Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta segunda-feira

Bolsas mundiais operam sem direção definida após aprovação de pacote fiscal pelo Senado dos EUA; preocupação com coronavírus no Brasil e mais destaques

Mercado – ações (Foto: Getty Images)

SÃO PAULO – A segunda-feira (8) começa com um dia misto para as bolsas mundiais, em meio à aprovação do pacote fiscal  de US$ 1,9 trilhão pelo Senado dos EUA levando à alta do rendimento dos Treasuries. Enquanto isso, o preço do petróleo chegou a subir forte mais cedo com notícias de ataques a complexo saudita, mas o preço recuou após aparente insucesso da empreitada.

Por aqui, atenção para o aumento de casos do coronavírus e o colapso do sistema de saúde em diversos estados. Foco ainda  na votação da PEC emergencial na Câmara. Nesta segunda, deve ser apresentado o relatório na Casa, na terça começam as discussões formais e a votação está prevista para quarta-feira, calendário este que pode sofrer atrasos. Confira no que ficar de olho:

1. Bolsas mundiais

As bolsas mundiais têm desempenhos variados nesta segunda-feira (8). Investidores acompanham o avanço do pacote de estímulos no valor de US$ 1,9 trilhão no Congresso americano, e uma nova alta dos juros dos títulos do Tesouro com vencimento em dez anos.

Após subirem nas negociações de overnight, os índices futuros americanos caem pela manhã. As principais bolsas asiáticas fecharam em queda, e as bolsas europeias têm tendência de alta.

No sábado (6), o Senado americano aprovou o plano de estímulos promovido pelo governo de Joe Biden, no valor de US$ 1,9 trilhão, abrindo caminho para a extensão de benefícios a desempregados de US$ 300 semanais, uma nova rodada de pagamento de auxílio de US$ 1.400 à maioria dos cidadãos americanos, e fundos para governos locais e estaduais.

O plano também libera recursos para a testagem e distribuição de vacinas contra a Covid, auxílio-aluguel para famílias com problemas financeiros e verbas para auxiliar escolas do ensino primário a reabrirem.

Também inclui US$ 14 bilhões para auxiliar empresas de aviação a pagarem salários de seus funcionários.

Antes de votar, o senador Chuck Schumer, líder da maioria democrata no Senado, afirmou: “Nós vamos vencer essa praga terrível e vamos viajar novamente, mandar nossos filhos para a escola e ficarmos juntos de novo (…) Agora, nosso trabalho é ajudar nosso país a sair deste presente tempestuoso em direção a um futuro de esperança”.

A expectativa agora é de que a Câmara, que também é controlada pelos democratas, aprove a legislação nesta semana. A Câmara aprovou uma versão ligeiramente diferente há uma semana. O presidente Joe Biden deve assinar a lei antes de os programas voltados a desempregados expirarem, em 14 de março.

PUBLICIDADE

Os índices futuros americanos avançaram nas negociações de overnight. Mas passaram a cair pela manhã, acompanhando a nova alta dos juros dos títulos do Tesouro americano com vencimento em dez anos, que, assim como ocorrera na semana retrasada, ultrapassaram a marca de 1,6% pela manhã.

O temor de investidores é de que a alta da inflação, sinalizada pelo aumento dos juros com vencimento no longo prazo, leve o Fed a rever a sua política, potencialmente elevando os juros referenciais de curto prazo.

Além disso, há temor de que parte dos investidores migre do mercado de ações para o de títulos, considerado seguro por ser garantido pelo governo, que tem o poder de criar impostos para obter receita, caso necessário.

E de que juros mais altos dificultem a tomada de empréstimos por empresas que precisam de grande volume de recursos para crescer rápido, como aquelas do setor de tecnologia.

As bolsas asiáticas tiveram uma sessão mista, com os investidores também reagindo aos dados sobre emprego divulgados pelo governo dos Estados Unidos na sexta (5).

