Em mercados

Fitch corta rating da Argentina de "B" para "CCC"

Agência destacou em relatório o aumento das incertezas políticas no país após o resultado das eleições primárias no último domingo

Fitch Ratings

SÃO PAULO — A agência de classificação de risco Fitch Ratings cortou nesta sexta-feira (16) a nota soberana da Argentina em dois níveis, de "B" para "CCC". O corte reflete o aumento das incertezas políticas no país, especialmente depois do resultado das eleições primárias no último domingo.

Em relatório assinado por Shelly Shetty e Charles Seville, a agência de risco destacou uma piora nas condições financeiras do país e uma esperada deterioração no ambiente macroeconômico, que aumentam a probabilidade de um default soberano ou de uma restruturação da dívida do país. 

"O resultado das eleições primárias [no último domingo] destacaram riscos maiores de uma descontinuidade de políticas a partir das eleições de outubro de 2019. Isso gerou um colapso nos mercados, incluindo uma enorme depreciação do peso argentino e a disparada dos spreads de títulos públicos, o que sugere que esforços maiores para uma estabilização macroeconômica e das condições financeiras soberanas são necessários. Esses eventos adversos podem afetar a liquidez soberana no curto prazo e aumentar os riscos de sustentabilidade da dívida", escreveu a Fitch.

No último domingo, os argentinos votaram nas eleições primárias — uma prévia para as eleições oficiais, que estão marcadas para outubro. A chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner (como vice) ficou 15 pontos percentuais à frente da chapa do atual presidente do país, Mauricio Macri.

O mercado recebeu a notícia negativamente, uma vez que o governo de Cristina Kirchner — entre 2007 e 2015 — foi marcado por estatizações e manipulação de dados oficiais. A percepção é de que foi o governo de Cristina que guiou a Argentina para a crise na qual ela se encontra hoje, com inflação de mais de 50% e taxa de juros de 74% ao ano. 

Segundo a Fitch, uma eventual vitória da Chapa Fernández-Kirchner pode interromper o programa do Fundo Monetário Internacional (FMI) seguido pela administração de Macri. "Na campanha, até agora, Fernández questionou alguns elementos-chave da atual estratégia política no país e defendeu alguma forma de renegociação do programa do FMI, ao mesmo tempo o histórico de Kirchner de 2007 a 2015 indicam a mesma inclinação para isso."

A Fitch prevê que a dívida pública da Argentina vai alcançar 95% do PIB em 2019 — o que significa que o peso não deve se depreciar  muito além do que já se depreciou contra o dólar, perto de 60 pesos argentinos por dólar. A projeção da agência é de uma contração de 2,5% do PIB do país neste ano. Antes, esperava uma queda menor, de 1,7%. 

Veja abaixo as notas praticadas pelas agências de classificação de risco.

Fitch Ratings Moody's Standard & Poor's
AAA Aaa AAA
AA+ Aa1 AA+
AA Aa2 AA
AA- Aa3 AA-
A+ A1 A+ 
A A2
A- A3 A- 
BBB+ Baa1 BBB+ 
BBB Baa2 BBB
BBB- Baa3 BBB-
BB+ Ba1 BB+
BB Ba2 BB 
BB- Ba3 BB- 
B+ B1 B+ 
B (rating anterior Argentina) B2
B- B3 B-
CCC (novo rating Argentina) Caa1  CCC+ 
CC Caa2  CCC
C Caa3  CCC-
RD Ca  CC 
D C C
- - D

Quer investir melhor o seu dinheiro? Abra uma conta na XP Investimentos — é grátis

 

Contato