Em mercados

Bancos não estão preparados para nova crise

Para estarem preparados e refletirem melhor o verdadeiro valor dos empréstimos em seus livros, os bancos fazem provisões contra perdas esperadas

tempestade
(Shutterstock)

(Bloomberg) -- As reformas adotadas pelos Estados Unidos após a crise financeira de 2008 deveriam assegurar que os bancos estivessem mais bem preparados para suportar as perdas com os chamados créditos podres.

Estão preparados? Em um importante aspecto, nem tanto.

Quando os bancos concedem empréstimos, sabem que alguns deles nunca serão pagos. Para estarem preparados e refletirem melhor o verdadeiro valor dos empréstimos em seus livros, os bancos fazem provisões contra perdas esperadas. Idealmente, essas reservas são a primeira linha de defesa em uma crise, fornecendo um amortecedor antes que as perdas comecem a corroer o capital de um banco.

No entanto, na crise mais recente, o mecanismo não funcionou como deveria. Quando a economia estava em expansão e os níveis de perdas eram baixos, os bancos faziam provisões insuficientes, supondo que as coisas continuariam do mesmo jeito. Por isso, quando os índices de inadimplência dispararam, as instituições financeiras tiveram de correr para elevar as reservas de uma só vez. Esse provisionamento levou a perdas líquidas e corroeu o capital dos bancos precisamente no momento em que mais precisavam dele.

Agora, a economia está longe de uma longa expansão, e sinais de excesso aparecem novamente, desta vez, principalmente em empréstimos corporativos. Diante disso, os bancos estão mais bem preparados?

Embora tenham mais capital, o volume ainda não é suficiente para que enfrentem uma crise grave. E os bancos não parecem estar protegendo esse capital fazendo mais provisões para perdas com empréstimos. Em março, as reservas dos maiores bancos dos EUA (os que contam com mais de US$ 500 bilhões em ativos) respondiam por 1,2% do total de empréstimos. É mais ou menos onde estavam antes de serem atingidos pela última crise:

Os bancos não são inteiramente culpados. No passado, os reguladores castigaram as instituições pelo provisionamento excessivo, alegando que estavam manipulando as reservas para melhorar a aparência dos lucros. As atuais regras contábeis permitem que os bancos aumentem as provisões somente quando as perdas são prováveis ??- o que normalmente significa que os empréstimos já devem estar vencidos há mais de 90 dias. Por isso, caso quisessem estar melhor preparados, poderiam ter problemas.

A boa notícia é que, após anos de análise, as autoridades contábeis estão mudando as regras. A partir do próximo ano, exigirão que os bancos analisem o ciclo, fazendo provisões com base em quanto esperam perder durante a vida útil de suas carteiras de empréstimos. Se os bancos responderem aumentando as provisões, os lucros terão um impacto temporário. Mas todo o sistema será mais resistente quando a próxima crise chegar.

Infelizmente, as organizações que fazem lobby em nome dos bancos estão tentando suspender ou pelo menos atrasar a reforma. Projetos de lei apresentados tanto na Câmara dos Deputados dos EUA quanto no Senado bloqueariam a mudança e exigiriam mais estudos - embora pesquisas mostrem que a alteração funcionaria conforme o planejado e grande parte do mundo já tenha adotado reformas semelhantes.

Esperemos que os parlamentares usem melhor seu tempo e que a nova regra resulte em mais prudência.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

 

Tudo sobre:  Bancos   Crise  

Contato