em contraponto ao candidato do governo, o líder do bloco que ficou conhecido como centrão, Arthur Lira (PP-AL).

Vale destacar que, na véspera, na reta final do pregão, ativos brasileiros reduziram ou apagaram ganhos com notícia de que relatório da PEC emergencial prevê que despesas financiadas com receitas desvinculadas ficarão fora do teto por um ano. O Ministério da Economia diz que é contra qualquer proposta para flexibilizar teto, mesmo que temporariamente. o relator da PEC emergencial, senador Márcio Bittar, também negou que seu texto trará flexibilização do teto, o que ajudou a amenizar a baixa dos ativos.

5. Radar corporativo

Em destaque no radar corporativo, a  Azul divulgou suas prévias operacionais do mês de novembro, quando registrou aumento de 17,5% na demanda de passageiros por voos (RPK) em relação a outubro. Na comparação com novembro de 2019, houve uma queda de 30% no indicador.

Já a Ame, fintech que pertence à Lojas Americanas e B2W, adquiriu a Bit Capital, plataforma de open banking. Os valores não foram divulgados. A Qualicorp, por sua vez, comunicou que  Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou a compra de 75% do capital social da concorrente Plural Saúde pela companhia.

A Oi anunciou a contratação da consultoria Egon Zehnder para avaliação de seu Conselho de Administração. A companhia afirmou que em assembleia de 16 de outubro a administração firmou o contrato com a consultoria.

A Dommo Energia comunicou a produção de óleo em Tubarão Martelo em novembro, de  51.892 barris de óleo. Segundo a empresa, o preço de referência mais recente fixado pela ANP é de US$ 35,07 por barril.

Treinamento gratuito: André Moraes mostra como identificar operações com potencial de rentabilidade na Bolsa em série de 3 lives – assista!