O Departamento de Emprego reportou que o número de vagas subiu 379 mil em fevereiro, e a taxa de desemprego caiu de 6,3% em janeiro para 6,2%. A expectativa era de que fossem criadas 210 mil vagas, e de que a taxa de desemprego se mantivesse estável.

Além disso o valor do barril de petróleo está no radar de investidores, após a Arábia Saudita afirmar que suas unidades petrolíferas foram alvo de ataques por mísseis e drones no domingo (7).

Um porta-voz militar houthi afirmou que é responsável pelos ataques. Na semana passada, a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus aliados produtores de petróleo afirmaram que manteriam a produção estável até abril.

PUBLICIDADE

Após os ataques, os índices futuros americanos de petróleo WTI subiram 2,22%, a US$ 67,56 o barril, e o barril Brent teve alta de 2,28%, a US$ 70,94. Contudo, o preço recuou após aparente insucesso da empreitada.

Apesar de a alta dos juros de títulos do Tesouro americano levar a certa apreensão, o índice Eurostoxx, que reúne 600 ações de empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,83%. O setor bancário lidera os ganhos, avançando 1,9%. O de serviços tem queda de 0,7%.

Ainda no radar econômico, as exportações da China em fevereiro cresceram a um ritmo recorde em relação ao ano anterior, quando a Covid-19 afetou a segunda maior economia do mundo, mostraram dados da alfândega neste domingo, enquanto as importações subiram com menos força.

As exportações em dólares dispararam 154,9% em fevereiro na comparação com o mesmo período do ano anterior, enquanto as importações ganharam 17,3%, ritmo mais forte desde outubro de 2018.

Veja os principais indicadores às 8h (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA), -0,7%
*Nasdaq Futuro (EUA), -1,69%
*Dow Jones Futuro (EUA), -0,2%
Europa
*Dax (Alemanha), +1,14%
*FTSE 100 (Reino Unido), -0,12%
*CAC 40 (França), +0,7%
*FTSE MIB (Itália), +1,43%
Ásia
*Nikkei (Japão), -0,42% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,92% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -1% (fechado)
*Shanghai SE (China), -2,3% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,06%, a US$ 66,13 o barril
*Petróleo Brent, +0,03%, a US$ 69,38 o barril
*Bitcoin, -1,33%, a US$ 50.198,03
Sobre o minério: **Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com alta de 0,26%, cotados a 1143,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 173,97 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,53

2. Agenda

Às 6h30 foi divulgado o índice Sentix, medindo a confiança do investidor na atividade econômica em março na Zona do Euro, que marcou 5 pontos, acima da projeção de 1,9, e uma elevação frente ao patamar anterior, de -0,2, indicando maior otimismo dos investidores.

São divulgados nesta segunda dados sobre financiamento agregado, novos empréstimos em yuan, oferta monetária e mão de obra, referentes a fevereiro na China.

PUBLICIDADE

Às 8h, a FGV divulga o índice IGP-DI de inflação, relativo a fevereiro no Brasil. Às 8h20, o Banco Central divulga o Boletim Focus, com a expectativa de analistas quanto a indicadores importantes, como inflação, crescimento do PIB e taxa de câmbio. Às 15h é divulgada a balança comercial semanal no Brasil.

Às 12h são divulgados dados de estoques e vendas de negócios no atacado, em janeiro nos Estados Unidos. No mesmo horário, Kristalina Georgieva (FMI) e Janet Yellen (Tesouro dos EUA) participam de evento do Fundo Monetário Internacional.

3. Novo recorde na média de mortes, colapso em estados e articulação de governadores

Pelo nono dia seguido, o país bateu seu recorde na média móvel de mortes por Covid em 7 dias, com a marca de 1.497, alta de 42% em comparação com a média de 14 dias atrás.

As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h de domingo (7), o avanço da pandemia em 24 h no país. Em apenas um dia, o Brasil registrou 1.054 mortes.

Segundo o consórcio de veículos de imprensa, a média móvel de novos casos em sete dias foi de 67.061, alta de 42% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia houve 79.237 diagnósticos.

