FIQUE DE OLHO

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta sexta-feira

No exterior, mercados aguardam por PIB dos EUA; no Brasil, relatório da Petrobras aponta redução da meta de produção este ano

Bandeira dos EUA (Crédito: Shutterstock)

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou a sessão da véspera com queda de 1,41%, aos 102.655 pontos, pressionado pela frustração dos investidores com o discurso do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, que afirmou não haver consenso para um estímulo monetário via corte de juros ou compra de títulos públicos, assim como pela queda das ações de bancos no Brasil, por conta do resultado do Bradesco no segundo trimestre.

Hoje, os investidores vão acompanhar a divulgação da primeira prévia do Produtos Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos do segundo trimestre. Entretanto, os olhares seguem em direção à reunião da próxima semana do Federal Reserve. Após o BCE, o sentimento no mercado é de que o FED poderia seguir caminho semelhante e não ser tão agressivo em suas medidas de flexibilização monetária.

No Brasil, a agenda incluiu a divulgação de indicadores de atividade econômica, com sondagens da FGV e da CNI para o setor da construção civil, assim como a publicação de dados de crédito e inadimplência, pelo Banco Central, e o resultado primário do governo central de junho pelo Tesouro. A Agência Nacional de Energia (Aneel) também informa a bandeira tarifária de agosto, que atualmente é a amarela.

PUBLICIDADE

No corporativo, destaque para o relatório de produção da Petrobras do segundo trimestre, com a produção 2.633 mil barris de óleo equivalente por dia (Mboed), de óleo, LGN e gás natural, que representaram uma alta de 3,8% sobre o primeiro trimestre, mas uma retração de 1% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado. Nos seis primeiros meses, a produção recuou 3,1%.

Diante dos resultados acumulados, a Petrobras anunciou a alteração da meta de produção para o ano de 2,8 mil Mboed para 2,7 mil Mboed, com variação de 2,5% para mais ou para menos. A projeção de produção de óleo é de 2,1 MMbpd com variação de 2,5% para mais ou para menos.

1. Bolsas Internacionais

No exterior, os futuros nos Estados Unidos operam em alta, enquanto as bolsas na Ásia fecharam em queda (menos na China) e as europeias registram preponderantemente alta.

Além da questão monetária, os mercados asiáticos monitoram os avanços das negociações comerciais entre EUA e China, quando funcionários dos dois países voltam a se reunir em Xangai na próxima semana. No Oriente, as preocupações estão ainda com o aumento das tensões entre o Japão e a Coreia do Sul, com Tóquio podendo remover Seul de sua lista branca, com restrições mínimas ao comércio.

Na Europa, os investidores ainda digerem as falas de ontem de Draghi, de que o risco de uma recessão na região é baixo, apesar de um sinal de corte nos juros e mais flexibilização monetária à frente. Segundo Draghi, a perspectiva econômica está “ficando cada vez pior”, citando um fraco setor manufatureiro, bem como a incerteza sobre o comércio e o Brexit .

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

PUBLICIDADE

Entre as commodities, destaque para a alta do minério de ferro. O petróleo também sobe e se encaminha para uma alta semana, com as tensões geopolíticas sobre o Irã, embora as perspectivas de crescimento econômico global siga em declínio.

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 07h27 (horário de Brasília):

S&P 500 Futuro (EUA), +0,32%
Nasdaq Futuro (EUA), +0,46%
Dow Jones Futuro (EUA), +0,29%
DAX (Alemanha), +0,40%
FTSE (Reino Unido), +0,48%
CAC-40 (França), +0,51%
FTSE MIB (Itália), -0,19%
Hang Seng (Hong Kong), -0,69% (fechado)
Xangai (China), +0,24% (fechado)
Nikkei (Japão), -0,45% (fechado)
Petróleo WTI, +0,59%, a US$ 56,35 o barril
Petróleo Brent, +0,52%, a US$ 63,71 o barril
Bitcoin, US$ 9.801,90, -2,95%
R$ 37.390, -1,19% (nas últimas 24 horas)
Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian subiam 4,23%, cotados a 764,00 iuanes, equivalentes a US$ 111,04 (nas últimas 24 horas).

2. Agenda Econômica

No Brasil, às 8h00, a FGV informa a sondagem da construção de julho e o Índice Nacional de Custos da Construção (INCC). Às 10h00, a CNI informa a sondagem da indústria da construção de julho.

Às 10h30, será a vez do Banco Central publicar o estoque e a variação mensal crédito e as taxas de inadimplência da pessoa física. Às 14h30, está prevista ainda a publicação do resultado primário do governo central de junho.

Nos Estados Unidos, o destaque é para a divulgação, às 9h30, do PIB do segundo trimestre, com a primeira prévia do resultado. No mesmo horário, o departamento do comércio informa o índice de preços (PCE) e o núcleo do PCE.

Ainda no exterior, à noite, a China informa o lucro industrial de junho.

