Noticiário traz preocupações acerca da oferta e petróleo sobe forte em Londres e NY

Explosão em refinaria dos EUA e instabilidade política do maior exportador africano do produto levaram a valorização dos preços

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O barril de petróleo registrou forte alta nesta segunda-feira (18), impulsionado pelas preocupações acerca da oferta do produto após noticiário envolvendo refinaria dos EUA e conflito no maior produtor africano de óleo bruto.

A cotação do barril do petróleo Brent, negociado no mercado de Londres, fechou a US$ 58,47 no pregão desta segunda-feira, com alta de 4,41% em relação ao último fechamento. Por sua vez, o contrato com vencimento junho, que apresenta maior liquidez no mercado de Nova York, fechou cotado a US$ 59,03 por barril, configurando uma alta de 4,77% frente ao fechamento anterior.

Noticiário

Movimento de emancipação na Nigéria enviou anúncio à mídia afirmando ter explodido dois oleodutos na região e ameaçando um bloqueio marítimo ao país membro da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), na intenção de interromper as exportações.

Aprenda a investir na bolsa

Paralelamente, notícias de uma explosão na refinaria em Marcus Hook, localizada no nordeste dos Estados Unidos, também impactou as cotações, com investidores temerosos de que ambos os eventos, somados com um possível novo corte de produção da Opep, possam representar uma queda da oferta da commodity.

As cotações também respondem à expectativa acerca da expiração dos contratos para junho nesta terça-feira, o que traz maior volatilidade.

Reunião Opep

Na próxima semana irá ocorrer em Viena a reunião da Opep, em que os países membros do cartel irão decidir sobre sua produção de óleo bruto.

Segundo o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, preços entre US$ 80 e US$ 90 por barril são adequados. Tal declaração sugere que cortes na produção podem ser levados a pauta no encontro.

Por sua vez, o presidente da Opep, Jose Maria Botelho de Vasconcelos, afirmou que o cartel deverá decidir por níveis de produção próximos aos previamente concordados.