Até o domingo, 8.220.820 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a covid no Brasil, o equivalente a 3,88% da população. A segunda dose foi aplicada em 2.718.147 pessoas, ou 1,28% da população. Analistas vêm apontando a velocidade da imunização como um dos fatores a influenciarem a retomada da economia.

Levantamento realizado pelo jornal O Globo junto a secretarias estaduais de Saúde na sexta indicou que havia ao menos 1.563 pessoas aguardando por vagas em leitos de UTI em 11 estados. A taxa de ocupação de UTIs na rede pública superava então 80% em 17 estados e no distrito Federal. A maior fila era no Paraná, com 336 pessoas aguardando por um leito de UTI e 811 pessoas aguardando qualquer tipo de leito hospitalar.

No domingo, o secretário de Saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, pediu ajuda de outros estados para a transferência de pacientes com Covid. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, havia então 59 pacientes com Covid à espera de um leito de UTI (unidade de terapia intensiva) no Mato Grosso.

Em entrevista ao portal G1, Figueiredo afirmou: “O sistema hospitalar já colapsou. A procura por profissionais está grande, mas não há pessoas. As empresas têm dificuldades para atender nossas solicitações. Existe um colapso já estabelecido no sistema SUS”.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, secretários de Saúde vinham auxiliando uns aos outros com a transferência de pacientes em casos do tipo. Mas, com a saturação generalizada de sistemas de saúde pelo Brasil, nenhuma assistência foi oferecida até o momento.

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), afirmou: “Estamos vivendo em Mato Grosso e em todo Brasil uma situação muito crítica. O que começou no Amazonas, Roraima, Rondônia, hoje é uma realidade em pelo menos 12 estados. Em março do ano passado, tínhamos 124 UTIs no estado. Hoje são 482 leitos de UTI, mas nós não estamos mais encontrando profissionais para assumir essa demanda”.

Em Santa Catarina, a juíza federal substituta Heloisa Menegotto Pozenato, da 2ª Vara Federal de Chapecó, determinou que a União deve transferir, imediatamente, todos os pacientes na espera por leitos clínicos na região do Oeste do estado para qualquer cidade do país que tenha vaga.

No domingo, governadores de 21 estados e do Distrito Federal se manifestaram favoráveis à criação de um “pacto nacional” para implementar medidas restritivas e preventivas que ajudem a atenuar o pico da pandemia de Covid. A articulação entre governadores busca contornar a resistência do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) à adoção de medidas para lidar com a crise.

Nesta segunda (8), os governadores devem se reunir no Rio de Janeiro com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e com representantes da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para discutir estratégias de enfrentamento do vírus e maior agilidade na vacinação.

A articulação ocorre no âmbito do Fórum de Governadores, comandado pelo governador do Piauí Wellington Dias (PT), que afirmou: “Não adianta o meu estado fazer e outro não fazer. Isso é o que chamei de ‘enxugar gelo’, ou seja, a transmissibilidade tem que ser cortada nacionalmente. É claro que o ideal é como fazem outros países, o poder central estar fazendo isso. Os Estados Unidos não faziam na época do Trump, mas estão fazendo agora com o Joe Biden”.

4. Inflação e pressão por alta da Selic

De acordo com reportagem do jornal Valor a partir de conversas com economistas do mercado financeiro, há pressão para que o Banco Central eleve a taxa Selic na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). Os economistas ouvidos pela reportagem falam em alta de 0,5 ponto percentual. A taxa está atualmente em 2% ao ano.

Apesar do mau desempenho da economia, a inflação tem avançado. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), o principal índice de inflação, fechou 2020 em 4,52%, acima do centro da meta, de 4%. Os economistas esperam que o índice avance, em junho, a 6% em 12 meses.

A PEC Emergencial passou pelo Senado e deve ser votada nesta semana pela Câmara dos Deputados. Ela flexibilizou as regras fiscais, de forma a viabilizar os gastos do governo neste ano e o pagamento do auxílio emergencial, com limite estabelecido pela proposta de R$ 44 bilhões.

Em contrapartida, criou determinados gatilhos, que impedem a contratação de servidores, por exemplo, em caso de desequilíbrio fiscal. Mas, desidratada, deixou de lado os servidores militares, e abriu exceções para o Orçamento das Forças Armadas, engessando os gastos públicos.

O fim dos repasses de 28% da arrecadação do PIS (Programa de Integração Social) e do Padep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), maior fonte de recursos da instituição, também foi excluído do texto votado.

A redução de até 25% dos salários dos servidores com redução proporcional de jornada, o pagamento de abono salarial abaixo do mínimo e a desvinculação de diversos benefícios da inflação, que chegaram a ser discutidos no Senado, não entraram na proposta final.

Mas, em entrevista ao Valor, o ex-presidente do Banco Central, Affonso Celso Pastore, afirmou que vê com apreensão a pressão de agentes do mercado a favor da alta acelerada dos juros. “Se for subir juros para baixar o câmbio, acho um erro, vai impor desaceleração adicional da economia. Se tem que começar a subir, vá devagar”, afirmou.

Tanto Pastore quanto os economistas Arminio Fraga e Luiz Carlos Mendonça de Barros disseram avaliar que o presidente Jair Bolsonaro teria realizado uma gestão inadequada da pandemia, o que seria um fator responsável pelo risco atual de recessão técnica.

Vale ressaltar que o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou na sexta-feira que o governo vai antecipar o pagamento do décimo terceiro a aposentados este ano como uma medida de enfrentamento à crise da pandemia, como já feito em 2020, e que também já está trabalhando na renovação do programa BEM, que oferece uma complementação de renda a trabalhadores que tenham sofrido redução de jornada e de salários.

5. Radar corporativo

No radar corporativo, a Notre Dame Intermédica publicou na sexta-feira detalhes da assembleia geral extraordinária (AGE) convocada para 29 de março, que votará a proposta de fusão com a rival Hapvida. Dentre as propostas a serem votadas está a incorporação da Intermédica pela a Hapvida. Além disso, a agenda da reunião prevê distribuição de um dividendo de R$ 4 bilhões aos acionistas da Intermédica.

A Focus Energia, que atua em comercialização e geração de energia renovável, assinou contrato com a espanhola Soltec Power Holdings, para a aquisição de equipamentos para um projeto fotovoltaico no Brasil.

No setor de educação, a Arco Educação fechou a compra dos sistemas de ensino COC e Dom Bosco, da Pearson, por R$ 920 milhões. O pagamento será feito em dinheiro.

Entre as recomendações, a PetroRio foi elevada para outperform (desempenho acima da média do mercado) pelo Bradesco BBI, com preço-alvo de R$ 126 para os ativos PRIO3.

A Lojas Americanas afirmou na sexta que pretende manter sua estratégia de abertura de lojas físicas, mesmo com a forte migração de compras para o comércio eletrônico, disseram executivos da companhia nesta sexta-feira. “A abertura de lojas faz parte da nossa estratégia”, disse o diretor-presidente da Lojas Americanas, Miguel Gutierrez, durante teleconferência com analistas sobre os resultados do quarto trimestre, frisando que, dentro do plano de longo prazo, a expectativa é de abrir cerca de 150 novas unidades em 2021.

A B2W, controlada pela Lojas Americanas, quer ampliar sua atuação no segmento de entrega de alimentos em 2021, após fazer parcerias no ano passado, o que inclui além de entrega de itens de supermercado, refeições de restaurantes, afirmaram executivos da empresa na sexta. “Fizemos as parcerias para entendermos esse mercado, mas pretendemos expandir daqui para frente”, afirmou o diretor de relações com investidores da B2W, Raoni Lapagesse, em teleconferência com analistas.

Na temporada de balanços do quarto trimestre, atenção para os números de Magazine Luiza, Marfrig, Petz, Santos Brasil, após o fechamento.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.