História recente como guia

Onda de IPOs na B3 pode trazer ressaca em 2021, diz Morgan Stanley

“A evidência histórica sugere que os investidores normalmente surfam a onda por muito tempo e há uma derrocada no ano seguinte”, aponta o banco

arrow_forwardMais sobre
Gráfico de ações (Shutterstock)
Gráfico de ações (Shutterstock)

(Bloomberg) — O pipeline robusto de ofertas iniciais de ações no Brasil pode sinalizar fraqueza adiante para o mercado local, se a história recente é algum guia, de acordo com o Morgan Stanley.

A performance do índice MSCI Brazil em dólares tem sido fraca no ano seguinte a um aumento rápido no volume de IPOs de empresas brasileiras. Após períodos de mercado de capitais aquecido em 2007, 2013 e 2017, o índice apresentou queda de 58%, 17% e 4%, respectivamente, nos anos seguintes.

“A evidência histórica sugere que os investidores normalmente surfam a onda por muito tempo e há uma derrocada no ano seguinte”, analistas do Morgan Stanley liderados por Guilherme Paiva escreveram em relatório de 18 de agosto.

Desde 2002, os IPOs de companhias brasileiras apresentaram em média um ganho de 13% em dólares durante os dois primeiros anos após a listagem, segundo o relatório.

Um número elevado de ofertas adiadas ou canceladas em relação ao total anunciado também coincidiu com momentos de fraqueza do mercado, segundo os analistas.

O Morgan Stanley prevê um total de US$ 13,5 bilhões em IPOs brasileiros neste ano, com 44 transações ainda pendentes. As ofertas de ações de empresas locais apresentam alta de 30% no acumulado do ano, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!