AO VIVO Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Entenda

Novo plano econômico do PMDB pode desagradar 6 empresas na Bovespa

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o PMDB prepara uma ampliação do "Uma Ponte para o Futuro", que inclui uma revisão de gastos na área social e uma nova política para essa área

SÃO PAULO – Embora comemorado por boa parte do mercado, o novo programa econômico do PMDB já encontra seus desafetos na Bovespa. Isso porque os ajustes propostos pelo partido, que busca uma ruptura com o governo da presidente Dilma Rousseff, devem passar por cortes em incentivos para algumas empresas do setor de educação e construção civil, que foram favorecidas por programas governamentais. 

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o PMDB prepara uma ampliação do “Uma Ponte para o Futuro”, que inclui uma revisão de gastos na área social e uma nova política para essa área. No caso da educação, o ajuste passaria por uma restrição maior ao Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que aos olhos do partido precisa de “meritocracia”. Na Bolsa, há quatro empresas do setor expostas ao programa. Os papéis da Estácio (ESTC3, R$ 11,36, -7,11%) e Kroton (KROT3, R$ 11,19, -4,52%) figuraram nesta segunda-feira (28) como as maiores quedas do Ibovespa. Fora do índice, Ser Educacional (SEER3, R$ 10,70, -1,11%) e Anima (ANIM3, R$ 10,45, -5,00%) também caíram forte. No setor, o partido estuda também tornar o Pronatec mais seletivo. 

Já na construção civil, a alteração se daria em cortes de subsídios do programa “Minha Casa, Minha Vida”, que têm como principais ações expostas na Bovespa MRV Engenharia (MRVE3, R$ 11,78, -0,51%) e Direcional (DIRR3, R$ 5,83, -1,02%). Ambas ações caíram nesta sessão marcada por forte alta do Ibovespa (+2,38%).  

No plano do PMDB está uma revisão do uso do FGTS para financiar o “Minha Casa, Minha Vida”. Segundo Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães, “isso precisa ser enfrentado antes que vire um grande problema: estão levando o uso do FGTS ao limite – e o fundo é do trabalhador, precisa ser remunerado, não dá para fazer graça com dinheiro dos outros”. Moreira faria parte de um restrito grupo de assessores de Temer e estaria encarregado de propor programas numa eventual transição política, segundo o Estado.

O mercado aguarda que o PMDB rompa com o governo amanhã na reunião da cúpula do partido. No fim de semana, o PMDB do Rio de Janeiro, que tinha Leonardo Picciani como maior bastião de defesa do governo dentro da sigla, decidiu retirar apoio à presidente Dilma Rousseff. Nesta segunda-feira, o portal O Tempo informou que o PMDB de Minas Gerais também decidiu romper com o governo. A decisão deve ser ratificada na terça-feira.

Além das questões que vêm sendo estudadas para ampliação do “Uma Ponte para o Futuro”, há alguns pontos no antigo plano que, embora venham sendo deixados de lado pelo mercado, podem impactar outras empresas na Bolsa. Isso porque, embora o dólar venha em uma trajetória de queda diante da possibilidade do impeachment, se houver uma transição do governo Dilma para Temer alguns fatores devem ser levados em consideração. No programa do partido, alguns fatores que devem trabalhar como limitador de uma desvalorização mais abrupta, comentou o diretor de câmbio da Wagner Investimentos, José Faria Júnior.

Ele aponta duas passagens que constam no documento para acreditar nisso: 1) o programa fala que é preciso “repensar seriamente a ação do Banco Central” nas dispendiosas operações de swap cambial, cujo custo para o Estado poderá estar em 2015 em cerca de 2% do PIB; e 2) a agenda propõe uma taxa de câmbio que reflita as condições relativas de competitividade.

Isto é, em uma possibilidade do programa vir a ser implementado isso poderia levar o dólar para níveis mais altos, beneficiando novamente no médio prazo as ações exportadoras, que foram prejudicadas nesse início do ano pela queda da moeda. Entre elas, a fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3), além das empresas do setor de papel e celulose Suzano (SUZB5), Fibria (FIBR3) e Klabin (KLBN11). 

Especiais InfoMoney:

PUBLICIDADE

As novidades na Carteira InfoMoney para março

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa