Nucoin: Nubank anuncia criptomoeda com foco em programa de fidelidade

Ativo digital será distribuído gratuitamente a clientes a partir de 2023

Paulo Barros

(Imagem: Reprodução/ Facebook/ Nubank)

Publicidade

O Nubank (NYSE:NU; B3:NUBR33) anunciou nesta quarta-feira (19) a Nucoin, uma criptomoeda própria que servirá de base para um novo programa de fidelidade do banco digital. A moeda tem previsão de lançamento no primeiro semestre de 2023 e será disponibilizada de graça para clientes no Brasil, na Colômbia e no México.

Segundo a empresa, o objetivo é permitir que clientes possam obter descontos e benefícios por acumular Nucoins. O banco ainda não forneceu detalhes sobre critérios de distribuição da criptomoeda. Antes do lançamento, entre outubro e novembro deste ano, o Nubank promete selecionar 2 mil usuários para testar a novidade.

Maior banco digital do Brasil, com 70 milhões de clientes, o Nubank oferece negociação de criptomoedas desde junho, em operação viabilizada pela Paxos, empresa responsável pela custódia dos ativos digitais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Este projeto é mais um passo à frente em nossa crença no potencial transformador da tecnologia blockchain e em democratizá-la mais, indo além de comprar, vender e guardar criptomoedas no aplicativo Nu”, conta Fernando Czapski, gerente geral da Nucoin no Nubank.

Ainda não se sabe se, após o lançamento, os clientes poderão sacar Nucoins para outras plataformas – até o momento, o banco digital não permite transferir criptos adquiridas.

A Nucoin será criada na blockchain Polygon, uma rede que roda em paralelo ao Ethereum (ETH) e é conhecida por oferecer transações rápidas e baratas. A empresa, de origem indiana, também é emite a MATIC, atualmente a 12ª cripto mais valiosa do mundo, com capitalização de US$ 6,4 bilhões.

Continua depois da publicidade

O lançamento de uma criptomoeda própria vem pouco depois de a fintech atingir 1 milhão de clientes de criptos. O avanço na seara dos ativos digitais, no entanto, vai na contramão das projeções sobre o desempenho da operação como um todo por conta das dúvidas em torno da capacidade da empresa de crescer e, ao mesmo tempo, aumentar a geração de receita.

No final de setembro, por exemplo, o Banco Central passou a limitar tarifa de cartões como os emitidos pelo Nubank, o que deverá impactar no faturamento a partir de 2023. Segundo o banco digital, se a medida estivesse em vigor desde 1º de julho de 2021, a receita da companhia teria sido afetada negativamente em 2,9%.

Bradesco BBI, Itaú BBA e Santander recomendam a venda do papel do Nubank, enquanto o BTG tem recomendação neutra. No exterior, no entanto, a situação se inverte, com Goldman Sachs, Citi e Morgan Stanley recomendando a compra – a exceção é o JPMorgan, com recomendação de venda.

No mês passado, a Nu Holdings, dona do Nubank, anunciou que deixaria de ser companhia aberta no Brasil, encerrando seu programa de BDRs nível 3 (os papéis são recibos de ações da empresa no exterior negociados na B3). Para analistas, apesar da alegada redução de custos, o saldo final da medida para a companhia é negativo, ainda mais levando em conta a forte expectativa gerada durante o processo de IPO.

As ações da empresa fecharam o pregão de terça-feira (18) na NYSE, em Nova York, em alta de 0,23%, a US$ 4,40.

Paulo Barros

Editor de Investimentos