Economia

Os 3 grandes temas que vão definir o futuro do Brasil, segundo Eduardo Giannetti

O cenário de recuperação econômica que vinha sendo desenhado caiu por terra com a delação de Joesley Batista mas, ainda assim, o País tem condições de chegar até a eleição de 2018 com tímidos sinais de avanço, avalia o economista

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – O Brasil está passando por um processo muito doloroso de de auto-conhecimento. O cenário de recuperação econômica que vinha sendo desenhado com a mudança de governo caiu por terra com um risco político de grande magnitude se materializando com a delação de Joesley Batista, em maio. Ainda assim, o País tem condições de chegar até a eleição de 2018 com alguns tímidos avanços, avalia o economista e escritor Eduardo Giannetti. 

Para ele, a crise política que estourou no dia 18 de maio levou o País a voltar a tomar decisões curto-prazistas, táticas, mas agora é hora de pensar no que queremos para o longo prazo. E, para esse cenário, o Brasil precisa atacar 3 grandes frentes, defendeu o economista durante palestra de encerramento do evento Encontro de CEOs da Exame, em São Paulo, que ocorreu nesta semana. São eles: ambiente de negócios, controle fiscal e reforma política.  

Entenda a importância de cada um deles abaixo: 
1) Ambiente de negócios: Segundo ele, o Brasil precisa se integrar ao fluxo mundial de comércio. “É muito difícil imaginar o Brasil sair dessa armadilha sem integração ao comércio internacional e investimentos”, comenta. 

Ele cita a modernização do parque produtivo, que já era baixa, caiu para algo “absurdamente baixo” com a crise. Além disso, há um atraso enorme em investimentos em infraestrutura, o que dificulta a ida da economia brasileira para o fluxo mundial de comercial. 

“É incrível que, mesmo com um ambiente tão adverso, ainda seja possível termos exemplos de organizações que são capazes de fazer o trabalho crescer forma consistente e pensar em estratégias de negócios, em longo prazo”, disse.

2) Controle fiscal: Ele comenta a necessidade do País equilibrar a situação fiscal no longo prazo e que não leve a uma situaçao de descontrole, citando o problema que afeta atualmente o estado do Rio de Janeiro. 

“Quer um fato mais exorbitante de que hoje a carga tributária do País representa 35% do PIB (Produto Interno Bruto), contra 25% dos países de renda média; e o déficit nominal é de cerca de 10% do PIB, o que significa que 45% da renda nacional são drenadas pelo Estado. E o que é feito disso?”, questiona. 

Segundo ele, dois itens das despesas representam 20% do PIB. São eles: Previdência (12%) e juros (8%), que são muito elevados, acarretando um serviço da dívida muito alto, mas que tende a melhorar um pouco em meio ao ciclo de queda da Selic. “Dessa conta, sobram livres nas mãos do governo 25% do PIB, que é a carga tributária média de um pais de renda média. Mas o que é feito? Ou seja, tem algo muito errado nas finanças públicas brasileiras, que nao é apenas Previdência e dívida. Vamos ter de abrir essa caixa-preta e reavaliar a maneira como é feita a distribuição de recursos”, comenta. 

Para ele, o caminho vai ser menos Brasília, mais Brasil. “Vamos ter que pensar genuinamente no Pacto Federativo; Brasília vai ter que diminuir de tamanho”.

3) Reforma Política (a governança do Brasil): O economista chama o último tema de “delicado”. “Como esperar uma reforma política dos políticos que lá estão?”, questiona. 

Paira em Brasília uma minirreforma política, votada às pressas para a próxima eleição, mas que tem itens positivos, como a proibição das coligações, um teto para gastos em campanha em diferentes níveis, comenta. 

Segundo ele, o mais importante de tudo isso é que o País está passando por um processo muito doloroso de auto-conhecimento e que o que faremos a partir disso, as decisões estratégicas que tomaremos, fará agora toda a diferença para o futuro do Brasil. “Nós nos extraviamos a tal ponto que devemos estar em um bom caminho”, finaliza, citando o escritor português Fernando Pessoa.

Compartilhe