Fique de olho

Os 5 assuntos que vão movimentar o mercado nesta quarta-feira

Decisões de política monetária no Brasil e nos EUA são destaques da sessão

Aprenda a investir na bolsa

A sessão de hoje (11) marca a última “super quarta” do ano, com as decisões conjuntas de política monetária do Banco Central brasileiro e do Fomc.

No exterior, as bolsas têm viés de baixa sem confirmação dos EUA de adiamento das tarifas contra China, enquanto também esperam pela fala de Jerome Powell, presidente do Fed, após a decisão de juros do BC americano. Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

Os mercados futuros de Nova York operam em leve baixa na manhã de hoje, à espera da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), que termina às 16h (horário de Brasília) e deverá definir se mantém a taxa de juros entre 1,5% e 1,75% ao ano nos Estados Unidos. Os mercados também estão em compasso de espera por causa da guerra comercial entre os EUA e a China. Na Ásia, a maioria das bolsas fechou em leve alta, enquanto as bolsas europeias operam mistas.

Aprenda a investir na bolsa

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, deverá fazer um discurso logo após a decisão de política monetária, no qual os investidores esperam que sinalize as projeções para a economia americana em 2020. Powell deve manter a liquidez alta na economia americana no final do ano, época em que o varejo e as empresas estão sob “stress”, comenta a CNBC News.

No mercado de commodities, o petróleo tem leve baixa após API mostrar aumento de estoques, enquanto o minério de ferro segue com ganhos.

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 07h44 (horário de Brasília):

Nova York
*S&P 500, -0,06%
*Nasdaq, +0,01%
*Dow, -0,10%

*Dax (Alemanha) , +0,15%
*FTSE (Reino Unido), -0,14%
*CAC 40 (França), -0,19%
*FTSE MIB (Itália), -0,03%

*Hang Seng (Hong Kong), -0,08% (fechado)
*Xangai (China), +0,24% (fechado)
*Nikkei (Japão), +0,79% (fechado)

PUBLICIDADE

*Petróleo WTI, -0,54%, a US$ 58,92 o barril
*Petróleo Brent, -0,61%, a US$ 63,95 o barril

**Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam com alta de 0,53%, cotados a 658,50 iuanes, equivalentes a US$ 93,55 (nas últimas 24 horas). USD/CNY= 7,0386 (+0,08%)
*Bitcoin, US$ 7.286,57, -0,84%

2. Agenda de indicadores

A Fundação Getúlio Vargas divulga hoje a prévia do IGP-M, relativo à inflação nos dez primeiros dias de dezembro. Em novembro, o IGP-M teve alta de 0,08% e no ano está acumulado em 4,79%, enquanto subiu 3,15% nos últimos doze meses. Um pouco mais tarde (9h) o IBGE divulga a sua pesquisa mensal de outubro sobre as vendas do varejo brasileiro.

Nos Estados Unidos, será divulgado às 10h30 o Índice de Preços ao Consumidor em novembro.

3. Copom

O Comitê de Política Monetária (Copom) realiza nesta quarta-feira a última reunião de 2019. A expectativa do mercado é que a taxa básica de juros (Selic) sofra um corte de 0,5 ponto porcentual, de 5% para 4,5% ao ano. O Copom iniciou o ciclo atual de cortes em julho, quando a taxa estava em 6,5% ao ano.

Segundo a última pesquisa do Banco Central com o mercado, a expectativa é que a Selic possa cair ainda mais em 2020, com a possibilidade de chegar a 4,25% ao ano em fevereiro próximo. A partir de então a Selic poderá ser mantida neste patamar até dezembro de 2020, quando então voltaria a subir para 4,5% ao ano. No dia 2, em um encontro empresarial em São Paulo, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, sinalizou que a Selic será reduzida hoje para 4,5% ao ano. A redução é esperada, apesar da possível pressão da alta do dólar sobre a inflação. O Copom deverá divulgar a decisão às 18h de Brasília.

4. Noticiário político

O Congresso Nacional aprovou na noite de ontem (10) o Plano Plurianual (PPA) para o período 2020-2023. O texto agora seguirá para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Segundo a Agência Câmara, o texto aprovado é o substitutivo do relator do projeto, o senador Oriovisto Guimarães (Pode-PR). Durante a análise na Comissão Mista do Orçamento, o senador incorporou ao texto, total ou parcialmente, 326 das 546 emendas apresentadas. No total, o PPA enviado por Bolsonaro e aprovado ontem pelo Congresso prevê gastos de R$ 6,8 trilhões em quatro anos e estabelece cinco eixos de atuação – econômico, social, infraestrutura, ambiental e institucional.
Segundo o governo federal, o objetivo do PPA aprovado ontem é priorizar “políticas públicas voltadas para a primeira infância”.

PUBLICIDADE

O senador Oriovisto concordou com a estrutura do modelo conceitual enviado pelo Poder Executivo – que inovou em relação ao atual PPA, aprovado no governo Dilma Rousseff. No total, estão previstos 66 programas e 61 metas quantificáveis. O atual PPA é bem mais extenso, com 54 programas, 304 objetivos e 1.136 metas.

Na reunião de ontem da Comissão Mista de Orçamento, o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) criticou o modelo adotado para o próximo Plano Plurianual. Segundo ele, ao resumir demais o PPA, não houve a definição dos objetivos e das metas que serão buscados. “Do jeito que está o governo Bolsonaro pode fazer o que quiser”, reclamou.

5. Noticiário corporativo

A Congo Airways assinou uma encomenda firme para comprar dois jatos de passageiros E175 da brasileira Embraer, informou a indústria de aeronaves em comunicado enviado ontem (10) à CVM. Segundo a Embraer, o contrato está avaliado em US$ 194,4 milhões (R$ 810,6 milhões) e os aviões serão entregues à Congo no quarto trimestre de 2020.

A Construtora Tenda S.A., de São Paulo, informou que emitiu no dia 5 um total de 200 mil debêntures, em um valor de R$ 200 milhões. Segundo a empresa, o dinheiro levantado com a venda dos papéis será usado reforçar financeiramente o seu caixa. As debêntures poderão ser resgatadas em cinco anos.

Na Oi, Eurico Teles deixa a presidência da companhia em 30 de janeiro, enquanto a Delta informou ter vendido 32,9 milhões de ações PN da Gol nos últimos dias.

No noticiário sobre saneamento, o projeto que facilita entrada do setor privado no setor, que estava previsto para ontem, deve ser votado pela Câmara hoje.

 

(Agência Câmara, Agência Brasil e Bloomberg)

PUBLICIDADE

Invista melhor seu dinheiro: abra uma conta gratuita na XP