Em mercados

BCE espera manter juros por mais tempo devido a incertezas, diz Draghi

Mais cedo, o BCE manteve sua taxa de refinanciamento em 0% e a taxa de depósito em -0,4%

Mario Draghi, BCE
(Ralph Orlowski/Reuters)

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse em coletiva de imprensa nesta quinta-feira que a instituição prevê manter suas principais taxas de juros nos níveis atuais por um período mais longo devido a "incertezas prolongadas".

Mais cedo, o BCE manteve sua taxa de refinanciamento em 0% e a taxa de depósito em -0,4%, mas alterou a projeção do período em que os juros deverão ficar inalterados, do fim de 2019 para até "pelo menos o fim do primeiro semestre de 2020".

Segundo Draghi, um "amplo grau de acomodação" continua sendo necessário e a economia ainda se beneficia das taxas de juros ultrabaixas em vigor. Draghi reiterou que o BCE está determinado a agir e ajustar suas ferramentas de política, se preciso.

Ele destacou que turbulências globais vêm pesando particularmente na indústria europeia e que o sentimento econômico está sendo abafado por medidas protecionistas e fatores geopolíticos.

Além disso, Draghi comentou que os riscos para a zona do euro pendem para o lado negativo, mas ressaltou que a probabilidade de uma recessão é "muito baixa", uma vez que as condições financeiras permanecem favoráveis.

Para Draghi, a terceira rodada de empréstimos baratos destinados ao setor bancário da zona do euro (conhecidos como TLTROs, pela sigla em inglês), que terá início em setembro, ajudará a salvaguardar condições de crédito favoráveis.

Draghi previu ainda que a inflação nominal da zona do euro deverá desacelerar nos próximos meses ante de ganhar força no fim do ano. Já a inflação subjacente - que exclui itens mais voláteis - deverá se acelerar no médio prazo. Desta forma, concluiu ele, não há riscos de deflação no bloco.

 

Contato