Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quinta-feira

Investidores estarão de olho no IBC-Br, considerado prévia do PIB, após leva de indicadores abaixo do esperado no Brasil

Aprenda a investir na bolsa

Passada a assinatura da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China, os mercados voltam hoje suas atenções para a divulgação de resultados corporativos nos EUA, onde Morgan Stanley e Bank of New York Mellon divulgam balanços.

A China divulgará, às 23h de hoje, o seu PIB de 2019, indicador que mostrará qual é a desaceleração do gigante asiático. No Brasil, o mercado aguarda a divulgação do IBC-br de novembro do ano passado. O indicador, considerado uma prévia do PIB, será acompanhado de perto pelos investidores após uma rodada de números fracos na economia.

No noticiário corporativo, destaque para a emissão de notes que a Klabin fará no mercado internacional e avaliada em US$ 200 milhões. Confira os destaques desta quinta-feira:

1. Bolsas mundiais

Aprenda a investir na bolsa

Os futuros de Nova York avançam hoje, na expectativa divulgação dos balanços de bancos com o Morgan Stanley e o Bank of New York Mellon. Além dos resultados corporativos, os mercados aguardam indicadores da economia chinesa.

Na noite de hoje, o governo chinês divulga o PIB de 2019. É esperado um crescimento de 6%. Bolsas de valores da Ásia fecharam mistas. Já os mercados europeus, que ontem fecharam em queda antes da assinatura da primeira fase do acordo entre Estados Unidos e China, ficam próximos da estabilidade após chegarem a avançar mais cedo.

Nova York
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,27%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,36%
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,25%

Europa
*Dax (Alemanha) , -0,09%
*FTSE (Reino Unido), -0,42%
*CAC 40 (França), +0,03%
*FTSE MIB (Itália), +0,13%

Ásia
*Hang Seng (Hong Kong), +0,38% (fechado)
*Xangai (China), -0,52% (fechado)
*Nikkei (Japão), +0,07% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), +0,77% (fechado)

*Petróleo WTI, +0,49%, a US$ 58,30 o barril
*Petróleo Brent, +0,70%, a US$ 64,70 o barril

PUBLICIDADE

**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em baixa de -1,20%, cotados a 658,50 yuanes, equivalentes a US$ 95,74 (nas últimas 24 horas). USD/CNY= 6,8800 (+0,10%)
*Bitcoin, US$ 8.618,71 -1,30%

2. Indicadores econômicos

No Brasil, a FGV publica às 8h o IPC-S da segunda quadrissemana de janeiro e também o IGP-10.

O Banco Central publica às 9h o IBC-Br relativo a novembro. A expectativa é de uma queda de 0,05% em novembro na comparação mensal, segundo mediana em pesquisa Bloomberg, depois de avançar 0,17% na medição anterior. Caso estimativa negativa se confirme, será a 1ª baixa após três crescimentos mensais seguidos.

Na comparação anual, indicador deve ter registrado alta de 0,90%, após crescimento de 2,13% na medição anterior, de acordo com o consenso Bloomberg. O indicador é publicado um dia depois da frustração com os dados de varejo, que ampliaram apostas em corte da Selic no próximo Copom.

Já nos Estados Unidos, o Departamento de Trabalho publica os pedidos semanais de seguro-desemprego.

3. Acordo EUA-China e efeito no Brasil

O jornal O Globo aponta que, segundo cálculo da consultoria Oxford, a primeira fase do acordo comercial assinada ontem entre Estados Unidos e China poderá gerar uma perda de até US$ 10 bilhões nas exportações brasileiras.

A China se comprometeu ontem a aumentar suas compras de produtos agrícolas americanos em US$ 50 bilhões nos próximos dois anos, incluindo soja, milho, carnes bovina e suína, aves e algodão, produtos que o Brasil exporta para o gigante asiático. Segundo a matéria, os US$ 10 bilhões equivalem a 5% dos US$ 223 bilhões exportados pelo Brasil no ano passado.

Por outro lado, o Brasil pode ganhar com o fato de que o acordo beneficia a economia chinesa, o que pode aumentar as exportações brasileiras para o país.

4. Radar Político

PUBLICIDADE

O secretário de Comunicação do governo federal, Fábio Wajngarten, reagiu na noite da quarta-feira à matéria do jornal Folha de S. Paulo, a qual indicou que o funcionário, responsável pelas verbas do Planalto para a área de comunicação, recebeu repasses de duas emissoras de televisão, Record e Band, através da empresa FW, da qual é acionista majoritário.

Segundo a reportagem da Folha, existe conflito de interesses e, possivelmente, improbidade administrativa. Matéria da Folha de hoje diz que o presidente Jair Bolsonaro ficou incomodado com o caso e marcou reuniões para discutir o futuro do secretário. Wajngarten afirma que os contratos são anteriores à sua chegada à Secretaria.

5. Noticiário corporativo

A fabricante de papel e celulose Klabin comunicou que emitirá US$ 200 milhões (R$ 812 milhões) em notes nos Estados Unidos. A empresa brasileira fará a emissão através de sua subsidiária na Áustria e pagará um yield (retorno) de 6,10% ao ano para os compradores dos papéis. Já a Petrobras iniciou a etapa de venda (teaser) dos polos de Golfinho e Camarupim, que ficam em águas profundas na Bacia do Espírito Santo.

Ainda em destaque, Décio Odonne, diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), enviou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciando antecipação do fim de seu mandato, que venceria em dezembro deste ano.

Invista melhor seu dinheiro. Abra uma conta na XP Investimentos clicando aqui