Na agenda corporativa, no exterior, a Renault, o Twitter e o McDonald’s divulgam seus resultados. Já no Brasil, o destaque é para o balanço da Usiminas, antes da abertura, e da Hypera Pharma e Copasa, após o fechamento.

3. Vazamentos

O caso dos ataques de hackers a celulares que resultaram no vazamento de conversas entre o ministro Sergio Moro e procuradores da operação Lava Jato, publicadas em reportagens pelo site The Intercept, ganhou novos contornos.

Segundo a Polícia Federal, os quatro presos na terça-feira, sob a acusação de invasão do celular de Moro, também teriam roubado dados de mil vítimas, entre elas, diversas autoridades do Legislativo, Judiciário e do Executivo.

Entre os alvos, estão Jair Bolsonaro, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e ao menos um ministro do STF. De acordo com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o fato está sendo tratado como uma questão de segurança nacional e Bolsonaro foi imediatamente comunicado.

Após Moro ter informado a algumas das novas vítimas sobre o ocorrido e dito que as mensagens seriam destruídas, em nota, a Polícia Federal garantiu que os materiais que venham a ser localizadas no material apreendido serão preservadas e que caberá à Justiça, em momento oportuno, definir o destino do material.

Segundo a PF, porém, as investigações não têm como objeto a análise das mensagens supostamente subtraídas de celulares invadidos.

A eliminação dos diálogos foi contestada por autoridades, como o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, para quem “essa decisão cabe à Justiça”. Segundo a Folha de S.Paulo, a PF acredita que Walter Delgatti Neto seja a fonte dos materiais publicados pelo The Intercept. O suspeito, porém, teria dito em depoimento que repassou o conteúdo ao site de forma anônima, voluntária e sem cobranças. A PF busca confirmar a versão.

Em novas revelações de diálogos, a Folha informa que o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, teria recebido R$ 33 mil por uma palestra, em 2018, de uma empresa citada em acordo de delação premiada. Dallagnol afirmou à publicação que desconhecia a menção ao aceitar o convite e que em junho de 2019 informou à Justiça sua suspeição para participar do caso envolvendo a empresa citada.

4. Bolsonaro

Em uma live nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que quem está reclamando do valor que será liberado para o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de até R$ 500, deveria “ficar na sua”. O presidente alegou que o valor pode ajudar muita gente e citou como exemplo o pagamento de dívidas.

O presidente explicou que o intuito da medida foi “atingir os mais pobres”. “Por volta de 80% das pessoas que tem conta no FGTS têm menos de R$ 500 reais. Lembro do meu tempo de tenente e capitão em que qualquer R$ 100, R$ 200 a mais que entrava de uma forma ou de outra no meu orçamento doméstico era muito bem-vindo”, disse.

Bolsonaro comentou também que o País registrou o melhor resultado no número de empregos dos últimos 5 anos, com o registro de 408 mil novos empregos. “É um sinal de que a economia está reagindo”, afirmou.

Ele também afirmou que a reforma da Previdência, já aprovada em primeiro turno pela Câmara dos Deputados, é necessária para ajudar na recuperação da economia, mas ressaltou que ela não atingiu os mais pobres.

“Para alguns, a reforma da Previdência é uma quimioterapia. Sim, eu também gostaria que não fosse feita a reforma, mas Lula tentou lá atrás, Dilma tentou, Michel Temer tentou e não conseguiram. Realmente não é fácil, tem muita reação, mas passou na Câmara com larga margem. Isso é sinalizador para investidor de fora e de dentro que o Brasil está preocupado em fazer o dever de casa”, disse.

5. Noticiário Corporativo

A Petrobras informou no relatório de produção que os resultados foram inferiores aos inicialmente previstos para o segundo trimestre, principalmente pelas dificuldades enfrentadas no mês de junho, com a estabilização das plantas de gás dos novos sistemas de produção de Búzios. Segundo a empresa, entretanto, já houve melhora operacional em julho, com a produção média retornando ao patamar de 2,7 MMboed, e pelo replanejamento da eficiência operacional e do cronograma de entrada de novos poços em Búzios

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) decidiu as novas regras para a redistribuição das autorizações da Avianca para pousos e decolagens, os chamados slots, no aeroporto de Congonhas, o mais congestionado do país. Com a definição, as 41 autorizações serão repassadas para empresas consideradas “entrantes” no aeroporto. Na prática, a decisão deixa de fora da divisão as companhias Latam e Gol, possibilitando a entrada da Azul.

Nos balanços, a Minerva teve prejuízo de R$ 113 milhões no segundo trimestre, cifra 88% inferior às perdas de um ano antes. A Ecorodovias teve lucro de R$ 58,5 milhões, queda de 27%. Já o laboratório Fleury registrou lucro de R$ 77,1 milhões no segundo trimestre, resultado 11% abaixo do reportado no mesmo intervalo do ano passado.

(Agência Estado e Agência Brasil)